Pular para o conteúdo principal

Conjunto de estudos mostra danos da Covid-19 na cognição. Até queda de QI

Cientistas constaram que a infecção pelo coronavírus pode afetar a saúde do cérebro de várias formas, como falta de concentração, confusão mental e falha de lembrança. Ainda não se sabe como isso ocorre


Ziyad Al-Aly
epidemiologista clínico, Universidade de Washington em St. Louis, Estados Unidos

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

Desde os primeiros dias da pandemia, a confusão mental emergiu como um problema de saúde significativo que muitos vivenciam após a Covid-19.

Névoa cerebral é um termo coloquial que descreve um estado de lentidão mental ou falta de clareza e nebulosidade que dificulta a concentração, lembrar de coisas e pensar com clareza.

Quatro anos depois, existem agora provas abundantes de que a infecção pelo SARS-CoV-2 — o vírus que causa a Covid-19 — pode afetar a saúde do cérebro de várias formas.

Além da confusão mental, a Covid-19 pode causar uma série de problemas, incluindo dores de cabeça, convulsões, derrames, problemas de sono e formigamento e paralisia dos nervos, bem como vários distúrbios de saúde mental.

Queda de QI chega
a ser de nove pontos

Um grande e crescente conjunto de evidências acumuladas ao longo da pandemia detalha as muitas maneiras pelas quais a Covid-19 deixa uma marca indelével no cérebro. Mas como isso acontece ainda não foi elucidado e os tratamentos de cura são inexistentes.

Agora, dois novos estudos publicados no New England Journal of Medicine lançam mais luz sobre o impacto profundo da Covid-19 na saúde cognitiva.

Sou um médico cientista e tenho me dedicado ao estudo da Covid longa desde os primeiros relatos dos pacientes sobre essa condição — mesmo antes do termo “Covid longa” ser cunhado. Testemunhei perante o Senado dos Estados Unidos como perito no longo Covid e publiquei extensivamente sobre este tópico.

Marca no cérebro

Aqui estão alguns dos estudos mais importantes até o momento que documentam como a Covid-19 afeta a saúde do cérebro:

• Grandes análises epidemiológicas mostraram que as pessoas que tiveram Covid-19 corriam um risco aumentado de déficits cognitivos, como problemas de memória.

• Estudos de imagem realizados em pessoas antes e depois das infecções por Covid-19 mostram redução do volume cerebral e alteração da estrutura cerebral após a infecção.

• Um estudo com pessoas com Covid-19 leve a moderado mostrou inflamação prolongada significativa do cérebro e alterações proporcionais a sete anos de envelhecimento cerebral.

• A Covid-19 grave que requer hospitalização ou cuidados intensivos pode resultar em défices cognitivos e outros danos cerebrais equivalentes a 20 anos de envelhecimento.

• Experimentos de laboratório em organoides cerebrais humanos e de camundongos projetados para emular mudanças no cérebro humano mostraram que a infecção por SARS-CoV-2 desencadeia a fusão de células cerebrais. Isso efetivamente provoca um curto-circuito na atividade elétrica cerebral e compromete a função.

• Estudos de autópsia de pessoas que tiveram Covid-19 grave, mas morreram meses depois por outras causas, mostraram que o vírus ainda estava presente no tecido cerebral. Isto fornece evidências de que, ao contrário do seu nome, o SARS-CoV-2 não é apenas um vírus respiratório, mas também pode entrar no cérebro de alguns indivíduos. Mas ainda não está claro se a persistência do vírus no tecido cerebral está provocando alguns dos problemas cerebrais observados em pessoas que tiveram a doença.

• Estudos mostram que mesmo quando o vírus é ligeiro e está confinado exclusivamente aos pulmões, ainda pode provocar inflamação no cérebro e prejudicar a capacidade de regeneração das células cerebrais.

A Covid-19 também pode perturbar a barreira hematoencefálica, o escudo que protege o sistema nervoso — o centro de controle e comando dos nossos corpos — tornando-o “permeável”. Estudos que usaram imagens para avaliar o cérebro de pessoas hospitalizadas com o vírus mostraram barreiras hematoencefálicas rompidas ou com vazamento naqueles que experimentaram confusão mental.

• Uma grande análise preliminar que reuniu dados de 11 estudos abrangendo quase 1 milhão de pessoas com Covid-19 e mais de 6 milhões de indivíduos não infectados mostrou que a contaminação pelo vírus aumentou o risco de desenvolvimento de demência de início recente em pessoas com mais de 60 ano.

