Pular para o conteúdo principal

Hitler escolheu para ser o seu médico alguém que hoje seria 'alternativo'. Um charlatão

Theodor Morell tratou o fuhrer com remédios que hoje são tidos como da "medicina alternativa"; houve também alta administração de droga à base do opioide oxicodona


EDZARD ERNESTO
professor emérito da Escola de
Medicina da Península, na 
Universidade de Exeter, Inglaterra

Skeptical Inquirer
revista de ciência e razão


Para tratar as suas numerosas doenças, Adolf Hitler teria, naturalmente, podido consultar os principais especialistas médicos alemães do seu tempo. Para seu médico pessoal, entretanto, Hitler escolheu um médico alternativo, relativamente pouco qualificado, de reputação duvidosa.

Theodor Morell nasceu em 22 de julho de 1886, segundo filho de um professor em uma pequena vila em Hesse. Depois da escola, ele treinou e posteriormente trabalhou por um ano como professor. Ele então estudou medicina em Heidelberg e trabalhou brevemente em Grenoble e Paris antes de iniciar o treinamento em obstetrícia e ginecologia em Munique.

Em 1913, Morell foi licenciado como médico e trabalhou como médico para empresas de cruzeiros alemãs antes de adquirir um consultório em Dietzenbach, perto de Offenbach. Durante a Primeira Guerra Mundial, serviu no front e depois como oficial médico da prisão em Ohrduf. Em janeiro de 1919 mudou-se para Berlim, onde, um ano depois, casou-se com a rica atriz Johanna Moller.

Morell começou a estabelecer uma prática moderna e não convencional, onde atraiu com sucesso muitos VIPs de Berlim e de outros lugares. Em 1932, ele ganhava o equivalente a aproximadamente 300.000 euros por ano em dinheiro atual. O cabeçalho de seu papel timbrado anunciava “raios X, alta frequência, diatermia, radiação, tratamentos galvânicos, exames de urina e sorologias sanguíneas”.

Em abril de 1933, Morell juntou-se ao partido nazista – principalmente porque recentemente havia sido confundido com um judeu. 

Em 1935, mudou seu escritório para a prestigiosa Kurfürstendamm em Berlim. Sua placa o identificava como venereologista, especialista em doenças sexualmente transmissíveis. Na primavera de 1936, Morell curou o fotógrafo de Hitler, Heinrich Hoffman, de gonorreia. A secretária e modelo do fotógrafo era Eva Braun, a jovem que também era amante secreta de Hitler.

Em 1936, Hitler sofria de eczema crônico, espasmos abdominais recorrentes, exaustão e períodos de depressão. Hoffman recomendou o Dr. Morell e organizou um encontro pessoal entre os dois. Morell então visitou Hitler em Berchtesgaden.

O tratamento de Morell foi bem-sucedido e Hitler o convidou para se tornar seu médico pessoal em tempo integral. Morell aceitou contra a vontade de sua esposa. A partir de então, Morell esteve quase constantemente ao lado de Hitler. Mais tarde, ele se gabou de que ninguém, nem mesmo Eva Braun, havia passado mais tempo com o Führer.

Hitler foi tratado por
Morel por medicina sem
comprovação científica
FOTO: Sueddeutsche Zeitung Photo / Alamy Stock Photo

A promoção trouxe vantagens consideráveis ​​para Morell, inclusive financeiramente. Ele manteve seu consultório em Berlim, que delegou a assistentes. Recebeu um salário substancial, cinco vezes superior ao de um professor universitário, e recebeu de Hitler uma grande quantia isenta de impostos pela compra de uma villa em Berlim que acabara de ser confiscada a um banqueiro judeu. 

Além disso, Hitler conseguiu um cargo de professor honorário para Morell, que pôde usar suas boas conexões para se tornar proprietário ou sócio de diversas empresas farmacêuticas. Sua riqueza total seria eventualmente estimada em seis milhões de Reichsmarks.

Diz-se que o obeso e pouco saudável Morell era altamente impopular entre a comitiva do Führer, especialmente entre os outros médicos do quartel-general do Führer. Ele era considerado desalinhado e anti-higiênico e dizia-se que tinha um odor corporal pungente, do qual Eva Braun uma vez reclamou.

As tentativas de destituir Morell por parte de outros médicos preocupados com o impacto deletério dos seus tratamentos bizarros sobre Hitler falharam devido à fé quase cega que o ditador desenvolveu no seu médico pessoal.

Os tratamentos pouco ortodoxos – hoje diríamos alternativos – que Morell deu a Hitler incluíam:

- Argentum nitricum;
- Franzbrandwein;
- Enemata de chá de camomila;
- Probióticos;
- Vários extratos de beladona;
-mNux vomica;
- Um composto naturopático de extrato de bile, angélica, aloés, papaverina, cafeína e pancreatina;
- Um composto injetável de enzimas, aminoácidos e vitaminas B1, B2 e C, além de extratos de músculo cardíaco, suprarrenal, fígado e pâncreas;
- Uma mistura de estrofantina, glicose, vitamina B e ácido nicotínico;
- Strophanthus gratus homeopático;
- Preparação feita a partir de glândulas, fígados e outros órgãos de animais;
- Vitaminas A, D e B12; e
- Um extrato enzimático de Aspergillus oryzae

Além disso, Morell administrou uma lista impressionante e crescente de drogas convencionais poderosas, incluindo opioides, anfetaminas, hormônios, sedativos e esteroides. 

Estima-se que, a certa altura, Hitler consumiu oitenta drogas diferentes. Consequentemente, Hitler tornou-se cada vez mais dependente de drogas e a sua saúde deteriorou-se acentuadamente. Além disso, vários de seus problemas de saúde na época podem ter sido causados ​​por efeitos adversos ou interações entre vários medicamentos.

De particular interesse é o uso liberal por Morell de uma droga chamada Eukodal (oxicodona), que foi desenvolvida em 1916 por cientistas da Universidade de Frankfurt). Morell usou-o em doses cada vez mais elevadas (até quatro vezes a dose recomendada administrada por via intravenosa) e até combinou-o com cocaína quando o Eukodal perdeu o seu poder. 

Sabe-se que mistura dessas duas drogas causa várias das condições que afetaram Hitler nos seus últimos meses, incluindo doença coronária, prisão de ventre, ansiedade, irritabilidade, perda de memória, psicose e depressão.

Após a tentativa de assassinato de 20 de julho de 1944, Hitler degenerou em uma ruína física e mental. Ele dependia dos estimulantes de Morell para funcionar durante o dia e dos sedativos para dormir à noite. Ele havia sido diagnosticado como sofrendo de doença coronariana e sofreu vários eventos cardíacos menores. Os tratamentos de Morell foram, na melhor das hipóteses, sintomáticos e, na pior das hipóteses, prejudiciais.

Pouco antes de seu suicídio, Hitler desentendeu-se com Morell e até ameaçou matá-lo. Ele então ordenou que Morell deixasse o bunker, e Morell conseguiu voar para fora de Berlim. No entanto, foi descoberto na Baviera por um jornalista do New York Times e posteriormente preso pelas tropas norte-americanas.

Durante dois anos, ele foi interrogado por crimes de guerra e (segundo Morell) torturado. Não querendo fornecer informações relevantes, ele acabou sendo libertado. Entretanto, a sua saúde deteriorou-se significativamente; ele sofria de distúrbios afásicos da fala e foi levado ao hospital distrital de Tegernsee, ao sul de Munique, onde permaneceu até sua morte em 26 de maio de 1948.

A maioria dos biógrafos de Hitler parece pensar que a influência de Morell sobre Hitler e o Terceiro Reich foi insignificante. No entanto, uma revisão dos tratamentos de Morell sugere uma conclusão diferente. 

A incompetência médica de Morell transformou Hitler num viciado em drogas e, posteriormente, num desastre físico e mental. Parece, portanto, difícil imaginar que Morell não tenha tido um grande impacto na história do Terceiro Reich.

• Ozonioterapia não deve ser usada para doenças oculares, alerta Conselho de Oftalmologia

Acupuntura funciona como placebo, conclui estudo

• Saiba por que o espiritismo kardecista é a alma da pseudociência no Brasil

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

Influenciadora cristã torna-se ré por associar enchentes no Sul à quantidade de terreiros

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Bianca Machado Cotta, vítima do voo AF 447

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Alunos evangélicos de escola de Manaus recusam trabalho de cultura africana

Líder de igreja é acusado de abusar de dezenas de fiéis

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Ateus são o grupo que menos apoia a pena de morte, apura Datafolha

Valdemiro pede 10% do salário que os fiéis gostariam de ter

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão