Pular para o conteúdo principal

Igreja Evangélica da Alemanha perde meio milhão de fiéis em 2023

O declínio do cristianismo no país é um fenômeno com diversas causas, como o envelhecimento da população


A Igreja Evangélica da Alemanha (EKD), a maior organização protestante do país, registrou em 2023 um declínio histórico de membros, perdendo cerca de 500 mil fiéis, o que representa 3,2% da base total. 

Essa diminuição impacta diretamente as finanças da EKD, que arrecadou 5,9 bilhões de euros em 2023, um valor 5,3% menor em relação a 2022;

Os dados preliminares divulgados pela organização revelam que 380 mil pessoas deixaram a congregação e 340 mil morreram. Houve no mesmo período 140 mil batismos e 20 mil novos seguidores. 


A Igreja Católica
também está
em declínio

A presidente do conselho da EKD, bispa Kirsten Fehrs, reconhece a situação desafiadora: "Estamos nos tornando uma Igreja menor e mais pobre, e devemos enfrentar esse fato."

Ela afirma que a missão da EKD permanece inalterada: "Mesmo com menos membros, continua a ser nossa tarefa agir em favor do amor ao próximo, da humanidade e da difusão da fé cristã."

Fehrs propõe uma revisão das ações e estruturas da instituição: "É importante que a Igreja reveja criticamente uma e outra vez suas ações e estruturas." 

Segundo ela, essa reflexão interna é fundamental para enfrentar o flagelo da violência sexual na instituição, um problema que abalou a comunidade protestante alemã nos últimos anos.

A Igreja Católica alemã também enfrenta um cenário similar, com a perda de mais de 500 mil fiéis em 2022, um recorde. Segundo os últimos dados disponíveis, a instituição conta com 20,94 milhões de membros.

O declínio do cristianismo na Alemanha é um fenômeno com diversas causas, como o envelhecimento da população, a secularização da sociedade e a crescente migração de pessoas de outras religiões. 

> Com informação do site Religión Digital e outras fontes.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios