Pular para o conteúdo principal

Meu último abraço no PG. Ele deixou como legado exemplos de solidariedade

Bom marido, pai e avó, ele encontrou tempo para se dedicar à comunidade


PAULO LOPES | memórias
jornalista

Tinha nome inesperado e solene, de filósofo grego, que não combinava com a figura dócil e acessível que era. E então, desde jovem, Protógenes Guimarães se tornou o PG, e assim era chamado por todos — parentes, amigos, advogados, juízes, bancários, frentistas.

Alguns chamavam-no de "senhor PG", mas não fazia questão de tal tratamento. Entre ele e as pessoas, qualquer uma, não havia nenhum prenome que dificultasse a comunicação.

Com fala mansa, contava piadas e causos e, claro, criticava o governo de plantão. Era boa pessoa, mas mantinha acesa a chama da indignação. Sabia ouvir as pessoas. Tinha algumas idiossincrasias, como dizer que tudo que comprava era o mais em conta do mercado — e os mais próximos se divertiam com isso. 

— Por que comprou este mouse sem falar comigo?  Eu sei onde tem mais barato.

Convivi com PG por mais de 40 anos — ele era tio de minha mulher e me chamava de Paulinho. Eu sempre me surpreendia com a bondade que lhe brotava naturalmente, transbordando para quem estivesse por perto ou o procurasse.

Assumia tarefas e favores sem interesse, sem expectativa de receber algo de volta. A família dizia que algumas pessoas se aproveitavam de sua bondade, sem que ele desse conta disso. 

Era habilidoso com as mãos e o raciocínio. Trabalhou na aviação (participou da transmissão ao vivo da inauguração de Brasília durante o voo de um Douglas DC-3), foi empresário bem sucedido e posteriormente se formou em direito. Gostava de tecnologia, desde a mecânica à informática. Foi usuário de computador, destacando-se entre as pessoas de sua geração.

PG ia à missa ocasionalmente, mas nunca disse que rezaria por uma pessoa — ele agia. Telefonava para alguém que conhecia um médico que podia ajudar um paciente. Ajudava as pessoas a encontrarem emprego. Advogava para quem não podia pagar honorários. Rebocava carro quebrado de conhecidos. Emprestava seu carro. Consertava o chuveiro do vizinho. Ajudava funcionários. Presidiu clubes do Rotary e a associação do bairro, promovendo campanhas de fraternidade. Foi conciliador da Justiça de pequenas causas e socorria pessoas detidas na delegacia. Contribuiu com entidades filantrópicas.

A natureza
do PG era a
solidariedade

Uma vez comentei com PG que estava sendo processado por um líder religioso de Cananeia devido ao comentário de um leitor anônimo em meu site.

PG assumiu o caso e no mesmo instante me levou a Cananeia, no litoral de São Paulo, em seu carro, para pegar uma cópia do processo, percorrendo na ida e volta o total de 500 km. E ele já não era moço. Passou a acompanhar a tramitação do processo e me avisar de novas intimações.

Abraçava grandes e pequenas causas.

Bem antes de a defesa da natureza virar moda, PG se opôs ao avanço da especulação imobiliária sobre a Mata Atlântica na região onde morava. Recorreu à Justiça para que construtoras criassem reservas biológicas. Mobilizou muita gente, acionou autoridades e se tornou persona non grata de empresários.

Nos anos 90, ele e seu irmão Rômulo arregimentaram apoio contra a campanha de moradores para o que bairro virasse um município, de modo a tirar o total proveito da alta arrecadação de impostos do local.

Os irmãos argumentaram com a população que os impostos do seu bairro deveriam beneficiar sobretudo os mais pobres de outros locais da cidade. E a campanha dos separatistas naufragou.

Ele envolvia as pessoas de seu entorno em suas campanhas. Me requisitou algumas vezes para redigir e divulgar manifestos. Era catalisador. Cortejado por políticos, nunca quis se candidatar a qualquer coisa. Se o fizesse, se elegeria com facilidade. 

Visitei o PG no hospital três dias antes de seu falecimento — estava sedado, inconsciente. Um ano e meio antes, Dina, sua mulher, havia morrido.

Diante dele, refleti sobre algumas coisas, sobre, por exemplo, como algumas pessoas, com o PG, conseguem com a solidariedade dar significado a sua vida.

Antes de sair do quarto do hospital, dei meu última abraço no PG e agradeci: "Muito obrigado por tudo".

Com foto de arquivo pessoal. 

• Eu precisava de sangue, não de oração

• O dia em que comecei a desacreditar em Deus

• Pela primeira vez fui a um casamento sem Deus

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional