Pular para o conteúdo principal

Documentário 'Rezar e Obedecer' mostra líder religioso polígamo e pedófilo

IMDb: 7,3/10. Ótima pontuação. Conta a história do criador da Igreja Fundamentalista de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, com doutrina que se derivou da Igreja Mórmon. Carismático, Warren Steed Jeffs destacou-se como predador sexual, inclusive de crianças. Está preso. Disponível no Netflix


O documentário "Rezar e Obedecer" da Netflix revela como algumas pessoas escaparam das garras do líder religioso pedófilo e polígamo Warren Jeffs, o profeta da FLDS (sigla que na tradução para o português significa Igreja Fundamentalista de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Jeffs foi preso em 2008, no Rancho Anseio por Zion, considerado um local sagrado, perto de Eldorado, Texas, EUA. Ele cumpre pena perpétua em um presídio no Texas. Ele tentou o suicídio em 2011 batendo a cabeça contra a parede e também por enforcamento.

Mesmo da penitenciária, ele continua liderando a seita, por intermédio de um mensageiro que o visita com frequência, o seu irmão Seth.

A FLDS faz uma lavagem cerebral nos fiéis, começando de preferência pelos jovens, é só assim é possível entender a submissão de mulheres e homens a alguém que diz ser representante de Deus na terra.


O documentário mostra que a seita expulsava adolescentes homens de suas comunidades, para sobrar mais mulheres aos adultos e velhos, porque quantos esposas e filhos um homem tiver mais perto do céu ele ficará.

Na seita, quem tiver a autorização para três esposas ou mais é considerado um homem de prestígio na seita, mostra o documentário.

A FLDS escolhe com quem as mulheres devem se casar, algumas delas com idade abaixo de 18 anos, pelo menos até a prisão Jeffs. Na época, ele tinha cerca de 50 mulheres, incluindo adolescentes, e mais de 140 filhos -- abuso, um dele se matou em 2019 aos 26 anos.

Dividido em quatro episódios, o documentário faz uma revelação chocante: no templo de Zion há uma espécie de altar onde Jeffs deflorava meninas.

Uma gravação de áudio encontrado em um arquivo secreto da seita registra Jeffs conduzindo um desses rituais. A sua condenação se deve, em grande parte, a esse material, que, como prova, é incontestável.

A FLDS é uma ramificação da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, conhecida por Igreja Mórmon.

Em 1890, pressionados pelas autoridades, os mórmons desistiram da poligamia, obtendo em troca privilégios para se expandirem a partir de Utah.

Nem todos os seguidores da religião aceitaram a imposição da lei, havendo dissidentes, que foram excomungados. A FLDS é uma das comunidades formadas por rebeldes e ela talvez seja a que mais prosperou até os atuais dias. Estima-se que tenha 10 mil seguidores.


Além de Hildale (Utah), a seita tem comunidade em Colorado City. Dakota do Sul, Nevada, Colúmbia Britânica, México e Canadá. 

As mulheres da FLDS devem se vestir cobrindo do pescoço aos tornozelos. Não podem cortar o cabelo. Elas existem para obedecer aos maridos e ter filhos, quanto mais, melhor.

Os fiéis não podem ter animais de estimação nem acesso à televisão, jornais e internet. A seita não promove festa de Natal, desfiles e proíbe camping e pesca.

O SPLC (Southern Poverty Law Center) coloca a FLDS na lista de organizações de ódio.

 

> Com informação do documentário e de outras fontes.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional