Pular para o conteúdo principal

Livro 'Que bobagem!' é gota de racionalidade em oceano de pseudociências

'É um desafio convencer alguém de uma verdade quando seu sustento depende crucialmente de ignorar essa verdade'


CARLOS ORSI | The Skeptic
Editor-chefe da revista
Questão de Ciência

Na semana passada, foram lançadas as edições impressa e digital do terceiro livro que escrevi em coautoria com Natália Pasternak. Isso marca cinco anos desde que nossas vidas se cruzaram e, desta vez, seguindo “Ciência na vida cotidiana” e “Contra a realidade”, o título é “Que Bobagem!” 

Neste livro, atualmente disponível apenas em português, nos aprofundamos em uma variedade de sistemas, doutrinas e crenças que compartilham uma característica comum: fazem falsas afirmações sobre como o Universo – ou pelo menos a parte habitada pelo Homo Sapiens – funciona.

Alguns são exemplos de pseudociência clássica. Outros são de origem mística ou artística. Alguns oscilam entre os dois, posicionando-se como misticismo ou arte quando enfrentam críticas científicas, mas reivindicam credibilidade científica ao vender suas ideias ao público. 

Independentemente disso, todos eles apresentam representações da realidade física e biológica que contradizem os fatos do mundo, validados pela ciência mais confiável disponível. Essas representações enganosas, se levadas a sério, podem causar sérios danos às nossas finanças, emoções e saúde. Eles oferecem mapas que fazem o viajante andar em círculos, ou pior: levando-o na direção oposta ao caminho pretendido.

Exemplos das falácias que expomos e desmontamos no livro incluem o suposto efeito de aprimoramento das diluições infinitesimais da homeopatia, a teoria psicodinâmica inconsciente da psicanálise, o conceito de energia vital do reiki, vestígios arqueológicos atribuídos a deuses astronautas e a influência astrológica na personalidade humana. 

Não é particularmente útil replicar, neste contexto, os fatos e argumentos que confirmam estas ideias como falácias – se isso fosse viável, não teríamos de escrever quase 400 páginas. No entanto, pode valer a pena discutir um pouco mais as escolhas envolvidas neste projeto.

Claro, estamos cientes de que este é um livro “controverso”, em pelo menos quatro aspectos.

Em primeiro lugar, no sentido mais óbvio: muito do conteúdo contraria o senso comum, e até mesmo algum consenso acadêmico-intelectual. Para usar outro clichê, este é um livro que tira o leitor de sua zona de conforto. Não o fazemos por malícia, obstinação ou para chocar a burguesia, mas porque é necessário. 

Indivíduos que estão navegando em suas interações com o mundo usando mapas defeituosos e bússolas mal calibradas merecem um aviso, mesmo que esses mapas e bússolas sejam normalmente protegidos das críticas mais contundentes por uma mistura de conveniência social e preguiça intelectual que ocasionalmente passa por polidez.

Em segundo lugar, como consequência da primeira, estamos destacando, em uma plataforma altamente visível, rachaduras e rupturas significativas nos fundamentos teóricos e práticos de sistemas que fornecem renda ou prestígio social (ou ambos) para muitas pessoas. 

Parafraseando a epígrafe de nosso segundo livro, “Against Reality”, é um desafio convencer alguém de uma verdade quando seu sustento depende crucialmente de ignorar essa verdade. 

Com relação a isso, a melhor coisa a dizer é que não inventamos nada – todas as alegações factuais feitas em “Que Bobagem!” são fundamentados em trabalhos científicos de alta qualidade e são devidamente citados. As opiniões e conclusões oferecidas decorrem logicamente desses fatos. 

Além disso, nada mais justo que o público tenha acesso a uma avaliação crítica das terapias e sistemas discutidos no livro, apresentando uma alternativa à enxurrada de promessas bizarras e autoelogios ocos que os promotores, defensores e vendedores dessas ideias inundam a mídia e as redes sociais. "Que Bobagem!" é uma gota de sobriedade em um vasto oceano de marketing inebriante.