Quedas no QI

Mais recentemente, um novo estudo publicado no New England Journal of Medicine avaliou capacidades cognitivas como memória, planejamento e raciocínio espacial em quase 113.000 pessoas que já tinham tido Covid-19. 


Os pesquisadores descobriram que aqueles que foram infectados apresentavam déficits significativos de memória e desempenho de tarefas executivas.

Esse declínio foi evidente entre os infectados na fase inicial da pandemia e entre os infectados quando as variantes delta e omicron eram dominantes. Essas descobertas mostram que o risco de declínio cognitivo não diminuiu à medida que o vírus pandêmico evoluiu da estirpe ancestral para o micron.

No mesmo estudo, aqueles que tiveram Covid-19 leve e resolvido apresentaram declínio cognitivo equivalente a uma perda de QI de três pontos. 

Em comparação, aqueles com sintomas persistentes não resolvidos, como pessoas com falta de ar persistente ou fadiga, tiveram uma perda de seis pontos no QI. Aqueles que foram internados na unidade de terapia intensiva por Covid-19 tiveram uma perda de nove pontos no QI. 

A reinfecção com o vírus contribuiu para uma perda adicional de dois pontos no QI, em comparação com a ausência de reinfecção.

Geralmente, o QI médio é de cerca de 100. Um QI acima de 130 indica um indivíduo altamente dotado, enquanto um QI abaixo de 70 geralmente indica um nível de deficiência intelectual que pode exigir apoio social significativo.

Para colocar em perspectiva as conclusões do estudo do New England Journal of Medicine, estimo que uma redução de três pontos no QI aumentaria o número de adultos norte-americanos com um QI inferior a 70, de 4,7 milhões para 7,5 milhões — um aumento de 2,8 milhões. São pessoas com nível de comprometimento cognitivo que requer apoio social significativo.

Outro estudo publicado na mesma edição do New England Journal of Medicine envolveu mais de 100.000 noruegueses entre março de 2020 e abril de 2023. Documentou pior função de memória em vários momentos até 36 meses após um teste SARS-CoV-2 positivo.

Implicações

No seu conjunto, esses estudos mostram que a Covid-19 representa um risco grave para a saúde do cérebro, mesmo em casos ligeiros, e os efeitos estão agora sendo revelados na população.

Uma análise recente do Inquérito à População Atual dos EUA mostrou que, após o início da pandemia da Covid-19, mais 1 milhão de pessoas em idade ativa relataram ter “sérias dificuldades” em lembrar, concentrar-se ou tomar decisões do que em qualquer momento nos 15 anos anteriores. O mais desconcertante é que isto foi impulsionado principalmente por adultos jovens com idades entre 18 e 44 anos.

Os dados da União Europeia mostram uma tendência semelhante — em 2022, 15% das pessoas na UE relataram problemas de memória e concentração.

Olhando para o futuro, será fundamental identificar quem está em maior risco. É também necessária uma melhor compreensão de como essas tendências podem afetar o sucesso educativo das crianças e dos jovens adultos e a produtividade econômica dos adultos em idade ativa. E também não está claro até que ponto essas mudanças irão influenciar a epidemiologia da demência e da doença de Alzheimer.

O crescente conjunto de pesquisas confirma agora que a Covid-19 deve ser considerado um vírus com um impacto significativo no cérebro. As implicações são de longo alcance, desde os indivíduos que enfrentam dificuldades cognitivas até ao impacto potencial nas populações e na economia.

Levantar a névoa sobre as verdadeiras causas por trás dessas deficiências cognitivas, incluindo a confusão mental, exigirá anos, senão décadas, de esforços concentrados por parte de investigadores em todo o mundo.


> Este artigo foi publicado originalmente em inglês.


Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Morre o americano Daniel C. Dennett, filósofo e referência contemporânea do ateísmo

Entre os 10 autores mais influentes de posts da extrema-direita, 8 são evangélicos

Ignorância, fé religiosa e "ciência" cristã se voltam contra o conhecimento

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Oriente Médio não precisa de mais Deus. Precisa de mais ateus

Vídeo mostra adolescente 'endemoninhado' no chão. É um culto em escola pública de Caxias

Ateu, Chico Anysio teve de enfrentar a ira de crentes