Pular para o conteúdo principal

Vídeo mostra baixaria em eleição de líder de igreja: tumulto, gritaria, polícia

A eleição do presidente da Assembleia de Deus Missões, em Campo Grande (MS), foi tumultuada.

Em 4 de março, houve confusão, gritaria, agressões, empurra-empurra, tentativa de invasão do templo, acusações de ilegalidade nas eleições, polícia.

O pastor identificado como Quevedo teve de ser levado às pressas pelo Corpo de Bombeiro a um hospital por supostamente sofrer um AVC.

O embroglio continua porque a reeleição naquela noite do pastor Antônio Dionízio está sendo contestada.

O pastor Rudi Carlos, candidato da chapa 2, diz que seus apoiadores foram impedidos de votar. Cerca de 500 pessoas teriam sido impedidas de entrar no templo, de acordo com a imprensa local.

Os fiéis estão divididos desde outubro de 2020, quando vazou um vídeo onde aparece o pastor Dionízio dando tapinha durante um evento no bumbum de uma funcionária, sem que ela reagisse.

O pastor teria se divorciado, casando-se com a mulher do vídeo, reforçando o escândalo. Porque pastor, evidentemente, não pode tocar em público na bunda de fiel e muito menos cometer o "pecado grave", para evangélicos, de se divorciar.

Havia uma expectativa de que Dionízio não disputasse a reeleição.

Pressionado, ele chegou a escolher um candidato para substituí-lo, mas acabou decidindo pelo seu próprio nome, levantando a ira dos apoiadores do pastor Carlos e, em geral, dos indignados com os "pecados hediondos" do presidente da congregação.

Além das divergências religiosas e morais, há a disputa do poder político e da administração do dízimo, cujo montante a igreja não divulga. 

O que se sabe é que o salário do presidente da congregação é de R$ 40 mil.



> Com informação do Campo Grande News, Uol e outra fontes e imagens de vídeo postadas na rede social.



Comentários

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Maioria dos católicos dos Estados Unidos apoia a pena de morte; ateus rejeitam

Religião atua para perpetuar os detentores do poder e domesticar as mulheres, diz romancista

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade