Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

domingo, 9 de setembro de 2012

Sede da Igreja Universal serve de comitê informal de Russomanno

Celso Russomanno (fotomontagem)
Candidato continua a afirmar que
desconhece o apoio da igreja 
O comando da campanha eleitoral do candidato a prefeito de São Paulo Celso Russomanno (PRB) está usando a sede da Igreja Universal do Reino de Deus como comitê informal. É o mesmo prédio onde Edir Macedo, o chefe da igreja, celebra cultos. O PRB é o braço político da Universal, e a campanha do candidato é coordenada por pastores.

Russomanno não quis comentar o uso do templo em sua campanha, conforme noticiou hoje (9) a Folha de S.Paulo. Ele disse não ter informações, mas cabos eleitorais que estavam no prédio informaram que trabalham para o candidato.

Os cabos eleitorais se reúnem no estacionamento do templo, na avenida João Dias, em Santo Amaro, zona sul da cidade. Ali, eles são abastecidos de bandeirinhas e adesivos para distribuir nas às ruas. À tarde, retornam para devolver a sobra, em uma mesa com a inscrição Força Jovem Brasil, que é um grupo da Universal.

Os jovens recrutados também fazem campanha para o pastor Jean Madeira, líder da Força Jovem e candidato a uma cadeira na Câmara Municipal. Cada um dos jovens ganha R$ 150 por semana para sete horas de trabalho por dia, de acordo com o jornal. O pagamento é feito no local.

A Assembleia de Deus Ministério em Santo Amaro, na zona sul de São Paulo, também se envolveu diretamente com a campanha de Russomanno. Os líderes dessa congregação estabeleceram para cada um dos seus 500 pastores a meta de garantir pelo menos 100 votos para o candidato. Durante um culto, houve um pedido formal de voto. Ver vídeo abaixo.

A participação da Universal e da Assembleia de Deus na campanha de Russomanno pode ser considerada como é ilegal porque a Lei Eleitoral afirma que os templos são bens públicos, e nenhum candidato pode se valer deles. Pelo artigo 38 dessa lei, bens públicos são “aqueles a que a população em geral tem acesso, ainda que de propriedade privada”.

Por isso, para o advogado Augusto Aras, professor de direito eleitoral da UnB, o envolvimento de igrejas em campanhas políticas é uma prática ilícita porque configura abuso de poder.

Ele afirmou que há, no caso, ilícito eleitoral porque é “proibida qualquer tipo de propaganda eleitoral, mesmo se ela ocorrer em espaços privados, e o espaço é público pelo seu acesso, que é livre".

Pastor pede em culto voto para Russomanno

video

Russomanno afirma a jornalista: ‘Sou religioso, me respeite’
setembro de 2012

Em SP, igreja impõe a pastores meta de votos para Russomanno.
setembro de 2012

Religião na política.

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...