Psicóloga que diz curar gays se livra da cassação profissional

Rozângela uso máscara
para não ser reconhecida
O CFP (Conselho Federal de Psicologia) não cassou o registro profissional da psicóloga Rozângela Alves Justino (foto), que diz ter tratamento para curar a homossexualidade. Nesta sexta (31), a entidade apenas confirmou a censura que o conselho regional do Rio tinha aplicada à psicóloga em 2007.

A tal censura significa que o CFP torna pública a sua desaprovação à conduta da psicóloga por infringir o código de ética ao, no caso, manifestar preconceito em relação a opções sexuais. Uma resolução do Conselho determina que a homossexualidade não constitui doença, nem distúrbio e perversão. A rigor, portanto, ela não poderá mais oferecer o tratamento de “cura” de gays e lésbicas.

A expectativa de entidades do movimento gay e de conselhos regionais de psicologia era de que Rozângela tivesse cassado o seu registro profissional.

Com óculos escuros e máscara, para não ter, segundo ela, o seu rosto reconhecido pelos ativistas gays, a psicóloga disse que vai continuar oferecendo tratamento aos gays que lhe procurar. A quem tem “sofrimento psíquico” por ser gay ou lésbica, ela recomendou que procure um psicólogo de sua cidade.
O tratamento de Rozângela utiliza argumentação religiosa. Ela é evangélica. Em 28 anos de profissão, diz ter curado muitos gays. Em seu blog, há depoimento de alguns deles.

Rozângela afirmou estar sendo perseguida por entidades de gays que querem amordaçá-la. Ela teve de mudar o endereço de seu consultório no Rio por temer represália. “Não quero ser atingida pela ira dessa gente [ativistas gays]”, disse, segundo a Agência Brasil.

Paulo Fernando, advogado da psicóloga, informou que vai recorrer à Justiça contra a decisão do CFP.

“A censura pública fere a liberdade de expressão e a científica e ofende as pessoas que voluntariamente procuram a ajuda da psicóloga”, disse.

Psicóloga evangélica que diz curar gay pode ser cassada por conselho.
14 de julho de 200

 Homofobia.

Comentários

  1. Concordo com você amigo. Usar a mídia de alto poder de penetração para propagar preconceitos é péssimo. E passível de punição sim. Pelo conselho de medicina, por pratica ilegal, e pelo ministério público, por uso inadequado de concessão pública.

    Quanto a psicóloga, seria melhor ela divulgar que trabalha com pessoas que tem dificuldade com sua opção sexual. Não pode curar homossexuais, porque homossexualismo não é doença: é escolha.

    Como religião: já pensou algum psicólogo sair divulgando que "cura" cristãos?

    É isso. Bom senso e respeito. Por todos e para todos. Só assim se vive em paz numa sociedade.

    Parabéns pelos comentários.

    ResponderExcluir
  2. Amados amigos e irmãos, agradeço a Deus pela vida de todos vocês que oraram e torceram por mim, por nós todos!

    O CFP manteve a decisão do CRP-RJ condenando-me a censura pública. Isto significa que eles declararam que eu faço algo muito errado: apoiar pessoas que volutariamente desejam deixar a atração pelo mesmo sexo. No entanto, isto não me impede de exercer a profissão e muito menos as pessoas de procurarem apoio de qualquer profissional.

    Os ativistas do movimento pró-homossexualismo continuarão me perseguindo para me impedir de exercer a profissão. Respondi na quarta-feira a mais um processo junto ao CRP-RJ. Por esta razão, precisamos manter o abaixo-assinado.

    Estarei escrevendo uma mensagem mais detalhada durante a semana.
    Paz e todo o bem.
    Rozangela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apoio a sua cruzada e acredito que todo aquele que procura tratamento deve ser atendido e se possível tratado ou curado, como tiver que ser, repito apoio esse seu tabalho que ajuda todas essas pessoas que sofrem.

      Felicidades e que Deus a proteja.

