Pular para o conteúdo principal

Brasileiros reduzem consumo de arroz com feijão e aumenta o de fast food. E engordam

Pesquisa também constatou haver diminuição no consumo de frutas, café e chá, peixes e frutos do mar 


Agência Bori

O arroz com feijão, prato queridinho dos brasileiros até bem pouco tempo atrás, está perdendo cada vez mais espaço para refeições prontas, pobres em nutrientes e ricas em gorduras, como os chamados fast foods.

Em um período de dez anos, a substituição de alimentos tradicionais por comidas ultraprocessadas e de preparo rápido pode ter contribuído no aumento do excesso de peso e da obesidade entre homens e mulheres. É o que aponta artigo publicado nesta segunda (6), na “Revista de Nutrição”, por pesquisadores da Universidade Estadual do Ceará (Uece) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

A pesquisa também constatou redução no consumo de frutas, café e chá, peixes e frutos do mar, carnes processadas, leite e derivados. Por outro lado, houve aumento no consumo de frango e ovos.

Para entender a atual dinâmica alimentar dos brasileiros, os cientistas compararam dados dos blocos de consumo alimentar das Pesquisas de Orçamentos Familiares (POF) coletados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nos anos de 2008 e 2018. 

Do total de entrevistas, foram selecionados cerca de 50 mil questionários respondidos por homens e mulheres, de 20 a 59 anos, residentes em todo o território nacional, contemplando os diferentes perfis geográficos e socioeconômicos da população.

Segundo a pesquisa, o consumo médio de arroz por homens, por exemplo, diminuiu de 209 gramas por dia registrados em 2008 para 174 gramas em 2018, enquanto o consumo de feijão e outros legumes caiu de 250 gramas para 231 gramas por dia. 

Já o consumo de fast food aumentou de 31 para 48 gramas diárias no mesmo período. “Essa mudança nos padrões alimentares sugere um aumento no consumo de alimentos ultraprocessados, que estão associados a indicadores de obesidade com tendências positivas, independentemente do sexo e da faixa etária”, explica llana Nogueira Bezerra, pesquisadora da Uece e uma das autoras do estudo.

A pesquisadora lembra que o ganho de peso excessivo está associado também a fatores como “comportamento sedentário, diminuição da prática de atividade física e aumento no número de pessoas residindo em áreas urbanas, onde as atividades laborais e o deslocamento tendem a ser mais sedentários”.

O levantamento mostra que a proporção de homens com sobrepeso é maior do que a das mulheres, mas o aumento ao longo dos anos entre as mulheres foi maior do que entre os homens. Para elas, o aumento foi de seis pontos percentuais, de 29%, em 2008, para 35%, em 2018. 

Enquanto entre os homens, o aumento foi de cerca de quatro pontos percentuais, de 38,4% para 42%. Quando o parâmetro é a obesidade, as mulheres apresentam maior proporção que os homens, mas não houve diferença significativa no período, passando de 16,2% para 17,2%. Já os homens, passaram de 9,8% para 12,9%.

Na mudança de comportamento alimentar, as mulheres apresentaram aumento da ingestão de vegetais e também de bebidas alcoólicas. O aumento do consumo de álcool também foi registrado entre os homens.

Para a autora do artigo, uma das estratégias para resgatar a cultura alimentar do nosso país é priorizar os alimentos consumidos e preparados em ambiente familiar diante do aumento de serviços de vendas online e delivery de comidas feitas fora de casa. 

Além disso, são fundamentais iniciativas como “adequações na rotulagem nutricional, tributação de itens ultraprocessados e regulamentação da publicidade e promoções relacionadas a esses produtos”, conclui Bezerra.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Sam Harris: não é Israel que explica as inclinações genocidas do Hamas. É a doutrina islâmica

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios