Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro bancou seus gastos em Marchas para Jesus com cartão corporativo

Quase R$ 80 mil foram gastos no dia da Marcha para Jesus em SP; padaria recebeu R$ 18 mil por 712 lanches, em dia de encontro com pastores

MARIAMA CORREIA | Agência Público
jornalista

O cartão corporativo de pagamentos da presidência bancou encontros do ex-presidente Jair Bolsonaro com pastores e a participação dele em eventos para o segmento evangélico, como a Marcha para Jesus. 

Durante os quatro anos de governo, pelo menos R$ 181 mil reais foram gastos com hospedagens, fornecimento de alimentação, combustíveis e locação de bens e equipamentos, nos mesmos locais e datas das agendas religiosas do ex-presidente. Os dados foram obtidos pela Agência Pública via Lei de Acesso à Informação (LAI).

Ao longo de seu mandato, Bolsonaro usou as Marchas para Jesus como palanque político. Em 2019, ele se tornou o primeiro presidente a participar do mega evento, que arrasta multidões pelas ruas, ao som de trios elétricos e bandas gospel. 

Naquele ano, Bolsonaro subiu ao palco em São Paulo ao lado dos criadores da marcha, o apóstolo Estevam e a Bispa Sônia Hernandes, da Igreja Renascer em Cristo. Ele discursou para as mais de três milhões de pessoas presentes, conforme a organização.

Naquele dia, o cartão corporativo registrou mais de R$ 28 mil em gastos apenas na Lanchonete Tony e Thais Ltda., no Planalto Paulista. Foram quatro compras realizadas em 20 de junho de 2019 nos valores de R$ 9 mil; R$ 8,22 mil; R$ 6 mil e R$ 4,8 mil. 

Bolsonaro com os pastores
Estevam Hernandes e sua
mulher, Sônia, e Marco Feliciano

A reportagem não conseguiu contato com o estabelecimento para detalhar os valores. No ano passado, a mesma lanchonete recebeu R$ 62,2 mil via cartão corporativo da presidência, em dia de motociata. Ao longo do governo Bolsonaro, os pagamentos no cartão corporativo para o estabelecimento somam R$ 626 mil.

A mesma cena se repetiu em julho de 2022 quando, já em pré-campanha pela reeleição, Bolsonaro subiu ao trio elétrico dos Hernandes na volta da Marcha para Jesus às ruas de São Paulo, em 2022, depois de um hiato de dois anos devido à pandemia. 

Ele aproveitou o palanque para reforçar suas bandeiras de campanha: “Nós temos uma posição: somos contra o aborto, somos contra a ideologia de gênero, a liberação das drogas, somos defensores da família brasileira. Nós somos a maioria no país. A maioria do bem. E nessa guerra do bem contra o mal, o bem vencerá mais uma vez”, disse.

 
 • O deus evangélico agora terá de respeitar a Constituição?    

Bolsonaro participou de pelo menos sete Marchas para Jesus em 2022, em vários estados brasileiros. Com participação de políticos e discursos, esses eventos funcionaram como comícios, passando ao largo das regras impostas pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Há ainda outros registros de gastos no cartão corporativo da presidência que coincidem com agendas religiosas oficiais de Bolsonaro. No dia 18 de outubro de 2021 ele esteve em uma cerimônia pelo centenário da Convenção Interestadual de Ministros e Igrejas Evangélicas Assembleias de Deus no Estado do Pará (Comieadepa), em Ananindeua, região metropolitana de Belém, que reuniu pastores de todo o Brasil. A Assembleia de Deus é a maior denominação pentecostal do mundo.

Entre 17 e 18 de outubro de 2021, há três gastos registrados no cartão corporativo, referentes a hospedagem e fornecimento de alimentação, no total de R$ 51,4 mil. A Panificadora Umarizal, no centro de Belém, recebeu R$ 18,5 mil no dia 17. Um funcionário da padaria informou que a presidência encomendou 712 kits de lanches, ao custo de R$ 26 cada. Cada kit continha dois sanduíches, refrigerante, água, barrinha de cereal e uma maçã. “Parte da encomenda foi entregue na Base Aérea de Belém, outra parte no Segundo Batalhão de Infantaria”, disse o funcionário, em condição de sigilo.
Bolsonaro durante
discurso na 27ª edição da
Marcha para Jesus de 2019

Um dia depois do primeiro contato com a reportagem, questionado sobre quem fez a encomenda, o mesmo funcionário informou que a pessoa responsável pela compra ligou para o estabelecimento e orientou a equipe a não fornecer mais detalhes sobre a compra. “Disseram que depois que os dados do cartão corporativo foram liberados, começaram a sair informações distorcidas. Pediram para não falarmos mais com a imprensa.” O funcionário não disse o nome, nem o cargo da pessoa que teria dado essa orientação.

No dia 27 de outubro, o ex-presidente esteve em um evento com pastores, no Centro de Convenções Vasco Vasques, Zona Oeste de Manaus (AM). Dois gastos, no total de R$ 51 mil, foram registrados nesta data: R$ 38,8 mil em hospedagem no Atlantica Hotels Internacional Brasil de Manaus e R$ 12,2 mil na Panificadora e Confeitaria Serpan. A reportagem contatou os estabelecimentos, mas eles não forneceram informações sobre os serviços prestados até a publicação.

Gastos do cartão corporativo podem ser maiores

 
Os dados de pagamentos do cartão corporativo da gestão de Jair Bolsonaro (PL) podem ser ainda maiores. Isso porque, apenas no ano passado, no Portal da Transparência, há registros de R$ 14 milhões em pagamentos considerados sigilosos pela Secretaria Especial de Administração da Presidência.

