Pular para o conteúdo principal

Vídeo mostra baixaria em eleição de líder de igreja: tumulto, gritaria, polícia

A eleição do presidente da Assembleia de Deus Missões, em Campo Grande (MS), foi tumultuada.

Em 4 de março, houve confusão, gritaria, agressões, empurra-empurra, tentativa de invasão do templo, acusações de ilegalidade nas eleições, polícia.

O pastor identificado como Quevedo teve de ser levado às pressas pelo Corpo de Bombeiro a um hospital por supostamente sofrer um AVC.

O embroglio continua porque a reeleição naquela noite do pastor Antônio Dionízio está sendo contestada.

O pastor Rudi Carlos, candidato da chapa 2, diz que seus apoiadores foram impedidos de votar. Cerca de 500 pessoas teriam sido impedidas de entrar no templo, de acordo com a imprensa local.

Os fiéis estão divididos desde outubro de 2020, quando vazou um vídeo onde aparece o pastor Dionízio dando tapinha durante um evento no bumbum de uma funcionária, sem que ela reagisse.

O pastor teria se divorciado, casando-se com a mulher do vídeo, reforçando o escândalo. Porque pastor, evidentemente, não pode tocar em público na bunda de fiel e muito menos cometer o "pecado grave", para evangélicos, de se divorciar.

Havia uma expectativa de que Dionízio não disputasse a reeleição.

Pressionado, ele chegou a escolher um candidato para substituí-lo, mas acabou decidindo pelo seu próprio nome, levantando a ira dos apoiadores do pastor Carlos e, em geral, dos indignados com os "pecados hediondos" do presidente da congregação.

Além das divergências religiosas e morais, há a disputa do poder político e da administração do dízimo, cujo montante a igreja não divulga. 

O que se sabe é que o salário do presidente da congregação é de R$ 40 mil.



> Com informação do Campo Grande News, Uol e outra fontes e imagens de vídeo postadas na rede social.



Comentários

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Associação Humanista Americana retira prêmio de Dawkins por ele questionar pessoas trans

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Governo de Angola suspende as transmissões da TV Record