Vítimas do próprio negacionismo: 44% das mortes de líderes religiosos são por Covid

Igrejas se opuseram às medidas de precaução ao contágio do vírus

PAULO LOPES
jornalista

Do total de líderes religiosos que morreram em 2020, 44% deles foram por Covid-19, de acordo com estudo que a Rede de Pesquisa Solidária fez a partir do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde.

Trata-se de percentual que mostra a devastação que a doença está fazendo entre os líderes religiosos, que estão em primeiro lugar no ranking dos óbitos da Covid em uma listagem de 29 profissionais. 

Em segundo lugar, estão os profissionais de segurança: do total das mortes entre eles, 25,4% se devem ao novo coronavírus.

Os médicos só veem em terceiro lugar, com 24%, embora uma parcela significativa deles esteja em contato direto com pessoas infectadas pelo vírus.

O estudo não explica o fato de os líderes religiosos morrerem mais de Covid, em relação a outras doenças, mas é possível apontar, como causas, o negacionismo à ciência e o alinhamento ao bolsonarismo.

Em 2020, mesmo diante da rápida ascensão da taxa de mortes pela Covid, líderes religiosos se opuseram firmemente a medidas de prefeitos e governadores para dificultar a transmissão do vírus, como a restrição à aglomeração. Promoveram cultos e missas.

Eles também endossaram o discurso criminoso de Bolsonaro pelo uso de medicamentos sem comprovação científica contra a Covid, como a cloroquina.

Agentes de segurança tiveram de se expor às pessoas para manter a ordem pública. Médicos, para tratar de doentes, incluindo os infectados pelo coronavírus -- se eles não estão em primeiro lugar nesse ranking macabro é porque tomaram as precauções contra o vírus.

Mas os líderes religiosos (ou grande parte deles), além de eventualmente dar conforto espiritual aos aflitos, ajudaram a disseminar os vírus, em nome de Deus e principalmente do dízimo. Até agora, 600 mil brasileiros morreram de Covid.  

> Com informação da revista Piauí.

Cantora gospel incentiva uso de cloroquina: 'Eu tomei'. E morre de Covid-19 



Comentários

  1. A ideologia bolsoburrista dominou as igrejas, fui em igreja evangélica para um casamento e o pastor começou a falar do nada contra homossexuais e trans, os chamando de aberrações assim do nada e o povo ainda aplaudia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No mínimo processá-los, afinal, não foi dito "pecado" e sim "aberrações" e coisas nada com religião, extrapolando os preceitos religiosos.

      Excluir
    2. Lamento, mas não concordo. Acho que não vale a pena processar. As pessoas têm o direito de ser burras. É o preço da liberdade.

      Excluir
  2. Isso se chama justiça divina

    ResponderExcluir
  3. Saudações, petralhada! Como vão? E as pessoas que estão morrendo de morte súbita após as vacinações? Uma professora petralhuda morreu de infarto após receber a picada, souberam? Vocês torcem pela desgraça total? E o Lula Louco? Viram Cristina Segui, uma das mais conhecidas jornalistas da Espanha, denunciando o PT em financiamento do crime internacional? E vocês comemorando a morte de religiosos....
    Vai vendo, Brasil!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já estou em festa com a eleição de Lula em 2022 e a ida de Bostanaro pra prisão

      Excluir
    2. Falar mal do PT até papagaio fala, mas nunca conseguiram provar nada contra Lula.

      Excluir
  4. Todas as mortes são de lamentar. Mas, neste caso, é a seleção natural a funcionar.

    ResponderExcluir
  5. Enquanto existir pascacio, existiram os irresponsáveis da fé e da política.

    ResponderExcluir
  6. O mais inacreditável é que os lunáticos vão concluir que a morte desse pastores foi a "vontade de Deus".

    ResponderExcluir

Postar um comentário