Pular para o conteúdo principal

Deltan Dallagnol defende fé cristã na militância política. E é vaiado

Discurso ex-deputado se aproxima da retórica da Michelle Bolsonaro 


Deputado federal cassado, Deltan Dallagnol (Partido Novo), evangélico, manifestou-se no dia 7 de abril contra a laicidade de Estado defender a fé cristã como valor político.

A falar em painel sobre combate à corrupção na Brazil Conference, encontro organizado por alunos brasileiros de Harvard e do MIT em Cambridge (EUA), o ex-promotor público da Lava Jato ressaltou, antes de terminar a palestra, que, sim, leva a religião para seu trabalho, recebendo vaia da plateia.

Depois, a jornalista da Folha, afirmou haver “grande preconceito contra a expressão da fé no ambiente público”.


Dallagnol se mostra cada
vez mais alinhado com
a extrema-direita

“É um preconceito secularizante de uma perspectiva humanista que exclui a fé, mas ao mesmo tempo aceita todas as ideologias, liberalismo, socialismo, comunismo, conservadorismo, todas as ideologias que têm por base, em última análise, a fé.”

Ao associar fé cristã com ideologias políticas, Dallagnol lembra um recente discurso da Michelle, mulher do ex-presidente Bolsonaro, no qual ela sugere a instituição no Brasil de uma teocracia cristã, com valores religiosos sobrepondo-se a uma Constituição laica.

Em sua palestra, Dallagnol também manifestou apoio à crítica do empresário Elon Musk, dono do X, segundo o qual o ministro Alexandre Moraes, do STF, tem atuado como censor da rede social.

> Com informação da Folha de S.Paulo e outras fontes.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Sam Harris: não é Israel que explica as inclinações genocidas do Hamas. É a doutrina islâmica

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios