Pular para o conteúdo principal

Decisão da Justiça impõe o Estado laico à Câmara de Bauru

Tribunal julgou como inconstitucionais artigos do regimento do Legislativo que obrigavam a menção ao Deus cristão antes das sessões


O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) derrubou na quarta (17) dispositivos do regimento interno da Câmara de Bauru que obrigavam a leitura de um versículo da Bíblia antes das sessões legislativas, a menção a “Deus” na abertura dos trabalhos e a presença da Bíblia na Mesa Diretora. 

A decisão decorreu de Ação Direta de Inconstitucionalidade ajuizada pelo Ministério Público de São Paulo (MP-SP).

A Procuradoria-Geral de Justiça do MP-SP fundamentou a Adin na defesa do Estado laico, princípio constitucional que garante a neutralidade do Estado em relação às religiões. 

Segundo o MP-SP, os dispositivos do regimento da Câmara de Bauru feriam esse princípio ao privilegiar uma crença específica em detrimento de outras e ao impor uma prática religiosa a todos os vereadores e cidadãos presentes nas sessões.

Em sua defesa, a Câmara de Bauru alegou que a menção a Deus e a leitura da Bíblia faziam parte da tradição e cultura do país. Para os desembargadores, contudo, a Constituição tem de ser respeitada.

> Com informação do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e de outras fontes.  

Comentários

CBTF disse…
Em Artur Nogueira a palhaçada continua mesmo a justiça determinando a exclusão da leitura de Bíblia obrigatória, o que fazes nesses casos?

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m