Pular para o conteúdo principal

Maldição de Cam: como cristãos usaram Gênesis para justificar a escravidão

Desde o século XV, os líderes religiosos citavam a Bíblia para justificar a escravização de africanos


Paul Ham
professor de história narrada, Universidade Sciences Po, França

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

De acordo com um relatório de um comitê de supervisão independente divulgado em março de 2024, a Igreja de Inglaterra deveria pagar bilhões de libras em reparações — 10 vezes o montante anteriormente definido — aos descendentes da escravatura.

O relatório foi o início de uma “resposta multigeracional ao terrível mal da escravização de bens móveis transatlânticos”, disse Justin Welby, arcebispo de Canterbury e líder espiritual da Comunhão Anglicana global de cerca de 85 milhões de cristãos.

As suas palavras evocam o espetáculo chocante dos séculos XVII e XVIII, quando a Igreja Anglicana possuía vastas plantações nas Caraíbas, principalmente em Barbados, empregando milhares de escravizados.

A escravidão era considerada inteiramente consistente com a mensagem cristã de levar o Evangelho aos “selvagens”. Os líderes cristãos até rotularam “seus” escravizados de “SPG” – a Sociedade para a Propagação do Evangelho.

A Igreja Anglicana não está sozinha: todas as principais denominações cristãs estavam profundamente envolvidas no comércio de escravos, tal como os principais ramos do Islã.

Como isso era possível?

Como as religiões supostamente dedicadas a propagar a palavra de um Deus compassivo e amoroso se tornaram tão intrinsecamente envolvidas neste “mal terrível”?


Em Gênesis, Deus
predestinou os negros
como uma raça escrava

A resposta está enraizada num abuso grotesco das próprias palavras da Bíblia. Das maneiras pelas quais os cristãos invocaram a Bíblia para justificar as suas ações, nenhuma excedeu em crueldade e ignorância intencional a sua apropriação da “Maldição de Cam” para justificar a escravatura.

Era o filho mais novo do patriarca bíblico Noé. Quando Cam viu seu pai bêbado e nu, Noé sentiu-se tão humilhado que amaldiçoou o filho de Cam, Canaã, condenando seus descendentes à escravidão perpétua. 

Aqui está o momento, conforme contado em Gênesis 9:24-25 (Nova Versão King James):

“Então Noé acordou do vinho e soube o que seu filho mais novo [Cam] lhe havia feito. Então ele disse: 'Maldito seja Canaã [filho de Cam]. Servo dos servos ele será para seus irmãos”.

Desde o século XV, os líderes religiosos citaram a passagem como justificativa para a escravização de todos os povos africanos.

Durante quase 500 anos, os sacerdotes ensinaram aos seus rebanhos que um profeta hebreu havia condenado milhões de africanos à escravatura porque eram descendentes do filho de Cam, Canaã.

A maldição de Cam formou assim a justificativa religiosa central para o comércio transatlântico de escravos.

Essa crença entrou no pensamento islâmico no século VII, como resultado da influência do cristianismo, e os estudiosos muçulmanos medievais basearam-se na maldição de Noé em seu trabalho, como mostrou o historiador David M. Goldenberg.

O Corão, no entanto, não faz menção à maldição e o Discurso de Despedida de Muhummad rejeita a superioridade dos brancos sobre os negros.

De acordo com esta leitura do Gênesis, Deus não apenas ordenou a escravidão, mas também predestinou os negros como uma “raça escrava”. 

Na verdade, alguns líderes cristãos argumentaram ser do interesse dos africanos serem escravizados, porque o seu cativeiro aceleraria a sua conversão, purificando e redimindo as suas almas em preparação para o Dia do Juízo Final.

Ao algemar e pastorear milhões de africanos em navios com destino às colônias, os comerciantes de escravos e os líderes eclesiásticos e os governos que os ajudaram convenceram-se de que guiavam os “negros” para fora das trevas e para a salvação.

A historiadora Katie Cannon descreveu o processo de outra forma:

“Embriagados de poder e movidos por grandes ilusões, funcionários do governo e funcionários de empresas de comércio de escravos… sucumbiram às mentiras e manipulações de que a salvação da sua alma dependia da replicação incessante da violência sistêmica.”

O primeiro uso escrito da Maldição de Cam para justificar a escravatura apareceu no século XV, quando Gomes Eanes de Zurara, um historiador português, escreveu que os africanos acorrentados que havia visto estavam num estado tão miserável “devido à maldição que, depois do Dilúvio, Noé impôs a [Cam]… que a sua raça estivesse sujeita a todas as outras raças do mundo”.

Em 1627, um autor inglês e defensor do comércio de escravos escreveu: “Esta maldição de ser um servo foi lançada, primeiro, sobre um filho desobediente, e vemos até hoje as pessoas descendentes do Cam são vendidos como escravos.”

Nas colônias americanas, a Maldição de Cam serviu de justificação ideológica para a escravatura africana. Os colonizadores puritanos do Novo Mundo compraram escravos em grande número para transformar Providence, Rhode Island, numa “cidade cristã sobre uma colina”. Todos foram considerados descendentes de Canaã.

A obscenidade moral da escravidão foi a causa raiz da Guerra Civil Americana (1861–1865). Ambos os lados inscreveram a autoridade de Deus em sua causa. 

No sul, isso envolvia uma leitura literal da Maldição de Cam. Pregadores sulfúricos do sul trovejaram que a condenação de Canaã por Noé havia condenado todos os africanos à escravidão. 

Uma “opinião quase universal no mundo cristão” sustentava que “os sofrimentos e a escravidão da raça negra foram consequência da maldição de Noé”, afirmou Alexander Crummell (1819–1898), um ministro afro-americano e educado em Cambridge, acadêmico, em 1862.

Benjamin M. Palmer (1818–1902), pastor da Primeira Igreja Presbiteriana em Nova Orleans e clérigo preeminente do Mississippi durante a Guerra Civil, enfureceu-se, sermão após sermão, que a maldição de Noé era um projeto profético dos destinos dos “brancos”, raças “pretas” e “vermelhas”. 

Embora os descendentes brancos de Sem e Jafé (os filhos mais velhos de Noé) florescessem e tivessem sucesso, Palmer afirmou que “[u]pon Cam foi pronunciado o destino da servidão perpétua...”.


Novo Testamento
também dá justificativas
para a escravidão



Nos primeiros meses da Guerra Civil, a intolerância e a superstição cobriram o sul com uma defesa bíblica da escravatura. Os católicos do sul também citaram a maldição como uma validação da escravidão.

Em 21 de agosto de 1861, o bispo Augustus Marie Martin de Natchitoches, Louisiana, declarou numa carta pastoral, “Por ocasião da guerra de independência do sul”, que a escravidão era “a vontade manifesta de Deus”, e que todos os católicos deveriam arrebatar-lhes “a escravidão”, da barbárie de seus costumes ferozes, milhares de filhos da raça de Canaã”, a maldita descendência de Cam.

Tudo isso foi um bálsamo bíblico para os comerciantes e proprietários de escravos que temiam pela salvação de suas almas. A justificativa religiosa da escravidão apagou essas preocupações.

Deixando de lado o uso indevido do Gênesis pelos teólogos, mesmo em seus próprios termos, a Maldição de Cam apresentou um argumento vago e pouco convincente a favor da escravidão. Em nenhum lugar do Gênesis há uma maldição sobre os africanos ou as pessoas de pele negra.

Se os traficantes de escravos precisassem de um endosso bíblico explícito à escravidão, eles poderiam ter se voltado para o Novo Testamento, onde encontramos São Pedro dizendo aos escravos para “serem submissos aos seus senhores com todo o temor, não apenas aos bons e gentis, mas também aos severo”. Ou São Paulo, que exortava os escravos a «serem obedientes aos que são os vossos senhores segundo a carne, com temor e tremor».
Venha o abolicionismo

Os abolicionistas não ficaram calados face a esta interpretação grotesca do texto mais sagrado da cristandade. Num discurso de 5 de julho de 1852, Frederick Douglass, o grande ativista e político antiescravista que havia escapado de seu “dono”, deu esta resposta àqueles que vendiam a Maldição de Cam em seus púlpitos:

— [A] igreja deste país não é apenas indiferente aos erros dos escravos, mas na verdade toma partido dos opressores. Tornou-se o baluarte da escravidão americana e o escudo dos caçadores de escravos americanos... Eles ensinaram que o homem pode, propriamente, ser um escravo; que a relação entre senhor e escravo é ordenada por Deus…”

E tudo baseado numa má interpretação de Gênesis 9:24-25 pelos “Divinais” pró-escravidão, que assim transformaram a sua religião num motor de tirania e crueldade bárbara. 

Era uma farsa e uma mentira, e tudo menos aquilo que o Cristianismo representava.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Tribunal do Ceará derruba lei que reduzia pena de condenados que lessem a Bíblia

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual