Pular para o conteúdo principal

Líder das Testemunhas de Jeová compara fiéis expulsos com 'infartados'

Não é a primeira vez que 'desassociados' são apontados como doentes pela igreja fundamentalista

PAULO LOPES
jornalista 

Um assistente do Corpo Governante das Testemunhas de Jeová comparou os fiéis expulsos da religião — os desassociados — com "infartados".

"Imagine você em uma bela refeição com a sua família e, no começo da noite, seu tio ... coloca a mão no peito e cai no chão inconsciente. O que acontece?"

É um ataque cardíaco, disse Robert Luccioni, deixando entendido que o tal tio é um desassociado. "[Isso] mexe com a gente, dói."

As Testemunhas de Jeová são conhecidas por castigar os desassociados com o ostracismo, impedindo, por exemplo, que pais se relacionem com os filhos.

Trata-se, obviamente, de uma perversidade que um dia terá de ser submetido a um tribunal internacional de direitos humanos, porque não é possível que tal monstruosidade dure para sempre.

Luccioni falou sobre os "infartados" em um discurso postado no site oficial das Testemunhas de Jeová. Portanto, nenhum seguidor da religião poderá alegar que se trata de uma distorção da imprensa, como muitos deles fazem frequentemente.

Para o líder dos TJs, o que leva ao "infarto" é "quando alguém começa a entrar em um caminho errado, e nós fazemos tudo o que podemos para ajudar. Os amigos, a família, os anciãos...Todo mundo. Mas quando alguém chega ao ponto de ser desassociado, é como se Jeová dissesse: 'Eu vou cuidar disso agora. Deixa comigo.' O que vamos fazer? Nos acalmar e confiar em Jeová e na sua organização.'

Seria o caso de se ironizar: como Jeová é bonzinho, detona famílias, coloca pais contra filhos, filhos contra pais, irmão contra irmão, mas tudo por para o bem, para salvar o "infartado", o desassociado.

Ah, como é comovente! Que religião bondosa!

Não é primeira vez que as Testemunhas de Jeová se referem aos desassociados como pessoas enfermas e certamente não será a última.

A edição de setembro de 2021 da Sentinela, revista da religião, afirmou que o fiel expulso "é como uma pessoa que tem uma doença grave altamente contagiosa".

Em 2011, outra publicação das TJs, edição da Grã-Bretanha, foi mais contundente em seu ódio aos ex-fiéis expulsos, afirmando que eles são "doentes mentais".

Seria o caso de se perguntar porque se justifica, tem pertinência: essa religião é das Testemunhas de Jeová ou das Testemunhas de Satanás?

> Com informação do site das Testemunhas de Jeová e de outras fontes.

• Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores 





Comentários

"Seria o caso de se perguntar porque se justifica, tem pertinência: essa religião é das Testemunhas de Jeová ou das Testemunhas de Satanás?"
Satanás nããão! Vem do hebreu "ha-shatán", questionador, opositor, acusador. Os que questionam, opõe-se, acusam as autoridades, o poder, os sacerdotes e outros. Quem é do mal MESMO é Deus, a lógica divina é adestramento, submissão, obediência (a regras esquisitas e até intolerantes), ser servo.
Será que um certo "potássio" (o "K") vai aparecer para defender essa insanidade dos TJs?
A esmagadora maioria dos crédulos É do mal, POR OMISSÃO, POR CONIVẼNCIA. Não adianta virem com essa "é uma minoria que faz o mal", "são 'alguns'(sic) pastores / padres / rabinos ou seja lá quem for da liderança"... Os "de bem" quase NUNCA se manifestam contra, quase nunca denunciam o abuso e exploração da fé do povo! Nada fazem e ainda ficam de mimimi defendendo indiretamente as insanidades. Mesmo as igrejas ditas "do bem" costuma ser omissas ou fracamente inoperantes. Parece que até estas estão preocupadas com seu mundinho de fantasia e ignoram a maioria que são do mal. Isso apenas demonstra como são GADO da credulidade, acabam sendo CONIVENTES.
As igrejas de bem deveria não só se unirem mais, até junto com ateus, organizações laicas etc, para defenderem o fator LAICO e repudiar a exploração da fé. Há muita gente lúcida no meio, os influentes deveriam fazer algo mais útil.
Anônimo disse…
Conheço pessoas que se livraram das teias das TJs e da Igreja Universal. São pessoas felizes hoje, complemante conscientes de terem se livrado de uma lavagem cerebral. Meu sentimento para quem faz parte dessas igrejas não é de ódio, de raiva, ou de desprezo. É sentimento de pena. Essas pessoas precisam de ajuda.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

