Megafone de Bolsonaro, o pastor das trevas divulga fake news e continua impune



Silas Malafaia diz que vacina vai causar um "verdadeiro infanticídio"


PAULO LOPES
jornalista e ateu

Um regime democrático garante a liberdade de expressão, mas não a liberdade de disseminar fakes news, semeando o pânico e colocando em risco a vida de pessoas. As instituições do sistema democrático não podem permitir isso.

O pastor bolsonarista Silas Malafaia é um proeminente divulgador de mentiras como método do jogo político, e até agora nada ocorreu contra ele. Parece que instituições como o Ministério Público têm medo da gritaria insana do pastor.

A mais recente fake news de Malafaia, divulgada em toda sua rede social, é a afirmação sem qualquer prova científica de que a vacinação contra a Covid em crianças de 5 a 11 anos é um "verdadeiro infanticídio".

O pastor deveria ao menos ser intimado pelas autoridades para apresentar os estudos científicos de que a vacina mata crianças. 

Trata-se de muita irresponsabilidade para que tal fake news passe incólume porque, em atenção ao pastor transloucado, alguns pais poderão deixar de vacinar seus filhos.

 Qualquer tonto bolsonarista diz o que o pastor prega, mas, no caso de Malafaia, ele tem grande influência, inclusive em pessoas insuficientemente informadas sobre a Covid. 

A retórica do ódio

Dezenas de países estão vacinando crianças porque a cepa ômicron do coronavírus ataca mais os jovens e não há infanticídio algum. O pastor finge não saber disso. É astucioso como o Satanás descrito pela Bíblia

Eventualmente, uma ou outra criança morre, mas não por causa da vacina, e sim por doenças pré-existentes, e os negacionistas usam esse tipo de informação para atribuir ao imunizante.

[Twitter obriga Malafaia a deletar fake news sobre 'infanticídio' por vacina]  

Trata-se de um mau-caratismo nojento para uso político, de causar vômito, porque não poupa sequer as crianças. E Malafaia, veja só, é de uma religião que professa o amor ao próximo.

Conselheiro do presidente Bolsonaro, o boçal, Malafaia mente, mente e mente.

Falou, por exemplo, não haver risco grave de a Covid matar crianças, mas dados do Ministério da Saúde provam que desde o começo da pandemia 311 crianças morreram por causa do coronavírus.

Talvez ele ache que seja pouca quantidade, e certamente porque entre as vítimas não há um parente dele. De qualquer forma, crianças são fatores de transmissão do vírus, mesmo que elas não apresentem sintomas.

Malafaia deveria ser chamado pelo Ministério Público para justificar essas e outras afirmações, no mínimo, como se ele estivesse recebendo um cartão amarelo de aviso de que a democracia não é o regime do vale tudo. O cartão vermelho representaria consequências mais graves.

O pastor é formando em psicologia, mas não entende nada de virologia. Ele não passa de um megafone do negacionismo criminoso de Bolsonaro 

 O pastor das trevas tem de assumir a responsabilidade pela que diz. Já passou da hora.