      Excluir
  3. Estudante de Psicologia!1 de agosto de 2009 13:20

    A meu ver a psicóloga está usando um termo errado ao afirma a "Cura do homossexualismo". Não vejo o homossexualismo como uma doença, trata-se de uma questão muito subjetiva e complexa. Ela como psicóloga deve entender o que o seu paciente procura e o ajudar nessa escolha, mas não promover o preconceito e a desigualdade, como ela faz publicamente. Acho que o CFP está muito tolerante, ao meu ver ela já deveriam ter cassado o seu CRP a muito tempo!!!..

    Abraços galera!

    ResponderExcluir
  4. O CFP provavelmente aguarda outra denúncia, que comprove a reincidência e garanta o processo de cassação do diploma (com todos os meandros jurídicos e que tais...) da pseudo psicólga Rozângela Justino.

    Mais do que anti-ético e não científico, o tratamento que essa criatura oferece em seus sites e blogs é absolutamente fora de qualquer padrão psicoterápico aceito pela APA (Associação Americana de Psicologia) que faz periodicamente pesquisas de eficácia clínica dos tipos de terapia em uso.

    Além do caso Rozângela, o Conselho deveria ficar mais informado e mais atento, cumprindo realmente sua função fiscalizadora, sobre outros tipos de terapias pseudo científicas que alguns profissionais incompetentes anunciam como se psicologia fosse. Só como exemplo, estou olhando exatamente agora, na barra lateral deste blog, que enquanto escrevo esse comentário exibe um anúncia de Psicoteraia Espiritual e Transpessoal. Qualquer profissional informado e consciente sabe que as evidências de que esse tipo de terapia funcione NÃO EXISTEM e que estas não têm o mínimo embasamento científico, por mais que bradem os terapêutas que fazem uso das técnicas mentirosas e abusivas.

    A alegação de Justino e de seus aceclas de que se está cerceando seu direito à livre expressão e à busca científica é, no mínimo, risível, e no máximo absurdo. A Ciência (com "C" maiúsculo) Psicológica já tem dados suficientes para embasar a decisão da OMS de retirar o homossexualismo do código internacional de doenças. Mesmo que o assunto ainda estivesse em discussão, seria no mínimo irresponsável que um profissional de psicologia emitisse esses tipos de relatos ao público leigo, sem dar conta de explicar de forma clara e eficiente toda a complexidade do assunto.

    Só espero, para o bem da profissão e da Ciência Psicológica nesse país, que o Conselho Federal de Psicologia faça um pouco mais do que isso, justificando não só seu papel social, como o dinheiro absurdo que os profissionais conscientes e preparados pagamos anualmente para que ele nos represente.

    ResponderExcluir
  5. Paulo, eu não entendo qual é o problema em se falar de cura.O que ela pretende fazer é curar a alma, a angústia do indivíduo que não quer ser o que é.Que é um direito dele.É um absurdo o que estão fazendo com esta psicóloga.Repito aqui o que postei em meu blog:quando alguém, do sexo feminino, deseja mudar de sexo, passa por uma série de análise, inclusive e principalmente, a psicológca, para se saber se realmente é isso que se quer.O mesmo acontece com o homem.Pois bem,aqui se protege o direito de se fazer a mudança que se acha necessária?Não, protege-se o direito de um cidadão ser o que deseja ser, se não é proibido por lei.Por que o homossexual não pode querer mudar?Qual é o problema?Vão se agarrar aos motivos , para saber qual é o grau de importância de cada um para penalizar uns e proteger outros? Que censura é esta que não permite uma psicóloga estar apta a atender os anseios de alguém que não se sente feliz em ser como é? Se a terapia se chama cura, busca,tratamento de doença, é irrelevante.O que torna a causa justa, a da psicóloga, é o fato de existir quem queira seus serviços
    .O que se tenta destruir é o direito de alguém buscar quem lhe salve da angústia de ser o que não é.Quisesse um trabalho para aceitar-se da maneira que veio ao mundo, bastaria buscar profissional competente para isso.Mas não é o caso.Estão tirando o direito de alguém decidir sobre sua vida.É como se só lhe dessem o direito de se aceitar, jamais de querer mudar.
    O mundo deveria se empenhar em defender o direito dos homens e não de seus grupos.
    Respondendo à questão do colega acima:o que há de mal se algum cristão quiser se livrar dos dogmas que o acompanham?Que direito temos nós de dizermos a ele que não pode se curar do modelo de que foi moldado?O que é mais importante no caso:é a denominação que damos ao caso (cura) ou o direito de cada um decidir o que deseja para si?
    Por fim, eu gostaria de saber se alguém já levantou bandeira contra a troca de sexo.Deixar de ser mulher , ou homem, e se descobrir homossexual pode,mas o contrário é preconceito?
    Estas agendas de grupos, seja ele qual for, só nos diminui como seres humanos.Há um ódio velado, promovido por estas discussões, que colocam o "homem" na marginalidade, para dar lugar a grupos que querem dominar.Os direitos estão todos lá, na Constituição,feitos para todos, sem distinção, no entanto o que vemos hoje uma luta pela demonização de grupos, como se a vida fosse um ciclo onde cada grupo devesse dominar determinada época.Estamos todos no mesmo barco, exigir direitos de acordo com a bandeira de cada um só nos afasta.

    ResponderExcluir
  6. Acredito que ela oferecer tratamento aos homossexuais está mais que certo. AGORA, tratar isto como DOENÇA está apenas deixando os mais complexados !!!

    ResponderExcluir
  7. Caros amigos!
    Está claro que o que delineia o trabalhoo dessa pseudo profissional é a sua crença religiosa. Ela se refere a homossexualidade da mesma forma que os pastores em todo mundo. Se ela fosse no mínimo uma profissional preocupada com a ética de sua profissão, jamais usaria o termo cura para designar o seu tratamento psicoterápico. Entendo que algumas pessoas queiram deixar de ser homossexuais, já que essa parcela da população sofre com pressões familiares, sociais, civis, religiosas, e tantas outras. Seria ótimo se as pessoas se preocupassem em oferecer serviços psicológicos a pessoas mais necessitadas, tais como as meninas violentadas, ou as crianças abandonadas em abrigos, etc... Além disso, se seguíssemos de fato as palavras do Cristo, jamais poderíamos discriminar qualquer pessoa que seja diferente de nós, e além disso, nos lembraríamos que o amor foi Sua maior bandeira enquanto esteve aqui na Terra, independentemente de ser entre pessoas do mesmo sexo ou do sexo oposto. Pensemos!

    ResponderExcluir
  8. Se o sujeito quer deixar de ser homossexual e procura uma psicóloga, qual é o problema?

    Agora querem proibir um homossexual de tentar ser hetero punindo quem quer que ofereça ajuda. Isso é um absurdo!

    ResponderExcluir
  9. Aninha, eis a questão: se alguém está insatisfeito com a sua sexualidade, pode até trocar de genitália, se submeter a cirurgia. E por que alguém que não está satisfeito com sua homossexualidade não pode procurar a ajuda de uma psicóloga, pastor, padre ou seja lá que for?

    Me responda.

    ResponderExcluir
  10. Vocês não enxergam o que essa malandra tá tentando fazer? Ela, como boa representante de uma classe de igrejas que visa lucro e dinheiro, quer mais é que o caso fique famoso para ela poder lucrar com gays que, por motivo de preconceito e falta de educação dentro de casa, têm falta de ou personalidade fraca.
    Ninguém cura gays. Ser gay é mais difícil do que ser hétero. Mas ser gay e tentar ser outra coisa é muito pior. Relaxem: a pessoa é a mesma, ela só tem outra opção sexual, atração pelo mesmo sexo.
    Pessoas ignorantes e preconceituosas é que precisam sumir do mapa. Só trazem infelicidade à sociedade. O mundo tem tanta guerra, é tão injusto, pra que se preocupar com quem o próximo ama?

    ResponderExcluir
  11. Ridícula, não merece respeito.