AdSense desmonetiza página do texto 'Ateísmo significa libertação do medo do sobrenatural'

Pastores do Malafaia têm salário de até R$ 20 mil, casa e carro

Pastores mais habilidosos  estão sendo disputados  pelas igrejas Silas Malafaia, 53, informou que o salário dos pastores de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo, vai de R$ 3.000, para iniciantes, a R$ 20.000, com benefícios que incluem casa mobiliada, escola para filhos e plano de saúde. Pastores com experiência têm direito a carro do ano. É a primeira vez que um líder religioso neopentecostal revelou o salário dos pastores. Na falta de maiores informações, os valores citados por Malafaia podem ser tomados como referência do mercado de salários dos pregadores da Bíblia. As perspectivas desses profissionais são as melhores possíveis, considerando que não precisam ter formação universitária. Um professor de ensino médio não ganha tanto, nem sequer um médico em início de carreira, por exemplo. “Mas é preciso saber ler a Bíblia, pregar, explicar”, disse Malafaia à jornalista Daniela Pinheiro, que escreveu para a revista Piauí de setembro reportagem sobre o pastor.

Em vídeo, Malafaia pede voto para Serra e critica Universal e Lula

Malafaia disse que Lula está fazendo papel de "cabo eleitoral ridículo" A seis dias das eleições, o pastor Silas Malafaia (foto), da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, gravou um vídeo de 8 minutos [ver abaixo] pedindo votos para o candidato à prefeitura de São Paulo José Serra (PSDB) e criticou a Igreja Universal e o ex-presidente José Inácio Lula da Silva. Malafaia começou criticando o preconceito que, segundo ele, existe contra pastor que emite opinião sobre política, o mesmo não ocorrendo com outros cidadãos, como operários, sindicalistas, médicos e filósofos. O que não pode, afirmou, é a Igreja, como instituição, se posicionar politicamente. “A Igreja é de Jesus.” Ele falou que tinha de se manifestar agora porque quem for para o segundo turno, se José Serra ou se Fernando Haddad, é quase certeza que será eleito, porque Celso Russomanno está caindo nas pesquisas por causa do apoio que tem recebido da Igreja Universal. Afirmou que apoia Serra na expectativa de

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

Padre explica seu vídeo sobre mulher apanha porque quer

O padre cantor Fábio de Melo tem tentado nos últimos dias, nas redes sociais, rebater as acusações de que é machista.

Eleição de Haddad significará vitória contra religião, diz Chaui

Marilena Chaui criticou o apoio de Malafaia a Serra A seis dias das eleições do segundo turno, a filósofa e professora Marilena Chaui (foto), da USP, disse ontem (23) que a eleição em São Paulo do petista Fernando Haddad representará a vitória da “política contra a religião”. Na pesquisa mais recente do Datafolha sobre intenção de votos, divulgada no dia 19, Haddad estava com 49% contra 32% do tucano José Serra. Ao participar de um encontro de professores pró-Haddad, Chaui afirmou que o poder vem da política, e não da “escolha divina” de governantes. Ela criticou o apoio do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus do Rio, a Serra. Malafaia tem feito campanha para o tucano pelo fato de o Haddad, quando esteve no Ministério da Educação, foi o mentor do frustrado programa escolar de combate à homofobia, o chamado kit gay. Na campanha do primeiro turno, Haddad criticou a intromissão de pastores na política-partidária, mas agora ele tem procurado obter o apoio dos religi

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão