Pular para o conteúdo principal

Francisco sabia dos abusos do padre Rupnik. Por que não o puniu antes?

O padre é acusado de ser predator sexual há pelo menos 30 anos, e, no entanto, Francisco disse ter ficado surpreso com as denúncias


SIMCHA FISCHER
escritora e palestrante
America (revista de jesuítas)

Marko Rupnik, SJ, foi expulso dos jesuítas. Escrevi o suficiente sobre abuso sexual que comecei automaticamente a digitar “ex-padre Marko Rupnik caiu em desgraça”, mas adivinhem? Ele ainda é um padre (embora suas faculdades sejam limitadas), e tenho dificuldade em dizer que ele realmente caiu em desgraça, mesmo agora.

O padre Marko Rupnik é um predador sexual voraz que teria passado várias décadas manipulando e atormentando mulheres vulneráveis para que realizassem fantasias sexuais quase espirituais para sua satisfação.

Ele também é um artista sacro conhecido (suas figuras de olhos fundos assombram os missais em minha paróquia, bem como as paredes de igrejas e santuários proeminentes em todo o mundo) e, aparentemente, também é um sujeito carismático e encantador. 

Por mais de 30 anos, quase todas as vezes que uma das vítimas o denunciou, seus colegas e superiores, incluindo o papa, decidiram que mesmo quando ele precisasse ser disciplinado, ele não necessitou ser parado. O clericalismo é ruim, mas o padre Rupnik é diferente.

Uma investigação formal dos jesuítas confirmou que ele havia sido excomungado quando absolveu uma mulher de pecados sexuais que ele mesmo havia cometido contra ela. Mas mesmo enquanto sua excomunhão não foi resolvida, ele foi convidado a substituir como pregador do retiro quaresmal anual da Cúria Romana; mais tarde, sua obra foi escolhida como logotipo do Encontro Mundial das Famílias. 

Em janeiro de 2022, o papa se encontrou com ele em particular. Quando a excomunhão de Rupnik foi confirmada, essa sanção foi rapidamente suspensa, e quando Rupnik foi posteriormente acusado de crimes de décadas atrás, o Vaticano se recusou a renunciar ao estatuto de limitações.

Em janeiro deste ano, o papa Francisco, que seria próximo de Rupnik, chamou as acusações contra ele de "uma surpresa". Ele se esforçou para enfatizar que ele próprio não tinha nada a ver com este caso além de uma pequena decisão administrativa. Não foi culpa dele. Como ele poderia saber? O que ele poderia ter feito? Ele é apenas o papa. Ele só se encontrou com o homem. Como ele deveria ter certeza de que não continuaria abusando de mulheres?

Francisco e Rupnik
em encontro recente

Quando isso vai acabar? Quando chegará o dia em que não veremos uma manchete sobre a Igreja Católica relutantemente admitindo que passou as últimas décadas protegendo mais um predador e jogando ainda mais vítimas nas chamas? Quando isso vai parar?

Não sei a resposta para isso, mas sei quando não vai parar: não vai parar nesta geração de bispos, nomeados por Francisco, Bento XVI ou João Paulo II. Alguns deles são homens bons e decentes. Mas todos eles estão contaminados. E a purificação que deve acontecer na igreja não será concluída até que eles sejam substituídos.

Não tenho sede da morte de ninguém. Estou olhando para as Escrituras e estou vendo como a mão lenta de Deus trabalha.

Veja a história do Êxodo. Foi muito difícil para o povo escolhido de Deus ser libertado dos egípcios. O faraó finalmente libertou os hebreus sob grande pressão, com muitos falsos começos. Mas essa libertação marcou apenas o início de sua marcha em direção à liberdade. Primeiro eles passam 40 anos em um deserto estranhamente pequeno, vagando, montando acampamento e desmontando novamente, organizando-se e reorganizando-se, lutando, reconciliando-se, acusando-se mutuamente, tentando estabelecer algum tipo de nova ordem, tentando colocar Deus no controle, centro de sua nova vida, lutando, falhando, tentando novamente, sofrendo.

Repetidas vezes, o povo sente saudades do Egito. Eles passaram quase 400 anos implorando para serem libertados e, quando isso acontece, a transição para a liberdade acaba sendo difícil porque significa se purificar. Então eles querem voltar a ser como as coisas eram.

Faraó é o abuso e o clericalismo que o esconde. Os hebreus são a igreja. O deserto é onde estamos agora. Em certo sentido, fomos libertos das correntes do passado. Agora o escândalo de abuso sexual está aberto, e estamos claramente em uma fase diferente da história do que estávamos quando a resposta padrão a uma reclamação era: “Cala a boca, papai é um homem bom e santo e nunca faça isso; e além disso, você deve ter feito algo para causar isso em si mesmo; além disso, precisamos proteger a reputação da igreja”. As coisas são diferentes.

Mas posso dizer que ainda estamos no deserto porque Marko Rupnik ainda é padre. O papa Francisco, o autodeclarado inimigo do grande Faraó Clericalismo, conhecia Rupnik e sabia algo sobre o caso, mas não agiu para detê-lo ou proteger suas vítimas, e esperava que nada disso precisasse se tornar público, e foi há muito tempo atrás; não vamos fazer barulho.

Há uma perspectiva ainda pior: talvez o papa Francisco não tenha levantado a sobrancelha sobre este caso porque, em vez de ver Rupnik como um agressor, ele o viu como não tão incomum, apenas mais um padre que cometeu um deslize.

