Pular para o conteúdo principal

Vaticano proíbe padres de abençoarem o 'pecado' da união de casais homossexuais

Como a Igreja Católica não celebra casamento entre pessoas do mesmo sexo, há padres que abençoam esses casais, mas agora eles estão proibidos formalmente de fazê-lo.

Por intermédio da Congregação para a Doutrina da Fé, o Vaticano anunciou nesta segunda-feira (15) que essas cerimônias não são lícitas porque “Deus não pode abençoar o pecado”.

O órgão se manifestou em respostas às paróquias que pretendiam atrair os homossexuais com benções de casais entre eles.

A Congregação afirmou em  nota que a decisão não é “uma forma de injusta discriminação, mas sim um lembrete da verdade do rito litúrgico”.

“Por esse motivo, não é lícito dar bênção a relacionamentos, ou a parcerias estáveis, que envolvam atividade sexual fora do casamento (ou seja, fora da união indissolúvel de um homem e uma mulher, aberta em si mesma à transmissão da vida), como é o caso das uniões entre pessoas do mesmo sexo."

Na Idade Média, a Congregação da Fé se chamava Suprema e Sacra Congregação da Inquisição Universal.

Em 2016, Francisco afirmou que a Igreja Católica deveria pedir perdão pelo tratamento injusto no passado aos homossexuais.

No ano seguinte, o papa enviou uma carta de felicitações ao casal gay Toni Reis e David Harrad, de Curitiba (Paraná), pelo batismo dos três filhos deles. Reis é militante LGBT.

A proibição das benções significa mais uma derrota do Francisco para os bispos conservadores, que fazem nos bastidores forte oposição ao papa.

Igreja de Francisco mantém
a tradição da intolerância

> Com informação das agências internacionais.

Comentários

  1. Tenho a impressão de chico é meio esquisofrênico, ora abençoa ora amaldiçoa, sem contar que os parasitas do vaticano que vivem no luxo às custas dos fiéis, são em sua maioria gays enrustidos, que pagam garotos de programa, também esqueceram de perguntar se nós precisamos dessa benção.

    ResponderExcluir
  2. Se tem algo que não tem bênçãos de Deus é a própria Igreja Católica.

    ResponderExcluir
  3. Primeiro: que venham para o CETICISMO e RACIONALISMO. Se já é ateu, já houve progresso, mas vá além do mero Ateísmo. Libertem-se de Deus, deuses, Jesus Cristo, Alah, Exú, Reiki, esoterismos, espíritos, Teorias de Conspiração, Vegan, "orgânicos", ETs por aí, Socialismo, Capitalismo, Anarquismo, Livre Mercado Autoregulado, bobajaiada de propaganda dos "produtos fabulosos", crer em políticos e tantas outras crendices.
    Segundo: se continua no mundinho da fé, então que vá para OUTRA igreja ou crença sem preconceitos* em seus dogmas. E que seja LAICA, afinal, nada é pior que crentes se intrometendo onde não se deve.
    * "Preconceitos em seus dogmas", na verdade valores religiosos são basicamente baseados em preconceitos, apenas varia no tipo, grau etc.
    A ICAR está correta nisso. Ou alguém ficou de picuinha pelas mulheres não poderem ocupar altos cargos, p.ex.? Valores INTERNOS das igrejas é questão de fé... Não de racionalidade. O PROBLEMA é quando se intrometem FORA. Direta ou indiretamente. SE em vez de pecado, dissessem "errado", "anormal" etc estariam se intrometendo FORA da igreja. E mesmo "pecado", só PERANTE a ICAR (ou outra que considere). Afinal, há outras vertentes ctristãs que casam gays e lésbicas etc. Mulheres em altos cargos... Isso quando não há outras religiões sem preconceitos, como Umbanda.
    Então que reclamem contra a ICAR (e qualquer outra) quando fere a questão LAICA. Quando se intrometem fora de seus âmbitos. Aí sim, não só terão razão, como é o que deve ser feito.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Associação Humanista Americana retira prêmio de Dawkins por ele questionar pessoas trans

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Governo de Angola suspende as transmissões da TV Record