Pular para o conteúdo principal

Vídeo: Lacta cede à teoria conspiratória de evangélicos e deixa de produzir o bombom 'Feitiçaria'

> MARIA FERNANDA GUIMARÃES
jornalista

A Lacta acabou com a marca "Feitiçaria" de um bombom, cedendo às pressões de teorias conspiratórias de grupos evangélicos segundo as quais o bombom teria "mensagens malignas" na embalagem.

Remake do clássico bombom “Feitiço”, famoso na década de 1990, o “Feitiçaria”, para pastores e fiéis, é um 'bombom de Satanás'. 

Diante da repercussão negativa, nas semanas que antecedem maior venda de chocolates, a Páscoa, a companhia optou por mudar o nome para “Lacta Morango”.

Em um dos vídeos postados na rede social, uma religiosa — pecando tanto pelo desequilíbrio lógico quanto por imperícia no manejo do português, em sua norma padrão — acusa a empresa de fazer "pacto satânico".

Em sua pregação [vídeo abaixo], a mulher não identificada diz que o bombom traz na embalagem "mensagens malignas de feitiçaria, macumba, magia negra" e que "as forças do mal também é poderosa" (sic). "Quem tem visão de Deus não se mistura com as coisa nojenta do maligno" (sic).

No vídeo, que viralizou no WhatsApp, TikTok e Twitter, a mulher também diz: "Nesta Páscoa, não compre bombons da Lacta. Essa empresa está fazendo pacto satânico. Não faz sentido você ter esses bombons. Não faz sentido. É golpe baixo. Existe vários pactos malignos para transformar a inteligência da sua criança". (sic)

A força do demônio 

"Essa é uma das formas que o maligno encontra para destruir" —  ameaça a mulher, numa clara referência àquela crença da virada do século XII para o XIII e da primeira fase da Santa Inquisição.  

Nove século atrás, a Igreja Católica reafirmou a participação do "demônio" em todas as práticas que associassem qualquer contato com o sobrenatural. 

Isso era para neutralizar as crenças e ações que fossem alheias ao controle da Igreja e assim associar o paganismo — ainda vigente na Europa especialmente entre as populações rurais — às práticas satânicas. 

Foi assim que o demônio passou, pouco a pouco, a ocupar um papel no cotidiano da humanidade tão
importante quanto o do próprio Jesus Cristo. A mulher que grava o vídeo repete um temor que foi martelado há cerca de 900 anos. 

Mais tarde, já no alvorecer da Idade Moderna, as concepções eclesiásticas sobre a magia e pactos tenderam ao contexto da grande luta universal entre o Bem e o Mal.  

O bombom de Satanás

O neopentecostalismo, católico e protestante, e o neopaganismo —  eventos sociais surgidos após a década de 1970 — restabeleceram  as crenças de magia, na força de Satã, no "perigo" das bruxarias, das feitiçarias. 

No Brasil e outros países com forte influência das religiões anímicas de África, a crença fundiu-se com o "perigo" da macumba, dos vodus e dos orixás. 

Assim, com essa "magia religiosa", que ficara adormecida, renasceu nos anos 1970, como se o ser humano tivesse poderes de intervenção sobre a saúde e as doenças, os fenômenos e desastres da natureza, as ocorrências de escassez e de prosperidade. 

Vídeo viralizado

Tendo em vista o fenômeno do temor que os pastores inculcam sobre os fieis, não é de estranhar que,  depois do vídeo original contra o chocolate, outros evangélicos fanáticos ampliavam a história.

Aí apareceram outras pessoas dizendo que comer o chocolate trazia maldições e, apesar de todas as dificuldades econômicas e carestia que atravessamos devido à pandemia, os fiéis jogavam os bombons  fora. 

Em contrapartida, a moçada da irreverência pegou carona para trazer mais likes a seus vídeos no TikTok e Twitter e começou a comer bombons "Feitiçaria" diante das câmeras, brincando com os filtros dos aplicativos e fazendo blague de que iriam virar demônio, ou coelhinho da Páscoa... e mesmo jacaré.  

Nova embalagem

Os produtos com a nova embalagem, sem estrelinhas, sem silhueta do Mago Merlin e sem meia-lua, já estão sendo comercializados. O conteúdo, no entanto, continua o mesmo: bombom com fondant de  morango, recheado com caramelo, creme, biscoito e cobertura de chocolate.

Em nota, a Lacta informa que a mudança faz parte de uma estratégia de reposicionamento planejada no final de 2020.


> Com informação da rede social e da Lacta.

Peugeot desiste da cor Vermelho Lúcifer por causa de evangélicos




Quem não paga dízimo fica exposto ao Satanás, afirma Edir


Comentários

  1. Essa marca deixou até o Halloween passar em branco com medo dos fanáticos.

    ResponderExcluir
  2. Temos que entender a posição da empresa .. visar lucros .. e se o pais em que a empresa esta instalada eh composto de maioria de alienados , analfabetos funcionais e imbecis ...mesmo assim precisa ainda dar lucros ...entao a empresa tem que fazer os produtos que os alienados , analfabetos funcionais e imbecis querem comprar ...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Cantora gospel incentiva uso de cloroquina: 'Eu tomei'. E morre de Covid-19

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Abertas as inscrições para o minicurso ‘Educação pública: laicidade, religião e história do ateísmo’