    ResponderExcluir
  12. ninguém vira gay, ou hétero. Se nasce com a preferência. negar isso é negar a si mesmo, é se castrar.. é não pensar por si mesmo pois tem medo da sociedade machista e heterossexista do país.. fiquei completamente enojada com o fato de não cassarem o registro dessa maluca. deveria estar combatendo a homofobia, o ódio, a discriminação.. e não confundindo ainda mais a cabeça dessa gente que deveria receber apoio. a religião não pode interferir no que realmente sentimos e somos.. deus é amor, não importa de que forma. Homofobia é a doença.

    ResponderExcluir
  13. assim como um dependente de Drogas precisa de tratamento um gay também precisa...

    ResponderExcluir
  14. Eu acho que a "cura" que essa psicológa faz deve ser os mesmos métodos que seus pastores faz na sua Igreja.
    Ser homossexual , não é uma opção de vida que a pessoa escolhe depois de certa idade. Essa condição já nasce com a pessoa e já vêm inscrustado no subconsciente. Observem o comportamento de certas crianças para verem que é verdade.
    A crença nas leis de Causas e Efeitos e na Evolução Espiritual traz melhor uma resposta para essa condição mental de vida.

    ResponderExcluir
  15. Eu, como estudante de Psicologia já sei que isso é ridículo. Ela como profissional deveria ter o mínimo de bom senso.

    ResponderExcluir
  16. Bom, creio que o certo seria dizer que "curou uma angustia relacionada ao homossexualismo" não "cura de homossexuais", por que isso não é doença e sim orientação sexual. Se a pessoa está insatisfeita com isso o certo seria o psicologo, junto com o paciente, buscar uma forma de curar a angustia e não a orientação sexual em si, tentando re-significar o que é ser homossexual, como é viver, interagir e etc sendo hossexual. Por que geralmente o problema não está em ser homossexual e sim em como a familia vê essa pessoa, em como ela se relaciona com outras pessoas em vários aspectos de sua vida pessoal e profissional, e também em como ela mesma se vê.
    E isso não vale somente para homossexuais, vale para heteros também, pq é possivel sim ver um hetero sofrendo por ser hetero.

    Acho muito triste ver que ainda existem pessoas que tentar segregar outras pessoas só por serem diferentes, ou que tenham/estejam uma condição de dificil compreensão.

    Religião e psicologia não são inimigas, mas também não cabem no mesmo espaço se forem levadas ao extremo, nenhuma das duas.

    ResponderExcluir
  17. só corrigindo: o certo é HOMOSSEXUALIDADE e não HOMOSSEXUALISMO, porque o que termina em ISMO se refere a doença e definitivamente homossexualidade não é doença.

    ResponderExcluir
  18. jspereira a homosexualidade não é escolha e sim orientação coisas bem distintas.

    ResponderExcluir
  19. A psicóloga em questão obviamente está sendo equivocada, afinal homosexualismo não é nenhum tipo de doença e portanto não é passível de cura, todavia, a angústia que pode resultar em ser homosexual é um problema que tange ao âmbito de atuação do psicólogo, e esta sim deve receber um tratamento adequado e profissional. Porém, a psicóloga parece oferecer a cura para o homosexualismo o que é, no ponto de vista da psicologia, extremamente anti-ético. Se o caso realmente for verídico o CFP deveria caçar a licensa desta psicóloga imediatamente.

    ResponderExcluir
  20. Claramente a Dra., baseada em religião, enxerga o homossexualismo como um problema que pode ser eliminado, quando, na verdade, o homossexualismo não é um problema, mas a forma como as pessoas lidam com isso é. Seu erro é disseminar essa idéia, é diferente de buscar ajudar quem se sente desconfortável sendo homossexual: a psicóloga não ajuda quando propõe a negação de uma manifestação da natureza humana. Basicamente, a homossexualidade não é "defeito" que deva ser superado.

    Trata-se de uma equivocada, não tem condições morais e até intelectuais de exercer a profissão que, não minha opinião, não é pra qualquer um.

    ResponderExcluir
  21. Pra min, transformar um homosexual em hetero e o mesmo que transformar um hetero em homo

    ResponderExcluir
  22. Ninguém pode dizer "ter curado muitos gays". Pode sim ajudar as pessoas a superar e a levar uma vida normal mesmo tendo que conviver com a violência do preconceito em relação a sua opção sexual.

