Pular para o conteúdo principal

Estrutura de madeira de meio milhão de anos é vestígio da tecnologia de hominídeos

Cunha de 476 mil anos descoberta na Zâmbia indica o uso de ferramenta produzida e usada pelos humanos antigos 


SHADRECK CHIRIKURE
professor de ciências arqueológicas
na Universidade de Oxford,
no Reino Unidos

The Conversation
plataforma de informação
e análise produzida por 
acadêmicos e jornalistas

Para a maioria das pessoas, as tecnologias complexas separam os seres humanos modernos de seus ancestrais que viveram na Idade da Pedra, milhares ou centenas de milhares de anos atrás. No mundo atual, que muda rapidamente, as tecnologias mais antigas, mesmo aquelas de alguns anos atrás, são frequentemente descritas de forma desdenhosa como “Idade da Pedra”.

Esses termos servem para nos desconectar de nossos parentes antigos, que eram muito mais sofisticados do que às vezes pensamos.

Uma equipe liderada pelo arqueólogo Larry Barham, da Universidade de Liverpool, publicou recentemente evidências robustas e bem datadas do uso mais antigo conhecido da tecnologia da madeira. A estrutura de madeira, juntamente com artefatos, data de 476.000 anos atrás e foi escavada de depósitos alagados em Kalambo Falls, Zâmbia.

Esse sítio arqueológico é famoso por produzir vestígios de desenvolvimento cultural humano que datam de centenas de milhares de anos atrás.

As evidências extremamente bem preservadas encontradas por Barham e seus colegas incluem, entre outras coisas, uma cunha (um tipo de ferramenta de madeira), um bastão de escavação, um tronco cortado com a ajuda de ferramentas e um galho com um entalhe.

Mas por que, na era da IA e da robótica, a tecnologia da madeira de quase meio milhão de anos atrás deveria gerar tanto interesse tanto dos cientistas quanto do público?

As evidências de Kalambo Falls demonstram uma capacidade notável dos primeiros hominídeos (parentes humanos antigos) de obter madeira e moldá-la com ferramentas.

Eles eram capazes de produzir não apenas uma variedade de outras ferramentas, mas também estruturas sofisticadas de madeira. Não sabemos exatamente que espécie produziu a estrutura, mas Homo heidelbergensis ou uma espécie semelhante a Homo naledi podem ser candidatos, entre outros.

Esses resultados têm implicações de longo alcance para nossa compreensão de como os materiais sustentáveis eram usados no início da Idade da Pedra. Também lançam luz sobre as capacidades dos primeiros hominídeos.

Da especulação ao fato

Arqueologia é o estudo da história profunda e recente usando os restos de coisas deixadas por pessoas que vieram antes de nós. Entretanto, essas histórias são tendenciosas em favor de coisas que sobreviveram à passagem do tempo ou que se deterioraram, mas deixaram rastros.

Esta cunha é tecnologia
que antecedeu a
Idade da Pedra

FOTO: DIVULGAÇÃO


Os seres humanos viveram na era conhecida como Idade da Pedra por quase 99% da história humana. A Idade da Pedra Primitiva é considerada a primeira e talvez a mais longa “era tecnológica”, estendendo-se de quase quatro milhões de anos atrás a 300.000 anos atrás.

Sabemos mais sobre ferramentas de pedra durante essa fase inicial do desenvolvimento humano, em parte porque os materiais inorgânicos, como as rochas, são quase indestrutíveis em comparação com aqueles feitos de materiais perecíveis, como a madeira.

De fato, a madeira é muito escassa em depósitos pertencentes ao início da Idade da Pedra, exigindo condições excepcionais de preservação para não se deteriorar. Ela sobrevive apenas em ambientes extremamente secos, como desertos, ou em condições extremamente úmidas, como foi o caso das Cataratas de Kalambo.

Dada a escassez de evidências, a prova direta do uso intencional da madeira de mais de 400.000 anos atrás transforma radicalmente nossa compreensão da antiguidade da madeira como tecnologia e há quanto tempo os hominídeos interagem com esse material versátil. Eles a utilizavam para fabricar ferramentas, construir abrigos, obter alimentos e, talvez, até mesmo como combustível em suas vidas diárias.

Embora os pesquisadores suspeitassem que a tecnologia da madeira fosse amplamente utilizada pelos primeiros hominídeos, sem evidências concretas e diretas, não podíamos aceitar isso como fato. A arqueologia é um campo de estudo baseado em descobertas e evidências - ver para crer. 

A descoberta de Kalambo Falls transformou a especulação em fato, mudando nossa compreensão da história da tecnologia.

Beneficiando o meio ambiente

No entanto, parte do desafio vem de conceitos da história humana que podem ser descritos como progressistas ou lineares, que consideram a história como um avanço inevitável em direção à modernidade por meio de conquistas científicas e tecnológicas.

No passado, alguns cientistas consideravam que as mentes dos primeiros hominídeos eram mais limitadas em comparação com as dos humanos modernos. Eles acreditavam que a tecnologia e a cultura melhoravam em sofisticação à medida que o tamanho do cérebro humano aumentava, passando de um estado “simples” para o mundo complexo, dominado por algoritmos, em que vivemos hoje.

Apesar do fato de o tamanho do cérebro ter aumentado com o tempo e de a tecnologia ter mudado, é possível que aqueles que vieram antes de nós tivessem uma compreensão impressionante dos materiais ao seu redor e cuidassem do ambiente.

A construção de madeira intencionalmente moldada em Kalambo Falls é uma ilustração de design, tecnologia e criatividade, usando o que, no mundo atual, chamaríamos de tecnologia verde.

As noções de “progresso” estão profundamente arraigadas na cultura. Isso também pode ser um representante do excepcionalismo dos seres humanos modernos (Homo sapiens), a crença de que há algo único ou exemplar em nossa espécie em comparação com os hominídeos anteriores. 

Se deixarmos essas noções de lado, podemos reconhecer que as chamadas “tecnologias atrasadas” podem beneficiar muito o meio ambiente e o planeta.

O fato de a madeira ser perecível faz dela um material mais sustentável, ao contrário de alguns materiais de construção modernos que são quase indestrutíveis e deixam ruínas visíveis. A fabricação desses materiais modernos também emite gases de efeito estufa que contribuem para a mudança climática.

É claro que há riscos associados ao uso da madeira como material de construção, como incêndio e deterioração. Mas, em situações apropriadas, devemos continuar nossa longa tradição de construir com madeira. Talvez os antigos não fossem tão retrógrados, mas sim mais progressistas do que nós quando se trata de cuidar do planeta por meio de uma tomada de decisão sólida.

Em resumo, as evidências de Kalambo Falls sugerem que, pelo menos algumas vezes, os primeiros hominídeos conseguiram aproveitar outros materiais além da pedra para suas necessidades cotidianas, incluindo a fabricação de ferramentas e abrigos. Eles também podem ter conseguido usar os recursos de seu ambiente para obter combustível e remédios.

No entanto, precisamos de evidências mais diretas, voltando aos primórdios da Idade da Pedra para demonstrar como aqueles que vieram antes de nós usavam e trabalhavam com a madeira. Mais descobertas como essa podem até nos levar a renomear a poderosa Idade da Pedra como a Idade da Madeira.

• DNA de ossos de 90 mil anos revela descendente de duas espécies de hominídeos

• Fósseis indicam descoberta de nova espécie de humanoide

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

AdSense desmonetiza página do texto 'Ateísmo significa libertação do medo do sobrenatural'

Pastores do Malafaia têm salário de até R$ 20 mil, casa e carro

Pastores mais habilidosos  estão sendo disputados  pelas igrejas Silas Malafaia, 53, informou que o salário dos pastores de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo, vai de R$ 3.000, para iniciantes, a R$ 20.000, com benefícios que incluem casa mobiliada, escola para filhos e plano de saúde. Pastores com experiência têm direito a carro do ano. É a primeira vez que um líder religioso neopentecostal revelou o salário dos pastores. Na falta de maiores informações, os valores citados por Malafaia podem ser tomados como referência do mercado de salários dos pregadores da Bíblia. As perspectivas desses profissionais são as melhores possíveis, considerando que não precisam ter formação universitária. Um professor de ensino médio não ganha tanto, nem sequer um médico em início de carreira, por exemplo. “Mas é preciso saber ler a Bíblia, pregar, explicar”, disse Malafaia à jornalista Daniela Pinheiro, que escreveu para a revista Piauí de setembro reportagem sobre o pastor.

Em vídeo, Malafaia pede voto para Serra e critica Universal e Lula

Malafaia disse que Lula está fazendo papel de "cabo eleitoral ridículo" A seis dias das eleições, o pastor Silas Malafaia (foto), da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, gravou um vídeo de 8 minutos [ver abaixo] pedindo votos para o candidato à prefeitura de São Paulo José Serra (PSDB) e criticou a Igreja Universal e o ex-presidente José Inácio Lula da Silva. Malafaia começou criticando o preconceito que, segundo ele, existe contra pastor que emite opinião sobre política, o mesmo não ocorrendo com outros cidadãos, como operários, sindicalistas, médicos e filósofos. O que não pode, afirmou, é a Igreja, como instituição, se posicionar politicamente. “A Igreja é de Jesus.” Ele falou que tinha de se manifestar agora porque quem for para o segundo turno, se José Serra ou se Fernando Haddad, é quase certeza que será eleito, porque Celso Russomanno está caindo nas pesquisas por causa do apoio que tem recebido da Igreja Universal. Afirmou que apoia Serra na expectativa de

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

Padre explica seu vídeo sobre mulher apanha porque quer

O padre cantor Fábio de Melo tem tentado nos últimos dias, nas redes sociais, rebater as acusações de que é machista.

Vicente e Soraya falam do peso que é ter o nome Abdelmassih

Eleição de Haddad significará vitória contra religião, diz Chaui

Marilena Chaui criticou o apoio de Malafaia a Serra A seis dias das eleições do segundo turno, a filósofa e professora Marilena Chaui (foto), da USP, disse ontem (23) que a eleição em São Paulo do petista Fernando Haddad representará a vitória da “política contra a religião”. Na pesquisa mais recente do Datafolha sobre intenção de votos, divulgada no dia 19, Haddad estava com 49% contra 32% do tucano José Serra. Ao participar de um encontro de professores pró-Haddad, Chaui afirmou que o poder vem da política, e não da “escolha divina” de governantes. Ela criticou o apoio do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus do Rio, a Serra. Malafaia tem feito campanha para o tucano pelo fato de o Haddad, quando esteve no Ministério da Educação, foi o mentor do frustrado programa escolar de combate à homofobia, o chamado kit gay. Na campanha do primeiro turno, Haddad criticou a intromissão de pastores na política-partidária, mas agora ele tem procurado obter o apoio dos religi