Um terceiro ponto potencial de controvérsia é o chamado “tom agressivo” do título: o que significa “bobagem”? A quem esperamos convencer referindo-nos às crenças preciosas das pessoas como “bobagens”? O título tem um pano de fundo relacionado à experiência pessoal de Natalia, que compartilhamos no livro, e dá um tom suave e até levemente humorístico à escolha – mas claro, você tem que ler o livro para saber os detalhes.

Além da história autobiográfica, a escolha de “Que Bobagem!” parte de uma de nossas inspirações, a série de livros espanhóis ¡Vaya Timo! Também vem do desejo de causar impacto cultural e trazer a questão mais ampla da pseudociência para o debate público: um livro intitulado “Crenças atuais pseudocientíficas ou empiricamente injustificadas” provavelmente não atrairia tanta atenção.

A quarta maneira pela qual o livro provavelmente incitará a “controvérsia” é servir de forragem para tentativas grosseiras de trolagem, em aplicativos e mídias sociais, pelos empresários e fanáticos mais audaciosos e descontentes. Se a história serve de indício, essa onda de negatividade tem um alvo específico aqui no Brasil – Natalia Pasternak.

Ela é, claro, a metade mais notável, reconhecível, popular (e fotogênica) de nossa dupla de autores. Tivemos sessões de autógrafos em que uma leitora pegou seu autógrafo, olhou para mim – o cara corpulento e míope na mesa ao lado – e perguntou: "Mas quem é esse cara?"

Dada a disparidade de visibilidade, é compreensível que a maior parte das críticas (assim como os elogios) sejam direcionadas a ela. Mas o desequilíbrio é mais do que apenas quantitativo. O vitríolo [ácido dirigido a Pasternak, variando de trocadilhos infames envolvendo seu nome a mentiras grotescas sobre sua vida e carreira que, se não constituem calúnia e difamação, chegam perigosamente perto - você pode praticamente ver o ódio vazando dos cantos dos tweets – é lamentável. Quanto a mim, quando eles se lembram de me atingir, são piadas fracas e tentativas fracas de desqualificação.

Parte disso talvez possa ser explicado por seu alto perfil público, mas é difícil não detectar um cheiro de misoginia também. Das quatro “controvérsias”, esta é a menos produtiva e a mais irrelevante – exceto talvez como objeto de análise sociológica, psicopatológica e cultural.

Quando se trata de questões de “a quem se destina” e “quem é o público”, a resposta inicial é a cultura em geral. Nosso objetivo é desafiar a complacência epistêmica predominante e trazer certas questões que têm sido negligenciadas, ou apenas discutidas entre entusiastas e especialistas, em uma arena mais ampla. A segunda resposta depende da compreensão da composição do público. Em relação a qualquer pseudociência, podemos categorizar a população, ainda que grosseiramente, nos seguintes grupos: empresários, fanáticos, crentes, desinformados, curiosos, céticos e indiferentes.

Os empreendedores têm um investimento significativo em pseudociência – seja como seus criadores ou como indivíduos que a tornaram a peça central de seus modelos de negócios e vidas. Eles podem ser charlatães (vendendo tolices conscientemente) ou podem ser genuinamente convencidos. Os fanáticos são sempre sinceros, funcionando como fervorosos fãs e apóstolos dos empresários, com considerável investimento emocional na doutrina. Os crentes são firmes defensores da pseudociência, mas seu investimento emocional é visivelmente menor do que o dos fanáticos.

Indivíduos desinformados carecem de investimento significativo (financeiro ou emocional) no tópico, mas acreditam na pseudociência simplesmente porque nunca encontraram um contra-argumento convincente ou porque veem constantemente o tópico retratado positivamente na mídia. Eles podem pensar: “Se houvesse algo errado com isso, alguém já teria me avisado, certo?”

Curiosos já ouviram falar sobre o assunto e gostariam de saber mais. Os céticos reconhecem que absurdo é absurdo, mas estão preocupados com seu impacto nos indivíduos e na sociedade. E os indiferentes ou não se importam ou nem sabem que a pseudociência em questão existe.

Nesta estratificação demográfica, o nosso objetivo é alertar os indiferentes, empoderar os cépticos, satisfazer os curiosos, esclarecer os desinformados e fornecer aos crentes um amplo material de reflexão. É improvável que tenhamos uma audiência honesta e justa entre os fanáticos e empresários, mas talvez, apenas talvez, possamos plantar uma semente de dúvida em alguns deles.

