Macedo comete charlatanismo ao 'curar' gay e 'queimar' Aids

Macedo recebe um  chicote de Ester, sua 
mulher: "Nós vamos arrebentar agora!"
O bispo Edir Macedo (foto) avisou os espectadores da TV IURD que “nós vamos arrebentar agora!” Ele estava se referindo ao Leandro, um rapaz que dissera estar ali, no estúdio, para se livrar de um relacionamento homossexual com o seu vizinho.

Durante a gritaria típica de sessões de exorcismo [vídeo abaixo], Macedo, com o auxilio de dois pastores, disse que ia “queimar” enfermidades e Aids, caso Leandro as tivesse, além de expurgar os “espíritos imundos”, entre os quais o da homossexualidade.

Macedo cometeu, assim, charlatanismo, que é um crime tipificado pelo artigo 283 do Código Penal Brasileiro. No início de sua carreira, quando ainda não era poderoso, ele pegou uns dias de cadeia sob a acusação de praticar esse crime.

Além de infringir o Código Penal diante de câmeras conectadas à internet, ou seja, em público, para quem quisesse vê-lo, incluindo as autoridades, Macedo passou a desinformação de que a síndrome da Aids pode ter cura (ou ser "queimada"), prestando um desserviço à saúde pública.

Também há o fato de o Leandro ter sido exposto a constrangimentos morais e físicos, mesmo que tenha ido ali por sua livre e espontânea vontade. O rapaz foi submetido a uma situação vexatória.
Quando resolveu participar do exorcismo até então conduzido pelo pastor Clodomir Santos, Macedo pediu a Ester (foto acima), sua mulher, um chicote para "libertar" Leandro de entidades malignas. Não houve chicotadas, mas ficou a imagem de um instrumento de violência e subjugação.

Na internet, tem havido repúdio à demonização da homossexualidade promovida por Macedo. Quanto ao charlatanismo, nenhuma autoridade se manifestou até agora.

'Cura' da homossexualidade em nome de Jesus


Com informação da íntegra do vídeo gravado pela TV IURD





Psicóloga que diz curar gays se livra da cassação profissional
julho de 2009

Homofobia.      Milagrentos.     Edir na mira da Justiça