E é possível que o papa esteja ciente de muitos desses deslizes, e a imprensa ainda não os tenha notado, e tenha havido mais esforço para evitar o escândalo do que perguntar se alguém foi ferido por esses padres. 

Pode haver muitos padres exaltados que descobriram que um pouco de charme e um pouco de poder comprarão para você um fluxo interminável de vítimas e um muro interminável de proteção, e mesmo o papa - mesmo este papa - não vai virar a próxima pedra até alguém pergunta a ele sobre isso. E então ele vai dizer que está chocado, chocado ao descobrir que o abuso sexual está acontecendo aqui.

Sim, ainda estamos no deserto. Da última vez que escrevi sobre o papa e o escândalo de abuso sexual, vários leitores disseram que eu estava sendo injusto e que ele havia feito mudanças significativas na lei canônica e se encontrado com vítimas de abuso que dizem que suas palavras e presença foram curativas. Eles veem o papa Francisco como um novo tipo de líder que faz as coisas de maneira diferente, como uma espécie de figura de Moisés que tem coragem e obstinação para levar o povo de Deus em uma nova direção e nos guiar para onde precisamos ir.

Posso lembrá-lo de que Moisés também não conseguiu sair do deserto?

Moisés fazia parte daquela mesma geração que foi criada no Egito. Ele não ansiava por seus potes de carne como os simples hebreus, mas havia claramente algo dos velhos costumes dentro dele, algo que não poderia ser expurgado nem mesmo por 40 anos de sofrimento. Deus queria sua total confiança, e ele não podia ou não queria dar. Então Deus disse que não era adequado para conduzi-los à Terra Prometida. Aquele trabalho era para outra pessoa.

Acredito que seremos libertados desse horror. Tenho motivos para esperar que a igreja, tão amada por Cristo, seja algum dia purificada. Algum dia, quando formos liderados por alguém novo.

Simcha Fisher publica diariamente em simchafisher.com.

• Mosaicos de Aparecida são de padre acusado de abuso. A Igreja vai mantê-los?

• Acusado de abuso sexual, padre tem mosaico em todos os lugares

• Igreja Católica de Portugal ocultou abuso de 5.000 crianças

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

AdSense desmonetiza página do texto 'Ateísmo significa libertação do medo do sobrenatural'

Pastores do Malafaia têm salário de até R$ 20 mil, casa e carro

Pastores mais habilidosos  estão sendo disputados  pelas igrejas Silas Malafaia, 53, informou que o salário dos pastores de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo, vai de R$ 3.000, para iniciantes, a R$ 20.000, com benefícios que incluem casa mobiliada, escola para filhos e plano de saúde. Pastores com experiência têm direito a carro do ano. É a primeira vez que um líder religioso neopentecostal revelou o salário dos pastores. Na falta de maiores informações, os valores citados por Malafaia podem ser tomados como referência do mercado de salários dos pregadores da Bíblia. As perspectivas desses profissionais são as melhores possíveis, considerando que não precisam ter formação universitária. Um professor de ensino médio não ganha tanto, nem sequer um médico em início de carreira, por exemplo. “Mas é preciso saber ler a Bíblia, pregar, explicar”, disse Malafaia à jornalista Daniela Pinheiro, que escreveu para a revista Piauí de setembro reportagem sobre o pastor.

Em vídeo, Malafaia pede voto para Serra e critica Universal e Lula

Malafaia disse que Lula está fazendo papel de "cabo eleitoral ridículo" A seis dias das eleições, o pastor Silas Malafaia (foto), da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, gravou um vídeo de 8 minutos [ver abaixo] pedindo votos para o candidato à prefeitura de São Paulo José Serra (PSDB) e criticou a Igreja Universal e o ex-presidente José Inácio Lula da Silva. Malafaia começou criticando o preconceito que, segundo ele, existe contra pastor que emite opinião sobre política, o mesmo não ocorrendo com outros cidadãos, como operários, sindicalistas, médicos e filósofos. O que não pode, afirmou, é a Igreja, como instituição, se posicionar politicamente. “A Igreja é de Jesus.” Ele falou que tinha de se manifestar agora porque quem for para o segundo turno, se José Serra ou se Fernando Haddad, é quase certeza que será eleito, porque Celso Russomanno está caindo nas pesquisas por causa do apoio que tem recebido da Igreja Universal. Afirmou que apoia Serra na expectativa de

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

Padre explica seu vídeo sobre mulher apanha porque quer

O padre cantor Fábio de Melo tem tentado nos últimos dias, nas redes sociais, rebater as acusações de que é machista.

Eleição de Haddad significará vitória contra religião, diz Chaui

Marilena Chaui criticou o apoio de Malafaia a Serra A seis dias das eleições do segundo turno, a filósofa e professora Marilena Chaui (foto), da USP, disse ontem (23) que a eleição em São Paulo do petista Fernando Haddad representará a vitória da “política contra a religião”. Na pesquisa mais recente do Datafolha sobre intenção de votos, divulgada no dia 19, Haddad estava com 49% contra 32% do tucano José Serra. Ao participar de um encontro de professores pró-Haddad, Chaui afirmou que o poder vem da política, e não da “escolha divina” de governantes. Ela criticou o apoio do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus do Rio, a Serra. Malafaia tem feito campanha para o tucano pelo fato de o Haddad, quando esteve no Ministério da Educação, foi o mentor do frustrado programa escolar de combate à homofobia, o chamado kit gay. Na campanha do primeiro turno, Haddad criticou a intromissão de pastores na política-partidária, mas agora ele tem procurado obter o apoio dos religi

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão