Pular para o conteúdo principal

Perseguidos, lobos reaparecem na Europa. Espanha dá exemplo de proteção

Em 10 anos, as matilhas tiveram aumento de 25% no continente, mas a Suíça derrubou restrições à caça, para proteger o gado


HANNA PETTERSSON

pesquisadora associada de pós-doutorado

Centro Leverhulme para Biodiversidade Antropocena
Universidade de York, Reino Unido

The Conversation
plataforma de informação
e análise produzida por 
acadêmicos e jornalistas

Após séculos de perseguição, os lobos estão reaparecendo em muitas partes da Europa. Só na última década, expandiram a sua distribuição em mais de 25% no continente.

Esse ressurgimento foi destacado em setembro de 2023, na sequência de uma declaração controversa de Ursula von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia. Ela disse: “A concentração de matilhas de lobos em partes da Europa tornou-se um perigo real para o gado e potencialmente também para os seres humanos. Convido as autoridades locais e nacionais a tomarem as medidas necessárias.”

Mas quais são os passos certos a tomar? As decisões recentes dos Estados-Membros da UE não refletem qualquer consenso real sobre a questão.

O Senado suíço, por exemplo, votou para aliviar as restrições à matança dos seus cerca de 200 lobos, a fim de proteger o gado que vagueia livremente nos Alpes. A Espanha, que abriga mais de 2.000 lobos e se orgulha dos seus extensos sistemas de pastoreio, assumiu uma posição oposta.

Com pelagem amarelo-acastanhada,
o lobo-ibérico (Canis lupus signatus)
pesa até 35 kg, mede até 80 cm de
altura e 180 de comprimento

Em 2021, o governo espanhol declarou os lobos estritamente protegidos. O seu objetivo é aumentar a população de lobos em 18% e incentivar os agricultores a implementar medidas de proteção do gado, como a instalação de cercas ou a criação de cães de guarda.

Examinar as motivações de Espanha para a proteção pode fornecer informações sobre o que leva os países a adoptarem abordagens tão diferentes à coexistência.

O que queremos dizer com “coexistência”?

Como parte de uma nova pesquisa que realizei com vários colegas, estudamos como os espanhóis interpretam e vivenciam a convivência com os lobos.

Os nossos resultados revelaram três visões distintas e, até certo ponto, contraditórias sobre o que significa coexistência e como deve ser alcançada:

- Os “tradicionalistas” estão profundamente empenhados nas paisagens, nos meios de subsistência e na biodiversidade que evoluíram em conjunto ao longo de milênios de pastoreio ao ar livre. Consideram que o homem faz parte da natureza e interpreta a convivência como um estado em que o lobo é controlado para não atrapalhar as atividades pastoris.

- Os “protecionistas” gostariam de restaurar a natureza “selvagem” (com um mínimo de influência humana) e acreditam que o lobo catalisaria este processo. Eles veem a coexistência como um estado onde as atividades humanas são controladas para que os lobos possam circular livremente.

- Os “pragmáticos” estão menos apegados a um determinado tipo de natureza do que às relações e ao contexto de cada lugar. Eles veem a coexistência como um estado onde as necessidades dos diferentes grupos (incluindo os lobos) são equilibradas.

A flexibilização ou o reforço da proteção dos lobos passou a representar essas diferentes visões do futuro. Cada um proporciona benefícios a algumas pessoas e à vida selvagem e apresenta desafios a outros. Como resultado, o tema tornou-se profundamente político.

Políticas de conservação dos lobos

Em Espanha, a proposta para proteger os lobos foi apresentada por protecionistas e alinhada com a agenda do governo de esquerda. Podemos, um dos partidos da coligação de esquerda, apresentou uma proposta para a proteção estrita dos lobos em 2016 (enquanto o partido ainda estava na oposição), juntamente com grupos de defesa dos lobos.

Por outro lado, os partidos políticos de direita espanhóis opuseram-se fortemente a ela. Esses partidos tendem a visar os eleitores rurais, para quem o regresso dos carnívoros simboliza o desaparecimento das culturas pastoris.

A proposta foi finalmente aprovada pelo governo com base no “valor científico, ecológico e cultural” dos lobos, critérios em grande parte subjetivos. Por exemplo, poderíamos dizer que a raposa, que não está protegida, tem valores semelhantes. Esses critérios não têm em conta o impacto que medidas rigorosas de proteção dos lobos podem ter noutros valores culturais ou ecológicos, tais como os sistemas de pecuária pastoril.

A decisão da Espanha também foi influenciada pelas opiniões dos protecionistas sobre o estado de conservação do lobo. Uma espécie classificada como tendo um estatuto 'favorável' (que é adequado para garantir a sua sobrevivência a longo prazo) na Diretiva Habitats da UE pode, em certos casos, ser caçada. Contudo, os conservacionistas discordam sobre os critérios e dados em que esse estatuto deve basear-se.

Por exemplo, uma avaliação submetida à Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) em 2018 indica que a população de lobo ibérico é grande, estável e está em lenta expansão. Em contraste, um relatório divulgado por um grupo de defesa dos lobos em 2017 afirmou que houve mais lobos mortos do que lobos nascidos em Espanha naquele ano.

Este último relatório foi acusado de ser tendencioso e não científico. No entanto, isso não impediu o Ministério do Ambiente espanhol de utilizar este relatório para reclassificar o estado de conservação dos lobos de “favorável” (como em relatórios anteriores) para “desfavorável”. Por outras palavras, a informação foi interpretada, selecionada e apresentada de uma forma que justifica uma proteção acrescida.

O governo sueco, liderado por uma coligação de direita desde 2022, procura alcançar o oposto. Ele ordenou que a Agência de Proteção Ambiental examinasse se o limite estabelecido para um status favorável, fixado em um mínimo de 300 em 2019, poderia ser reduzido para justificar um aumento nos abates de lobos.

De que natureza estamos falando?

Para reduzir a divisão política entre a proteção e a perseguição dos lobos, bem como entre a restauração de paisagens “selvagens” e pastoris, é necessário reavaliar a forma como as decisões são tomadas e como as provas são consideradas.

A ciência desempenha um papel crucial na avaliação de diferentes opções políticas e das suas consequências, tais como o efeito de um aumento da população de lobos no comportamento de ovelhas ou veados. Mas não pode determinar o curso de ação “correto”. Esta escolha depende do que as pessoas, o gado e a vida selvagem de um determinado local necessitam para viver bem. Em outras palavras, o contexto é importante.

Na maioria dos casos, a questão não é escolher “isto ou aquilo”, mas sim como conseguir “um pouco de tudo”. Conciliar diferentes interesses e encontrar um caminho a seguir requer a participação pública e, geralmente, a mediação profissional. Estas são as ações que a Comissão Europeia deveria incentivar nos Estados-Membros.

Tendo isto em mente, é preocupante que o pragmatismo seja largamente negligenciado no debate. Em última análise, a coexistência sustentável entre humanos e lobos não depende de os lobos serem caçados ou protegidos, ou mesmo do tamanho da população de lobos. Pelo contrário, depende de como essas decisões são tomadas.

• Pesquisadores descobrem na Mata Atlântica nova borboleta. E ela já está ameaçada de extinção

• Mudanças climáticas ameaçam mais de 90% das comunidades de mamíferos da Caatinga

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch