Pular para o conteúdo principal

Evangélicos serão maioria? Talvez não. Crentes desigrejados crescem

Jovens crentes não se identificam com nenhuma religião já representam 25% da população; Censo vai confirma ou não a tendência


PAULO LOPES
jornalista, trabalhou na Folha de S.Paulo,
Diário Popular, Editora Abril e em
outras publicações

Pesquisas recentes de vários institutos projetam para os próximos anos a hegemonia das igrejas evangélicas, destronando a Igreja Católica, religião predominante no Brasil desde sempre.

Mas agora novos dados indicam que a maioria da população brasileira pode se tornar de crentes sem religião, de pessoas desigrejadas.

Pesquisa da Datafolha sobre o perfil dos eleitores de 2022 revela surpreendentemente que a população de São Paulo e Rio de 16 a 24 anos dos sem religião é de 30%, acima dos evangélicos (27%), católicos (24%) e outras religiões (19%).  A taxa nacional dos sem religião é de 25%.

Brasileiros sem religião encontram-se em ascensão há décadas. Pelo Censo do IBGE, em 1960 representaram 0,5% da população, em 1960 eram 1,6%; em 1980 chegaram a 4,8% e em 2000, 7,3%.

Não dá para comparar os dados do IBGE com os do Datafolha, por causa das diferenças de metodologias e do universo pesquisado, mas destaca-se, nessa última pesquisa, que se trata de jovens — o futuro do país.

A cientista social Silvia Fernandes afirma que o fenômeno se deve a uma "dimensão mais pluralista da religiosidade". Embora não sigam nenhuma religião, os jovens acham todas válidas.

Esse sincretismo religioso se reflete na família: um jovem pode mãe evangélica, país católico, avó espírita e um tio ateu.

Mas ainda assim, com base no noticiário, os casos de intolerância religiosa têm aumentado, principalmente da parte de evangélicos contra seguidores de religiões de afrodescendentes, no que talvez seja o resultado de uma aliança entre a extrema-direita e facção mais conservadora de religiosos. 

O Censo deste ano (2022) responderá questões como: as grandes igrejas pentecostais (Universal, etc.) pararam de crescer?; o crescimento dos sem religião tende a acelerar?; qual será a nova previsão para a Igreja Católica se tornar minoritária?; o número de ateus continua inexpressivo, com menos de 1 milhão?

Jovens não
querem saber
de igrejas e
templos

> Com informação do IBGE, BBC Brasil e de outras fontes.

• Pessoas sem religião têm escolaridade acima da média




Comentários

betoquintas disse…
Meu comentário foi perdido, excluído ou censurado? Eu publiquei primeiro essa notícia.
Anônimo disse…
"Mas ainda assim, com base no noticiário, os casos de intolerância religiosa têm aumentado, principalmente da parte de evangélicos contra seguidores de religiões de afrodescendentes..."
Passa a falsa idéia que tem algo a ver "afrodescendente"(sic) - parece coisa de vitimista negro. Nessas religiões há um enorme número de gays, os MUITO (junto com outros LBTs) mais preconceituades, ainda mais pela maioria evangélica. Junta com uma religião MUITO diferente da "lógica cristã" e terá alto ódio.
De jovens menores, no mínimo deveriam ser protegidos dos ideais religiosos, esotéricos, místicos etc. Quando adultos que sigam o que bem quiserem, desde que fiquem na sua. Jovens devem ser ensinados a PENSAR, discernir, Ceticismo.
marceloDC disse…
"Mas ainda assim, com base no noticiário, os casos de intolerância religiosa têm aumentado, principalmente da parte de evangélicos contra seguidores de religiões de afrodescendentes..."
Passa a falsa idéia que tem algo a ver "afrodescendente"(sic) - parece coisa de vitimista negro. Nessas religiões há um enorme número de gays, os MUITO (junto com outros LBTs) mais preconceituades, ainda mais pela maioria evangélica. Junta com uma religião MUITO diferente da "lógica cristã" e terá alto ódio.
De jovens menores, no mínimo deveriam ser protegidos dos ideais religiosos, esotéricos, místicos etc. Quando adultos que sigam o que bem quiserem, desde que fiquem na sua. Jovens devem ser ensinados a PENSAR, discernir, Ceticismo.
Obs.: está dando erro se via Google, antes funcionava direitinho.
Anônimo disse…
Saravá! que Exu acabe com essa sua ignorância reacionária bozolóide
axé!

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m