Pular para o conteúdo principal

TJs quase conseguiram que Michael Jackson destruísse Thriller antes do lançamento

As Testemunhas de Jeová não gostaram de ver um de seus seguidores fantasiado de Lobisomem dançando com zumbis


O videoclipe Triller, de álbum de Michael Jackson (1958 – 2009), foi lançado no dia 30 de novembro de 1982, portanto há 40 anos, tornando-se ícone na história da música.

O álbum vendeu mais de 70 milhões, quebrando sucedidos recordes da indústria da música, impulsionando a carreira do cantor americano. A história poderia ser outra se o videoclipe foi destruído a pedido do próprio Michael.

O Express lembrou que o cantor, dias antes do lançamento do videoclip, pediu que os filmes do videoclipe fossem queimados porque ele temia ser dissociado (expulso) das Testemunhas de Jeová, sua religião.


Michael Jackson:
um zumbi com
medo das
Testemunhas
de Jeová

O jornal britânico resgatou o testemunho de John Branca, advogado do artista à época, segundo o qual Jackson ficou desesperado com a possível reação dos anciãos [pastores] da religião — um comportamento dele que, por ironia, poderia ter ajudado na inspiração do roteiro do curta de terror.

"Ele [Jackson] disse que as Testemunhas de Jeová ouviram que ele estava fazendo um vídeo de lobisomem. Disseram a ele que isso promovia a demonologia e que iriam excomungá-lo", contou Branca.

A igreja fundamentalista quis saber do artista por que ele, no clip, ele aparecia fantasiado de lobisomem, dançando entre zumbis.

Jackson teve uma crise de depressão. Fico alguns dias trancado em um quarto sem comer nada. Amigos e funcionários dele arrombaram a porta, encontrando-o debilitado.

As gravações do Triller não foram destruídas porque John Landis, o produtor, se recusou a atender ao astro. Por alguns dias, as fitas ficaram guardadas em um cofre. Com o tempo, Jackson teve de admitir que a decisão de Landis correta.

Até hoje não se sabe por que as Testemunhas de Jeová não expulsaram o artista. Há a especulação de que a igreja teria recebido milhões de dólares.



> Com informação do Express e de outras fontes.

Comentários

Celso disse…
Você é tendencioso e parcial
AspenBH disse…
Jackson era um perfeito idiota, manipulado por essa corja cristã. Pobre moço.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão