Pular para o conteúdo principal

Saiba por que o cristianismo desistiu da circuncisão

A retirada do prepúcio está ligada às religiões há milhares de anos

BBC NEWS

No oitavo dia de nascimento, como todo homem judeu, Jesus foi circuncidado.  Mas esta prática foi abandonada pelos seus seguidores, diferentemente de outros rituais que o judaísmo e o cristianismo mantêm e ainda partilham, como a oração conjunta nos templos ou a celebração em datas semelhantes do Natal e do Hanukkah ou da Páscoa e do Pesach.

E a resposta de por que os cristãos não retiram o prepúcio (camada de pele que cobre a cabeça do pênis) dos bebês está na Bíblia.

Segundo o Novo Testamento, a ruptura entre o judaísmo e o cristianismo no que se refere à circuncisão ocorreu por volta do ano 50 e teve como protagonistas São Paulo e São Pedro, que tiveram uma forte discussão sobre o assunto.

"Foi o primeiro conflito institucional da Igreja", explica Miguel Pastorino, professor de filosofia da religião e antropologia filosófica da Universidade Católica do Uruguai, bacharel em teologia, doutor em filosofia e ex-padre, à BBC News Mundo, serviço de notícias em espanhol da BBC.

São Paulo — que naquela época não era santo, mas apenas Paulo de Tarso — passou de fariseu, ou seja, fervoroso defensor da Lei de Moisés que perseguia os discípulos de Jesus, a ser o mais entusiasta na propagação da palavra do messias em todo o mundo, diz a Bíblia.

Paulo de Tarso era, como Pedro da Galileia, Jesus de Nazaré e os outros apóstolos, um judeu. Juntos, eles formavam o grupo de cristãos judeus e, como tal, eram circuncidados.

A religião judaica era a única monoteísta até então. Os gregos, romanos e egípcios acreditavam em várias divindades.

Para o povo judeu, Elokim (Deus) havia dito a Abraão: "Este é o meu pacto que você deve manter, entre você, eu e sua posteridade: todo homem entre vocês deve ser circuncidado".

Além dos judeus, os muçulmanos — que acreditam no profeta Abraão — continuaram essa prática até hoje.

Embora não seja mencionada no Alcorão, a circuncisão aparece nos hadiths (registros escritos de comunicações orais do Profeta Maomé).

Circuncisão na história


A remoção do prepúcio, que envolve a retirada da pele do pênis que cobre a glande, é uma prática que não começou com a religião, mas muito antes.

É o procedimento cirúrgico mais antigo do mundo e, embora não esteja totalmente claro, acredita-se que tenha se originado no Egito há cerca de 15 mil anos, segundo o livro An Illustrated Guide to Pediatric Urology ("Um guia ilustrado para urologia pediátrica", em tradução livre), do cirurgião pediátrico e acadêmico Ahmed al Salem.

Al Salem explica que muitas culturas incorporaram a circuncisão por razões que vão desde a higiene até os rituais de maioridade, oferecendo cerimônias aos deuses ou como marcas de identidade cultural.

"A religião mandava em tudo, desde nas práticas higiênicas até na alimentação, no sexo, na política. Os sistemas religiosos nascem conjuntamente como tudo nasce na cultura, e antigamente eram difíceis de separar. Quando tiveram de legislar sobre algumas práticas de higiene na época, a religião teve um papel fundamental nisso. Porque a lei era a lei de Deus, não havia outra", explica Pastorino.

Essa visão contém nuances, embora não seja negada, no judaísmo.

"Há quem diga que, além do conceito religioso, sua utilidade sanitária e higiênica gerou maior adesão a essa prática, sem podermos determinar se a origem foi higiênica e sanitária e depois houve um acordo sobre a divinização ou religiosidade do evento, ou vice-versa. Mas há uma conjunção inegável entre a prática da circuncisão e saúde e higiene", diz o rabino Daniel Dolinsky.

Nos tempos antigos, os sumérios e semitas também circuncidavam os homens.

Maias e astecas também adotavam a prática, segundo relatório publicado em 2007 pelo programa UNAIDS das Nações Unidas.

Embora difundida, a circuncisão não era universalmente aceita.

Para os antigos gregos, que exercitavam seus corpos e adoravam a nudez masculina, o prepúcio era um símbolo de beleza, e a circuncisão era desaprovada.

"A preferência estética pelo prepúcio mais longo e cônico é reflexo de um ethos mais profundo envolvendo identidade cultural, moralidade, propriedade, virtude, beleza e saúde", escreveu o historiador Frederick M. Hodges, especializado em história da medicina, em um artigo de 2001.