    ResponderExcluir
  23. Concordo com a psicóloga e acho que ela está exercendo plenamente seu direito de atender quem a ela procure e se julgue doente.
    A ditadura gay não dá tréguas.

    ResponderExcluir
  24. Ninguém pensa em curar o instinto de roubar, matar, enfim: de praticar a violência… Por que não convidam os bandidos, assaltantes para servir a Cristo? Façam deles seres humanos melhores. Nada de espancar velhinhos até a morte. Nada de seqüestro de pessoas na porta do banco, nada de assaltos seguidos de morte e violência, nada de crianças que morrem ou ficam aleijados com balas perdidas! Temos o direito de ir e vir, e não podemos nem sequer ter os nossos pertences em paz,e isso é realmente uma agressão. Ou bandidos são as “vítimas da sociedade que não tiveram oportunidades que não tivemos”?Enquanto nós somos uns otários que trabalhamos para sobreviver e sustentar vagabundos? Enquanto se preocupam demais na sexualidade alheia, estamos sofrendo constantes violências de todo tipo.

    ResponderExcluir
  25. Ela precisa de uma mulher que lhe dê muito carinho. Aí ela pode mudar a tese dela.

    ResponderExcluir
  26. o BRASIL É extremamente ridículo, uns dizem que aceitar isso é PRECONCEITO e não aceitar é oq????
    Se que é a favor do homossexualismo pode brigar por isso, pq quem é contra não pode se manifestar??
    também sou aluna de PSicologia, e não vejo mau algum... acredito que a palavra CURA atrapalhou ela, porém deve haver milhões de psicólogos que concordam com ela, e não se manifestam justamente por causa dessa falta de liberdade de expressão...
    se vc quer ser gay seja, se não quer tem todo direito de procurar ajuda, e ela tem q ter direito à ajudar também, com certeza os gays ficam revoltados né, mas acho q se querem respeito, respeitem a opinião alheia

    ResponderExcluir
  27. É preciso salientar também que INFELIZMENTE existem pessoas que se deixam levar por discursos infundados como o dessa senhora... bom mesmo seria que ela pudesse ser ignorada, resumindo suas loucas teorias aos fanáticos que com sua oratória se identificassem... ela está recebendo mais destaque do que realmente merece!
    Lamentável!
    Apolinário Jr.

    ResponderExcluir
  28. bom ... ao meu ver ... como sempre a mídia e as pessoas "bem intensionadas" estão confundindo ainda mais esse tema polêmico e de certa forma prejudicando uma pesquisa ao meu ver, totalmente válida.
    acompanhei a entrevista e acredito que as intenções da psicologa são totalmente válidas.
    uma matéria que diz "Psicóloga evangélica que diz curar gay pode ser cassada por conselho" se mostra muito tendenciosa ao misturar religiosidade, ou crença como preferir, com estudos científicos.
    Se homosexualismo é bom ou ruim não cabe a psicologa julgar, mas o caso é que ela trata quem se sente prejudicado com essa situação, e em momento algum afirma ser contra ou a favor do homosexualismo.
    por fim, todas as pessoas tem o livre direito de traçar suas verdades sobre qualquer discursão, e dessa forma ser contra ou a favor de qualquer causa ... isso não a torna preconceituosa.

    ResponderExcluir
  29. A Sra Rozangela que se diz psicologa, na verdade não passa de uma charlatã e como tal deve ser tratada. Ao estabelecer o heterossexualismo como padrão de sexualidade esta sra. deveria estender tal conceito ao campo religioso também. Assim, chegaria a conclusão de que quem precisa de tratamento é ela, pois é uma desviada espiritual ao frequentar uma seita religiosa, oriunda dos terriveis "anabatistas" americanos, quando a verdadeira e original religião cristã é o catolicismo. Portanto, essa sra. quer aparecer na sua comunidade como uma serva de Deus quando não passa de uma agente do demonio.

    ResponderExcluir
  30. Acredito que essa dai precisa estudar mais um pouquinho, melhor! Se curar para poder atender a algum paciente...

