Pular para o conteúdo principal

Não há como conciliar ciência com religião, afirma Hawking


Físico afirma que
o processo científico
e a razão funcionam

Aos 21 anos, o físico e cosmólogo Stephen Hawking (na ilustração) recebeu a pior notícia de sua vida: os médicos diagnosticaram que ele era portador de uma rara doença degenerativa, uma atípica esclerose lateral amiotrófica, o que o deixou sem fala e imobilizou gradualmente todo o seu corpo.

Pessoas com essa doença morrem em média 14 meses após o diagnóstico. No entanto, o físico, que “fala” por intermédio de um computador, ultrapassou os 70 anos de vida. Para ele, não se trata de milagre. Hawking é ateu.

Stephen William Hawking nasceu no dia 8 de janeiro de 1942 em Oxford, na Grã-Bretanha. Divorciado, casou-se duas vezes. Tem três filhos.


É o mais famoso físico da atualidade. É teórico da termodinâmica, mecânica quântica e relatividade. Em 1974, ele chamou a atenção da comunidade científica ao defender haver um vínculo entre a gravidade e a teoria quântica.

É um divulgador da ciência e cosmologia. Escreveu vários livros — o mais conhecido deles é “Uma Breve História do Tempo: do Big Bang aos Buracos Negros”, que, lançado em 1988, vendeu milhões de exemplares. O livro foi best-seller também no Brasil.

Ele tem participado de programas na TV e aparecido em séries como “Star Trek” e “Os Simpsons”.

Em alguns de seus livros, Hawking faz referência a “Deus”, mas, “metaforicamente”, explica.

Para ele, a ciência e religião estão em confronto entre si. E o que vencerá é o conhecimento científico porque se baseia na observação e na razão, e, por isso, funciona. Já a religião, disse, tem como base a autoridade.

Disse em uma entrevista que a vida após a morte é um conto de fada e é para “quem tem medo de escuro”.




Miguel Nicolelis afirma que Deus não crê nele e nem ele em Deus

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m