"Que bobagem!" não se origina no vácuo. Além dos livros em espanhol da ¡Vaya Timo! série, claras influências incluem coleções de artigos céticos de Martin Gardner, principalmente seu trabalho pioneiro, “Fads and Fallacies in the Name of Science”, de 1957. Sua coleção mais abrangente, “The Night is Large”, que compila textos escritos entre os 1930 e 1990, foi publicado em 1997. Gardner morreu em 2010.

Se quisermos rastrear a linhagem ainda mais, podemos chegar ao que às vezes é considerado o primeiro livro de ciência popular da era moderna, “Pseudodoxia Epidemica” de Sir Thomas Browne, publicado em 1646, com o subtítulo “Inquéritos sobre Erros Vulgares e Comuns”.

“O primeiro, o pai de todas as causas de erros comuns, é a enfermidade comum da natureza humana, evidência de cuja condição enganosa é encontrada em nada menos que nos erros que cometemos”, escreve Browne. A ciência surge precisamente do reconhecimento de que a falibilidade humana é uma condição universal – que nenhum gênio, líder, messias ou padre está imune. Em última análise, todos nós somos suscetíveis a bobagens.

> Esse texto foi publicado originalmente com o título What Nonsense! – unpacking popular pseudosciences for a Brazilian audience. The Skeptic é um site do Reino Unido que analisa pseudociência, teoria da conspiração e alegação paranormal.

• Natalia Pasternak é a primeira brasileira a integrar o comitê cético de Carl Sagan

• Livro explica por que pessoas acreditam em coisas estranhas

• Se dependesse só da crença, não haveria civilização, diz Shermer

Comentários

betoquintas disse…
No entanto, ao listar a psicanálise no mesmo balaio, a obra foi analisada e encontrou-se erros e exageros que desconsideram os estudos científicos, aquilo que supostamente dá suporte à obra. Bobagem é acreditar que o método científico é a única forma de conhecer e entender o mundo. Não é muito diferente do crente cristão e da "verdade" eleita conforme a conveniência. 🤭😏
CBTF disse…
De acordo com Rogerio Lerner, professor do Instituto de Psicologia da USP responsável pela disciplina da pós-graduação que busca justamente avaliar ensaios clínicos randomizados e estudos neurocientíficos na obtenção de evidências em psicanálise, já há uma série de estudos clínicos realizados que comprovam os benefícios da psicanálise.

“As evidências são robustas no tratamento da depressão, ansiedade e com estudos clínicos randomizados, com grupo controle, cegamento e análise estatística de dados, inclusive estudos que não foram publicados em periódicos ligados a sociedades de psicanálise”, afirma.

Ele cita, entre os trabalhos, uma revisão sistemática publicada em 2014 no periódico Lancet Psychiatry, em que os pesquisadores, ao analisar 64 estudos clínicos randomizados, concluíram que as psicoterapias psicodinâmicas, grupo em que a psicanálise está incluída, tiveram resultados equivalentes à terapia cognitivo-comportamental para os transtornos mentais mais comuns.

Outro estudo, diz Lerner, este publicado no respeitado portal científico Cochrane, mostrou que a psicoterapia psicodinâmica “teve um efeito estatisticamente significativo na redução de várias condições clínicas, como sintomas psiquiátricos gerais (não psicóticos), ansiedade e depressão, bem como problemas interpessoais e ajustamento social”, destacou.

“A psicanálise tem uma importante função na abordagem da dor psíquica, dos transtornos mentais, e dos sofrimentos humanos colaborando para que possamos transformar as dores do viver em condições de suportar as dificuldades da vida. Ela promove o desenvolvimento emocional e psíquico, um autoconhecimento profundo”, defende Ana Stucchi Vannucchi, diretora científica da SBPSP, também citando alguns desses estudos.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Terraplanista vai a Noruega, vê o sol da meia-noite e admite que a Terra é redonda

Bíblia tem mais de 2,5 milhões de mortes em nome de Deus

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três