    QUE DEUS ABENÇOE A TV GLOBO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  31. Acredito que ela tenha que estudar um pouco mais, "se atualizar" sobre o que é ou não doença. Se ela foi infeliz de dizer tudo isso que corrija então!!!

    Senão teremos que rever quem realmente é doente nesta história...

    ResponderExcluir
  32. Ela infringiu resolução do conselho, de 22 de março de 1999, na qual a entidade afirma que a homossexualidade "não constitui doença"

    ResponderExcluir
  33. Ha muita bajulacao para uma minoria que nao traz nenhum beneficio socio, politico, cultural, etc, alias pelo contrario onde ha gays ha problemas, discordias, confusao, angustias, tratamentos, terapias, desgostos, infelicidade, ou falsa felicidade, discordias, e por ai vai, nao entendo, historicamente sempre foram sinonimos de problemas, abaixo essa histeria, salvem a psicologa Rozângela Alves Justino

    ResponderExcluir
  34. Pessoal,
    Existem tantas coisas terrivelmente piores neste mundo, tanta corrupção e desvios comportamentais ofuscados e escondidos, que discutir sobre essa alternativa da psicóloga me parece algo infundado. Vamos falar de ética? olhem para a política?, educação!, exploração sexual, infantil,drogas e a violência que nos assola impedindo de vivermos a vida em liberdade. Tudo bem que talvez ela mexa com alguns alicerces, mas e daí? pelo menos está ajudando algumas pessoas sem prejudicar realmente outras! conceitos, escolhas, discriminação não são frutos da nossa própria desestruturação social que criamos desde a educação de nossos filhos? Pais que não cumprem seu papel ou não são orientados para isso, etc, etc.etc. Poderiamos falar mihares de temas doentes de nossa sociedade. Criticar essa profissional nos traz quais beneficios? Não seria mais conveniente criticar nosso próprio senso crítico? Permitem-se incomodar apenas aqueles que não estão comodos.
    Pensemos!!!

    ResponderExcluir
  35. Quero parabenizá-la pela coragem em expor idéias tão polêmicas, idéias estas que tiveram repercussão nacional, se não internacional. Acredito que a questão do homossexualismo é ainda tema em estudo, mas creio que não se pode negar a distorção da identidade e o sofrimento advindo disso. Deus nos fez únicos, íntegros, perfeitos e com o propósito de sermos felizes, independente das circunstâncias que nos rodeiam. Creio que acima de toda ciência existe o criador dela que é o próprio Deus. Cientistas e pesquisadores apenas lêem o que já foi "escrito nas estrelas". Deus fez apenas 2 sexos, com propósito nobre de homem e mulher unirem-se e formarem uma família. Deus sendo criador tem autoridade em mostrar como tudo deve ser feito. Distorcer os propósitos do Criador é sofrimento certo, por mais que se tente justificar que não. Creio que o que muitos chamam de liberdade de expressão e de escolha torna-se uma escravidão.A verdadeira liberdade é estar na dependência de Deus. Na vida temos muitas escolhas, outras já nos são dadas e basta que a acolhamos com gratidão e se nos é polêmico, difícil, crítico aceitar certas coisas, como a sexualidade por exemplo,é momento de buscar ajuda. Uma delas é o nosso sexo, o que nos identifica como homem e como mulher. Rejeitar a esta condição é rejeitar o presente de Deus.

    Também sou psicóloga e evangélica. Acredito que o código de ética resguarda profissionais e pacientes do que fere a ética, mas nunca impedirá um profissional de exercer sua profissão se este estiver atendendo a demanda de cuidado de quem procura por ajuda. E a maior crise que um ser humano pode ter é não saber quem é e negar sua identidade. Quando Deus chama alguém para uma missão Ele capacita e sustenta. Que Ele a abençoe e que você venha a abençoar muita gente que, perdida em suas identidades a tem procurado.

