Pular para o conteúdo principal

Ciência e religião são incompatíveis, diz estudo do Reino Unido

Encomendada por entidades associadas a religiões, a pesquisa foi realizada com entrevista de acadêmicos e comunicadores científicos

A maioria (57%) da população do Reino Unido acredita que ciência e religião são incompatíveis entre si, contra os 30% daqueles para os quais não há divergências. Essa relação muda quando a comparação é feita entre ciência (50%) e uma religião específica, o cristianismo (36%).

É o que apurou uma pesquisa do instituto YouGov encomendada por Think Tank Theos e The Faraday, com financiamento do Templeton Religion Trust, um fundo de apoio a projetos de estudos e caridade. As três últimas entidades estão associadas a religiões.

A concepção e realização da pesquisa 'Ciência e Religião: Afastando-se da superfície" demandaram três anos, terminando em 2019, com o propósito de um aprofundamento na questão. Para tanto, foram entrevistados 5.153 acadêmicos e comunicadores científicos.

Os homens se mostraram mais propensos que as mulheres pela incompatibilidade entre ciência e religião, com 60% contra 55%.

A diferença é ainda maior em relação a dois grupos, brancos (68%) e étnicos não brancos (48%).

Teoria da 
evolução
desequilibra
debate em
favor da
ciência

Do total dos entrevistados, 46% concordam que “todas as religiões contêm algum elemento de verdade”; 49% que “os humanos são, no fundo, seres espirituais”; e 64% que “há algumas coisas que a ciência nunca conseguirá explicar”.

Relatório da própria pesquisa relativiza os resultados com a afirmação de que "'ciência' é 'religião' são categorias vastas, extensas e mal definidas, ambas altamente relevantes para a questão de como vivemos nossas vidas juntos”.

Autores do relatório reconhecem haver tensões e conflitos entre as duas áreas, mas isso, segundo eles, geralmente ocorre de "forma superficial". Isto porque, segundo eles, o debate tem ocorrido por meio de "lentes estreitas", com a teoria da evolução, big bang e neurociência. Assim, acrescentam, o público acaba tendo dificuldade para localizar e explicar a essência da questão.

Contudo, para observadores independentes, a explicação é simples: o resultado da pesquisa reflete o avanço da secularização da sociedade do Reino Unido.

> Com informação do Theos e de outras fontes.

• Não há como conciliar ciência com religião, afirma Hawking

• Físico afirma que ciência pode provar a inexistência de Deus



Comentários

betoquintas disse…
Enquete pública não é aceitável. Consiste na falácia ad populi. Lógica, razão e argumento não podem ser baseados na opinião da audiência como faz o BBB. A ideia de que ciência e religião são incompatíveis surgiu no século XVIII e foi descartada no século XX. Voltar com essa ideia é desonesto e irracional.
A base da ciência é justamente a dúvida, o questionamento, inclusive em relação à própria ciência; já a base da religião é a fé cega, a aceitação dogmática. Óbvio que sempre foram imiscíveis.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m