Pular para o conteúdo principal

Acusado de abuso sexual, padre tem mosaico em todos os lugares

O maior mosaico de Marko Rupnik está no Santuário de Aparecida


GREG ERLANDSON
jornalista
Catholic News Service

Minha esposa tirou Cristo da parede da nossa sala no início deste ano. Era uma imagem de cartão postal de um mosaico criado pelo padre jesuíta Marko Rupnik. Ela não suportava tê-lo. Padre Rupnik é um artista extraordinariamente talentoso. Seus mosaicos adornam capelas e edifícios desde o Santuário Nacional de São João Paulo II em Washington até a Basílica de Nossa Senhora do Rosário em Lourdes, França. E até agora, a parede da nossa sala.

O padre Rupnik é “acusado de abuso espiritual, psicológico ou sexual por várias mulheres adultas ao longo de quase 40 anos”, de acordo com um relatório de Paulina Guzik no OSV News. 

Estilo de Rupnik
tem reconhecimento
internacional

Muitos dos casos envolviam mulheres sob sua direção espiritual. Três anos atrás, ele foi até brevemente excomungado por conceder absolvição a uma mulher consagrada com quem teve relações sexuais, embora a excomunhão tenha sido suspensa quando ele confessou e se arrependeu.

A Companhia de Jesus expulsou Rupnik da ordem “por recusa obstinada em observar o voto de obediência”.

As acusações são tão graves que o bispo responsável pelo Santuário de Nossa Senhora de Lourdes, que inclui a basílica, nomeou um grupo de reflexão para considerar se os imponentes mosaicos instalados na fachada da basílica inferior em 2008 devem ser removidos.

Há alguns meses, visitei Lourdes pela primeira vez e, quando vi os mosaicos, gemi alto. O estilo do padre Rupnik é imediatamente reconhecível, e meu primeiro pensamento foi que a arte seria para sempre manchada por seus crimes. 

Certamente, para quem foi abusado pelo padre Rupnik, mas também por pessoas que foram abusadas por outros padres ou líderes religiosos, a arte nunca seria apenas arte.

Picasso era um cretino misógino que levava amantes ao suicídio. Como olhamos para sua pintura “Guernica” agora? Woody Allen abandonou Mia Farrow por sua filha de 21 anos. Como olhamos para o seu filme “Manhattan”? E quanto a Roman Polanski? Jean Vanier? Bill Cosby? Theodore McCarrick? Marcial Maciel? Michael Jackson?

Na era do #Metoo e das biografias reveladoras, nos tornamos hábeis em contornar os desastres morais de vidas famosas, mas é muito menos fácil quando os escândalos envolvem alguém que admiramos, talvez até reverenciados.

Podemos ignorar as rotinas de comédia de Bill Cosby ou pular o último filme de Woody. Podemos tirar a foto da parede da sala. Mas arrancamos os mosaicos de uma igreja? Uma resposta pode ser simplesmente reconhecer que, uma vez concluída, a arte se mantém por conta própria, independentemente do mau comportamento de seu criador.

O correspondente do jornal William Shirer contou em suas memórias a época em que conheceu um bêbado F. Scott Fitzgerald, que havia sido um herói dele. Ele chamou de "uma noite bastante desiludida". No entanto, o tempo deu a ele uma perspectiva diferente. “Eu ainda não era adulto o suficiente para perceber, eu acho, que não importava o quanto um escritor pudesse se tornar um incômodo, especialmente quando bêbado. A única coisa que contava era o quão bem ele escrevia”, concluiu Shirer.

No entanto, quando se fala em abuso sexual, não em embriaguez, não é tão fácil separar o artista da arte. A outra perspectiva é dar tempo para fazer um julgamento mais duradouro.

Um dos artistas favoritos da minha esposa é Caravaggio. Sua arte também está em nossas paredes. Quando vivo, ele era um malandro e um gênio. Ele acabou matando um homem em uma briga de bar. Ele frequentava prostitutas, às vezes usando-as como modelos. No entanto, o tempo nos deu alguma distância, e sua arte é apreciada agora, até mesmo por papas. O único cuidado a acrescentar é que o último recurso seria destruir a arte.

Temos sorte que “A vocação de Mateus” de Caravaggio não foi destruído pelos pecados do artista. Se o padre Rupnik é culpado de abuso, ele deveria ser punido, mas talvez precisemos de mais tempo antes de condenar seus mosaicos também.

• Igreja Católica de Portugal ocultou abuso de 5.000 crianças

• Igreja Católica do Brasil tem menos pedófilos do que outras?

Comentários

Rodrigo Schmidt disse…
A arte sempre deve ser separada do artista, pois ela transcende e possui características e qualidades próprias. A arte interage com aquele que a observa e nos impacta, evocando emoções e despertando reflexões. Negar ou ignorar uma obra de arte com base na conduta do seu criador seria limitar nosso próprio acesso a experiências enriquecedoras e diversas.
Paulo Lopes disse…
Sim, a arte é separada do artista. Mas sempre? E se na arte houver um rosto inspirado em uma mulher que foi estuprado pelo artista?

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Morre o americano Daniel C. Dennett, filósofo e referência contemporânea do ateísmo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Britney Spears entra na lista de famosos que não acreditam em Deus

Oriente Médio não precisa de mais Deus. Precisa de mais ateus

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Vídeo mostra adolescente 'endemoninhado' no chão. É um culto em escola pública em Caxias

Ignorância, fé religiosa e "ciência" cristã se voltam contra o conhecimento

Prefeito de Sorocaba não acata Justiça e mantém Bíblia em escolas

TJs quase conseguiram que Michael Jackson destruísse Thriller antes do lançamento