    ResponderExcluir
  36. homosexualismo p mim é doença e ponto,existe um grupo de homosexuais inescrupulosos usando esses coitados gays,fracos e sem auto estima,p desorganizar a sociedade,como podemos aceitar padrões doentios,eles se isolam nos seus grupos se viciam,se isolam dos familiares,e depois vem querer manipular situações dizendo q são descriminados,mentira elesq se afastam da sociedade,p ficarem em meio dos q são doentes como eles,o mesmo padrão comportamental dos dependêntes químicos,aos quais na sua grande maioria eles são,por favor fazer o certo agora é errado,os valores estão tão invertidos assim,e quem diz aceitar,quando a situação bate a sua porta,aí eu quero ver a auto-aceitação no nível mais profundo,me engana q eu gosto tank you.

    ResponderExcluir
  37. Opa amigo, muito bom seu post...
    Aproveito para pedir/informar que colocarei no Portal de Psicologia (http://associacaolivre.wordpress.com/) para maior divulgação disso e de outras coisas que acontecem no meio psicologico.

    Caso tenha algo contra referir-me a seu post no portal, favor avisar (andremporto@gmail.com) que retiro do ar conforme solicitação.

    Valeu e grande abraço!

    ResponderExcluir
  38. Pelo amor de Deus!!!! Vivemos ou não vivemos em um país LIVRE????
    Deixa a mulher trabalhar! Ninguém é obrigado a consultar com ela não! Se a procuram é porque se sentem mal e querem mudar, AS PESSOAS TEM ESSE DIREITO!
    Só me faltava essa! querem obrigar quem tem algum sentimento homossexual e não gosta disso a ter que engolir e assumir. É O FIM DA PICADA.

    ResponderExcluir
  39. Concordo plenamente com o André.

    Se a procuram é porque reconhecem que precisam de ajuda, não vejo mal nenhum nisso!!!

    Se ela usa a religião ou não, o que importa é que ela se garante no que faz. Desejo todo Sucesso para ela em sua profissão!!!

    ResponderExcluir
  40. A dra deve sentir um fascínio pelo mundo gay.

    ResponderExcluir
  41. Se o sujeito quer deixar de ser homossexual e procura uma psicóloga, qual é o problema?

    Agora querem proibir um homossexual de tentar ser hetero punindo quem quer que ofereça ajuda. Isso é um absurdo!

    ResponderExcluir
  42. Acho que tem que saber a verdade desta história. O fato dela ser cristã quer dizer que é homofobica. Ela respeita o ser humano indepedente da sua opção sexual. Ela usa seus conhecimentos para AJUDAR aqueles que querem mudar de opção e não se ACEITAM. Entendem? São os homoxesuais que a procuram e sofrem por se sentirem em conflito interno. Afinal a piscicologia existe para ajudar as pessaos a se entenderem. Se eles não se aceitam nestas condições se foram abusados sexualmente na infância...etc...eu entendo desta forma. Li a matéria dela na Veja e entendi claramente isto. Essa perseguição é ridicula a uma profissional que visa o bem estar do paciente dela.

    ResponderExcluir
  43. Qunado o reporter da Veja perguntou a ela quantas pessoas ela já havia "curado" ela mudou de assunto. Fala sério né. KKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  44. Incrível, esses crentes só pensam naquilo…a sexualidade alheia os incomodam tanto! Deus condena mesmo é a violência, que todos se resignam diante do assassinato dos “irmãos” pelas mãos dos semelhantes…. mas a sexualidade alheia é mais importante do que qualquer coisa, não é mesmo?!
    Marilena

    ResponderExcluir
  45. Marilena. Deus também se preocupa com isso.
    Vai estudar a biblia vai..

    ResponderExcluir
  46. Ao anônimo acima
    Não falo de Deus e sim de crentes que preocupam demais com a sexualidade dos outros mais do que o restante dos problemas. Não preciso estudar bíblia alguma. Reparo nessas criaturas mesmo em minha volta, inclusive nesta matéria.Se acham os donos da verdade, não é mesmo?E são um nada!Não têm humildade e rebatem os argumentos com grosseria e ignorância!
    Marilena

    ResponderExcluir
  47. Isso mesmo Marilena...está tendo uma onda de arrastões, assaltos nas ruas, e o pior - residências... estão invadindo nossas casas, roubando e destruindo a nossa paz...! Assassinato por quarenta centavos! Intolerância no trânsito! Hospitais sem assistências, escolas sem professores... calçadas mal conservadas, acidentes sérios! E voces obsecados com a sexualidade dos outros! Tenha dó! Haja....paciência!