As informações divulgadas na semana passada, contudo, informam ao todo R$ 4,9 milhões de gastos em todo o ano de 2022. Há, portanto, valores que são informados como sigilosos no Portal da Transparência, que ainda não constam na lista de gastos divulgados pelo governo federal.

A reportagem da Pública enviou pedidos de esclarecimentos e entrou com recurso no sistema de acesso à informação. Desde o último dia 12, quando os dados foram divulgados pela presidência, solicitamos a atualização dos dados e uma explicação dos motivos pelos quais há informações incompletas, tanto para a Secretaria de Comunicação (Secom) quanto para a Presidência da República, via Lei de Acesso à informação (LAI). Ainda aguardamos respostas.

Bianca Muniz e Bruno Fonseca colaboraram com o levantamento de informações.


Essa reportagem foi publicada originalmente na Agência Pública com o título Cartão corporativo de Bolsonaro bancou eventos com pastores e gastos em Marchas para Jesus 

• Lupa identifica pastores que participaram de ato golpista

• Megafone de Bolsonaro, o pastor das trevas divulga fake news e continua impune

• Pastor bolsonarista confirma que falou em pegar em armas



Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia

Arianne disse ter pedido outra com chance, mas a escola negou com atualização Arianne Pacheco Rodrigues (foto), 19, está acusando o Instituto Adventista Brasil Central — uma escola interna em Planalmira (GO) — de tê-la expulsada em novembro de 2010 por motivo homofóbico. Marilda Pacheco, a mãe da estudante, está processando a escola com o pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais. A primeira audiência na Justiça ocorreu na semana passada. A jovem contou que a punição foi decidida por uma comissão disciplinar que analisou a troca de cartas entre ela e outra garota, sua namorada na época. Na ata da reunião da comissão consta que a causa da expulsão das duas alunas foi “postura homossexual reincidente”. O pastor  Weslei Zukowski (na foto abaixo), diretor da escola, negou ter havido homofobia e disse que a expulsão ocorreu em consequência de “intimidade sexual” (contato físico), o que, disse, é expressamente proibido pelo regulamento do estabelecimento. Consel

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

MPF recorre no Rio à Justiça para permitir a ‘cura’ de homossexuais

O MPF (Ministério Público Federal) no Rio deu entrada na Justiça a uma ação civil pública para anular a resolução do CFP (Conselho Federal de Psicologia) que proíbe os profissionais de prometer “cura” da homossexualidade porque se trata de uma orientação sexual, e não de um transtorno. A iniciativa do MPF coincide com o esforço que lideranças evangélicas, incluindo seus representantes na Câmara dos Deputados, estão fazendo para derrubar essa resolução do conselho. Fábio Aragão, um dos três procuradores que assinam a ação, é evangélico. Para o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), isso demonstra que o Ministério Público está sendo instrumentalizado pela crença pessoal de um de seus integrantes. “Isso é um erro grave, porque a Justiça deve ser laica”, disse o deputado. “Retomar a discussão sobre a homossexualidade ser ou não uma doença é um absurdo do mesmo tipo que seria retomar a discussão sobre se o sol gira em torno da terra.” Carlos Tufvesson, estilista engajado no movimento de

Prefeito de São Paulo veta a lei que criou o Dia do Orgulho Heterossexual

Kassab inicialmente disse que lei não era homofóbica O prefeito Gilberto Kassab (PSD), na foto,  disse que vai vetar o projeto de lei aprovado pela Câmara Municipal de São Paulo que aprovou o Dia do Orgulho Heterossexual. Trata-se de um recuo porque, na época da aprovação do projeto, ele disse que a nova data não tinha caráter homofóbico. Agora, Kassab disse que se trata de uma medida “despropositada”, conforme entrevista que deu ao jornal Agora São Paulo. "O heterossexual é maioria, não é vítima de violência, não sofre discriminação, preconceito, ameaças ou constrangimentos. Não precisa de dia para se afirmar", disse. O prefeito falou haver somente sentido em datas que estimulem “a tolerância e a paz” em relação, por exemplo, a mulheres e negros e minorias que são vítimas de ofensas e brutalidades. Na campanha de 2008 da eleição municipal, a propaganda na TV de Marta Suplicy (PT) chegou a insinuar que o então seu adversário Kassab era gay, embora ela ti

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Música gravada pelo papa Francisco tem acordes de rock progressivo. Ouça

Russas podem pegar até 7 anos de prisão por protesto em catedral

Protesto das roqueiras Y ekaterina Samutsevich, Nadezhda  Tolokonnikova  e Maria Alyokhina durou apenas 1m52 por Juliana Sayuri para Estadão Um protesto de 1 minuto e 52 segundos no dia 21 de fevereiro [vídeo abaixo]. Por esse fato três roqueiras russas podem pagar até 7 anos de prisão. Isso porque o palco escolhido para a performance foi a Catedral de Cristo Salvador de Moscou. No altar, as garotas da banda Pussy Riot tocaram a prece punk Holy Shit , que intercala hinos religiosos com versos diabólicos como Virgin Mary, hash Putin away . Enquanto umas arranhavam nervosos riffs de guitarra, outras saltitavam, faziam o sinal da cruz e dançavam cancã como possuídas. As freiras ficaram escandalizadas. Os guardas, perdidos. Agora as rebeldes Yekaterina Samutsevich  (foto), Nadezhda Tolokonnikova (foto) e  Maria Alyokhina (foto) e  ocupam o banco dos réus no tribunal Khamovnichesky de Moscou, acusadas de vandalismo e ódio religioso. Na catedral, assim como noutras manifes