Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Voto no STF pró-Estado laico sumiu do noticiário, afirma Dines

jornalista Alberto Dines
Dines disse que Globo preferiu dar
destaque a ministro minoritário
O voto baseado na laicidade do Estado proferido pelo ministro Marco Mello, na sessão do STF (Supremo Tribunal Federal) que aprovou a descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, sumiu do noticiário da grande imprensa. A constatação é do jornalista Alberto Dines (foto), que é o pioneiro no Brasil na critica à imprensa.

“No farto noticiário do dia seguinte [à sessão], o voto do ministro Marco Aurélio Mello, marcadamente laicista e secular, praticamente desapareceu, apesar de ter sido o único de ter concentrado a argumentação em defesa do laicismo brasileiro”, disse o jornalista em seu programa Observatório da Imprensa, na TV Brasil.

Ele afirmou que, curiosamente, o Jornal Nacional e o Jornal das Dez, da Globo News, encerraram a sua edição de 12 de abril, um dia após a sessão do STF, valorizando a argumentação de Cezar Peluso, embora o voto desse  ministro fosse minoritário, além de ele estar então de saída da presidência daquela Corte.

Peluso é um católico praticante cuja abordagem sobre Estado laico diverge totalmente da de Mello. O agora já ex-presidente do STF, em uma entrevista que deu dias após o julgamento da questão dos anencéfalos, defendeu a presença de crucifixo em espaço público porque, para ele, esse símbolo não é religioso, mas cultural.

Dines afirmou que “o Estado de Direito é imperiosamente laico, e a imprensa, se pretende apresentar-se como democrática, deve ser o sustentáculo desse laicismo”.

Com informação da TV Brasil.

Dogmas de fé não podem influenciar decisões de Estado, afirma Mello.
abril de 2012

Peluso afirma que crucifixo é expressão cultural, e não religiosa.
abril de 2012

Religião no Estado laico.

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...