    ResponderExcluir
  48. Cada pessoa tem o direito de expressar e fazer o que desejar, mas sempre respeitando o proximo, ao meu entender a Psicloga esta fazendo isto , e a comunidade gay e simpatizantes que nao aceita a ideia dela fazem o que é certo pra eles,
    Um pequeno dealhe, se ela nao fez mau algum, pq tanta polemica?
    Somos tao passivos com politicos corruptos, bandidos como nossos vizinhos, droga no meio da rua, cracolandia ao ceu aberto na frente da policia, mas como isto é algo de proporção muito grandiosa nos nao lutamos como seluta contra uma pessoa (crista ou nao) que esta atendendo a necessidade de pessoas que a procura para se sentir ou ficar melhor sua vida
    Todos nos temos nossa opiniao e direito de expressar, com certeza, mas estamos fazendo o que com nossa opiniâo? ao meu ver nao ajudamos em nada,
    Que cada um busca ajudar o proximo e nao malhar o proximo
    bom dia a todos
    MSalas

    ResponderExcluir
  49. Tanto nhe-nhe-nhem, um monte de besteiras. É simples: a "dra" tem um incrível fascinio pelo mundo gay.
    Karen

    ResponderExcluir
  50. Ela obrigava os pacientes a ir ao consultório dela??? NÃO... Ela atendia quem procurava...

    Qual o problema???



    Márcio Adriano

    ResponderExcluir
  51. Gente! parece que os comentários só foram de gls, o interessante é que nenhum deles estariam falando merda se suas mães e pais (CASAL), não tivessem se casado (feito sexo natural). ah! já sei vocês não querem ter filhos nem tampouco netos, eu quero ter pelo menos uns cinco e esse discurso de vocês sobre amor pelo próximo está equivocado(sexo não é amor), essa afetividade é infame Deus falou através de seus profetas, acho melhor vocês estudantes de psicologia ler mais o livro da capa preta que se chama BÍBLIA ou Deus é preconceituoso?

    ResponderExcluir
  52. O problema é que ela estava indo de encontro ao Conselho Federal de Psicologia e toda ciência.Só isso!!

    ResponderExcluir
  53. Parece que o ponto nevrálgico desa questão reside apenas na nomenclatura. Está mais do que claro que o Conselho é heterofóbico, intolerante, radical e altamente preconceituoso.
    Eu se fosse psicólogo ofereceria o serviço:
    "Assistência na Auto-Re-Orientação Sexual Voluntária do Indivíduo".
    Do ponto de vista da precisão gramatical, o título desse serviço não viria de encontro a tal resolução do CFP, que prefiro chama-la de resolução-catraca, pode ir mas não voltar.
    Se um dia questionado eu diria: não há tratamento algum, só assistência a uma decisão pessoal. Por exemplo: se o sujeito fosse sadomasô e vivesse anos numa união de fato com um rolo de arame farpado (tenho a mente aberta e acho normal), ou se fosse zoofilo e compartilhasse a sua vida afetiva com uma cabra e VOLUNTARIAMENTE, atenção, de livre arbítrio resolvesse preferir viver com uma homo-sapiens do sexo feminino, eu me limitaria a assistir e livrá-lo de maiores desconfortos nesse autoprocesso livre e voluntário.
    Pode parecer engraçado aos olhos de muitos. Mas falo do puro respeito à liberdade humana.

    DEFINITIVAMENTE A BANDEIRA DO ARCO-ÍRIS NÃO PREGA A LIBERDADE. Aquilo lá é uma vertente, que advoga num determinado sentido.

    ResponderExcluir
  54. Viva a Rosângela e fora a Intolerância cristã.

    ResponderExcluir

Postar um comentário