"Entre a população judaica, a dificuldade em manter a prática da circuncisão se tornou um problema particular durante o Período Helenístico, devido à influência da cultura helenística sobre os judeus que desejavam assimilar a cultura dominante", diz Cynthia Long Westfall, professora de Novo Testamento no McMaster Divinity College, no Canadá, em seu livro Paul and Gender ("Paulo e Gênero", em tradução livre).

"Além disso, houve um período em que a circuncisão era ilegal: Antíoco Epifânio havia ordenado aos habitantes da Judeia que não circuncidassem mais seus meninos. Consequentemente, alguns judeus tentaram esconder sua circuncisão", acrescenta.

O confronto de São Paulo com São Pedro


Diferentemente de como funcionava o judaísmo, que não buscava converter ninguém à sua religião, Jesus pediu a seus discípulos que divulgassem seus ensinamentos o mais longe possível.

Paulo de Tarso, que provavelmente chegou a Jerusalém na adolescência ou no início da idade adulta e passou a infância rodeado de gregos, foi o principal promotor da evangelização após a crucificação de Jesus.

Ele viajou pelo que hoje é Israel, Líbano, Síria, Turquia, Grécia e Egito, territórios que faziam parte do império de Alexandre, o Grande, espalhando a mensagem de Jesus sobretudo entre aqueles que chamavam de "gentios", termo que designava não-judeus.

Os não-judeus viam a circuncisão como uma mutilação genital comparável à castração, diz Long Westfall.

"Por isso, a circuncisão tinha um estigma no mundo greco-romano, e era um processo muito doloroso para um homem adulto."

Em sua pregação, Paulo disse a eles que não deveriam ser circuncidados; o apóstolo pregou que a única coisa necessária para a salvação de Deus era a fé.

"Esta é a norma que estabeleço em todas as igrejas. Alguém foi chamado sendo já circuncidado? Não esconda a sua condição. Alguém foi chamado sem ser circuncidado? Não seja circuncidado. Não vale de nada ser circuncidado ou não; importa é cumprir os mandamentos de Deus", escreveu ele em sua primeira carta aos coríntios.

"Paulo era um judeu de Tarso, era cidadão romano, tinha cultura grega, era um cara muito culto e dominava as três culturas — a hebraica, a grega e a romana — e sabia traduzi-las", diz Pastorino.

"Cristo nos resgatou da maldição da Lei", disse Paulo em sua carta aos gálatas, se referindo à Lei de Moisés, que incluía a circuncisão.

Mas sua posição não foi aceita pelos outros apóstolos.

Na carta a Tito incluída na Bíblia cristã, Paulo narrou esse confronto. "Existem muitos rebeldes, charlatães e enganadores, especialmente aqueles que apoiam a circuncisão. É preciso calar suas bocas", ele escreveu.

Acredita-se que a circuncisão
tenha sido realizada pela
primeira vez no Egito

Circuncisão em números

- 33% da população masculina do mundo com mais de 15 anos é circuncidada;
- 6,3 em cada 10 homens circuncidados são muçulmanos;
- 0,7 de 10 homens circuncidados são judeus;
- 1,2 em cada 10 homens circuncidados são americanos que não são judeus nem muçulmanos.
Fonte: UNAIDS

Na Epístola aos Gálatas, Paulo contou sobre a briga que teve com Pedro um dia em Antioquia, cidade da atual Turquia onde se formou uma grande comunidade de seguidores de Jesus.

Segundo sua versão, Pedro costumava fazer refeições com os gentios, mas quando um grupo de enviados de Santiago chegou à cidade, ele começou a se separar deles "por medo dos partidários da circuncisão".

"Eu o culpei por seu comportamento repreensível", disse ele aos gálatas.

"Eu disse a Pedro na frente de todos: 'Se você, que é judeu, vive como se não fosse, por que força os gentios a praticar o judaísmo?'"

O momento da reconciliação

Segundo o relato do Novo Testamento, alguns dos judeus cristãos mais apegados à tradição e à Lei de Moisés viajaram para Antioquia e disseram aos gentios que se aproximavam daquele cristianismo primitivo que, se eles não fossem circuncidados, não obteriam a salvação.

É por isso que Paulo voltou a Jerusalém e uma reunião de apóstolos foi convocada para resolver a questão. Foi o chamado Concílio de Jerusalém.

Lá, Paulo falou sobre o grande número de fiéis que conquistou fora da Judeia e sua visão prevaleceu.

Aquele que originalmente foi contra, mas depois apoiou, foi o apóstolo Tiago que disse: "Devemos parar de impedir que os gentios se voltem para Deus".

E Pedro também cedeu. "Por que agora eles estão tentando provocar Deus colocando um jugo no pescoço daqueles discípulos que nem nós nem nossos ancestrais poderíamos suportar? Não pode ser!"

O conflito termina também com um pacto entre os apóstolos: Paulo fica com a pregação entre os pagãos, e Pedro e Tiago ficam atendendo aos judeus, explica Pastorino.

Os apóstolos, segundo o relato bíblico, enviaram então uma carta aos não-judeus de Antioquia, Síria e Cilícia na qual diziam a eles que haviam tomado a decisão de não impor "nenhum fardo sobre eles, exceto os seguintes requisitos: abster-se do que é sacrificado aos ídolos, sangue, carne de animais estrangulados e imoralidade sexual".

Quando a carta chegou a Antioquia, os crentes a leram e celebraram; eles não precisariam ser circuncidados.

"Paulo foi um verdadeiro defensor do homem gentio e removeu um sério obstáculo à propagação do evangelho", observa Long Westfall.

Com o passar dos anos, a linha dura que se limitava aos que já eram judeus deixou de existir.

Cristãos circuncidados


Apesar da abolição dessa prática pelo cristianismo, existem divisões na África que têm a circuncisão como rito: o cristianismo copta no Egito, o cristianismo ortodoxo na Etiópia e a Igreja Nomiya no Quênia são alguns exemplos.

E embora não seja por motivos religiosos, cinco países do mundo com cultura cristã tiveram ou têm a maioria de sua população masculina circuncidada.

Um deles é os Estados Unidos. Em 1870, o médico Lewis Sayre, um dos fundadores da Associação Médica Americana, começou a praticá-la para prevenir e curar certas doenças.

Suas publicações científicas, além de sua promoção da circuncisão, tornaram a prática universal para quase todos os recém-nascidos, diz Al Salem.

E dos Estados Unidos saltou para o Canadá e o Reino Unido, onde aconteceu o mesmo, e depois para a Austrália e a Nova Zelândia.

Divergências científicas sobre os riscos e benefícios da retirada do prepúcio fizeram com que a circuncisão deixasse de ser praticada por prevenção em recém-nascidos, exceto nos Estados Unidos, onde a maioria dos homens tem até hoje a glande descoberta.


Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Capela em centro espacial é absurdo, afirma estudante

do leitor Sérgio "Este prédio da capela poderia abrigar um bom laboratório" Sou físico e aluno de doutorado do INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] em São José dos Campos (SP) e gostaria de fazer um breve comentário. Há 5 anos, quando ingressei no mestrado no instituto, fique fascinado com a estrutura física/financeira oferecida ao desenvolvimento da pesquisa. Sinceramente não tenho do que me queixar, mas uma coisa  chama muito atenção (não só a minha, claro). É que dentro do INPE (um centro de pesquisa principalmente física), acreditem, tem uma capela para oração. No local que é considerado o maior centro de pesquisa tecnológica da America Latina (a Nasa brasileira, como muitos dizem) existe tal absurdo. Esse prédio poderia, por exemplo, abrigar um bom laboratório ou coisa mais útil. O INPE (englobando todas as áreas – astrofísica, meteorologia, sensoriamento, engenharia de materiais, etc.) é formado por pesquisadores/cientistas de várias partes do mu

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Empresa avisou que as instituições preconceituosas não terão subsídios  Um grupo inglês de escoteiros rejeitou a filiação de George Pratt, 11, porque ele, ateu, disse que, no juramento de lealdade, não podia declarar obediência a Deus. Trata-se de um juramento padrão, seguido por escoteiros de todo o mundo. Nos Estados Unidos, a partir de agora, os grupos de escoteiros que discriminam ateus e gays deixarão de receber ajuda financeira do programa de voluntariado da Intel. A fabricante de chips informou aos grupos de escoteiros, entre outras entidades, que adotou uma nova política de não conceder ajuda a quem promove de discriminação. Chuck Mulloy, porta-voz da Intel, disse que as instituições, para receber subsídios, terão de assinar um documento declarando estar de acordo com as políticas de não discriminação da empresa. A decisão afeta principalmente os escoteiros de Oregon, onde a Intel tem uma fábrica. Somente em 2010, as doações foram de US$ 180.000 (R$ 360.000). Matt

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Família esperou por três dias, mas Neide não ressuscitou; corpo foi sepultado cheirando mal