Pular para o conteúdo principal

Lupa identifica pastores que participaram de ato golpista

Agência comprovou a identidade de líderes evangélicos que foram a Brasília para depredar a praça dos Três Poderes

Dia 8 de janeiro, como todo domingo, houve no Brasil afora missas e cultos, nos quais sacerdotes pregam a fiéis paz entre os homens. Mas pastores estavam neste dia em Brasília depredando edifícios da Praça dos Três Poderes, causando danos ao patrimônio público e à democracia.

Entre os 1.398 vândalos golpistas presos pela Polícia Federal naquele dia estavam pelo menos cinco pastores. Certamente foram eles que puxaram orações da turba, entre o estilhaço de uma vidraça e as depredações de obras históricas e de arte.

A Lupa, agência de checagem de informação, consultou a CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) e a rede social, identificando esses religiosos. São eles:

1 — Frascismar Aparecido da Silva, 46

É o "pastor presidente" da Igreja Ministério Evangelístico Apascentar, em Itajubá (MG). Na rede social, ele prega o confronto. "Se não tiver luta, como vai ter vitória?", incitou no Facebook. A "vitória", no caso, seria um golpe bolsonarista. Na invasão ao Palácio do Planalto, ele segurou a foto de Bolsonaro arrancada da galeria de presidentes e afirmou: “Meu herói. Estamos na casa dele aqui, na nossa casa".

2 — João Marciano de Oliveira, 47

É o pastor da Igreja Jesus Cristo é a Razão do Meu Viver, de Ribeirão das Neves (MG). Ele segue o figurino dos extremistas bolsonaristas: elogia o mito na rede social e prega "limpeza do STF".

3 — Donizete Paulino da Paz, 56

É pastor da Igreja Assembleia de Deus — Ministério O Deus das Nações, de Luziânia (GO). Ele se expõe pouco na rede social.

4 — Jorge Luiz dos Santos, 57

É presidente da Igreja Evangélica Amor de Deus João 3:16, fundada em julho de 2016 em Itaverava (MG). O nome da igreja faz referência a este trecho bíblico: "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna".

5 — Felicio Quitito

Usa o título de "missionário' e é de Venda Nova do Imigrante, no Espírito Santo. Na invasão ao Congresso, ele se sentou em uma poltrona e gravou: "É isso aí, Jair Messias Bolsonaro, você vai estar voltando para esta nação e continuará o seu governo".


Na estimativa da Lupa, participaram do vandalismo em Brasília 13 pastores, mas a contagem final poderá ser maior. Nas denúncias e vídeos que tem recebido, aparecem o pastor Luciano Cesa e a pastora Marta Nunes.


Com informação da Agência Lup, Estadão, Twitter e outras fontes. 

• Documento começa a expor os bastidores golpistas de Bolsonaro

• Pastor bolsonarista confirma que falou em pegar em armas

• E agora, manés e brucutus? Que sombra os acolherá?



Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Sam Harris: não é Israel que explica as inclinações genocidas do Hamas. É a doutrina islâmica

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios