Supremo restabelece regulamentação anti-homofobia do Distrito Federal

O STF (Supremo Tribunal Federal)restabeleceu a regulamentação do Distrito Federal que impõe sanções às pessoas que discriminam homossexuais.

A regulamentação foi implantada em 2017 pelo governador Rodrigo Rollemberg (PSB), que validou o artigo 5º da Lei Distrital 2.615/2000, chamada de “lei anti-homofobia”.

No mesmo ano, a Câmara Legislativa aprovou um decreto suspendendo a regulamentação sob o argumento de que a família precisa ser protegida.

Agora, portanto três anos depois, o STF recuperou a íntegra da lei, ao julgar Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) proposta na época por Rollemberg e pelo PSOL.

Por unanimidade, em plenário virtual, os ministros acompanharam o voto da relatora Cármen Lúcia.

Para ela, a Câmara não tem competência para sustar uma regulamentação do Executivo.

Além disso, de acordo com a ministra, diferentemente do que deputados distritais alegaram, o artigo da lei não representa uma ameaça à família.

“A lei e sua regulamentação não prejudicam, sequer em tese, a proteção à família, antes reforçam-na, resguardando os integrantes da unidade familiar contra condutas discriminatórias em razão de sua orientação sexual.”

Com informação do STF.



Universal publica músicas em 187 países sem pagar os direitos do autor

Justiça de São Paulo julga como se fosse Corte de Inquisição de Quarteirão

Comentários

  1. Anônimo11/24/2020

    Proteção a família foi a desculpa mais esfarrapada de todas que o movimento de fanáticos religiosos inventou pra perseguir os gays. Ao ser a favor da homofobia, estão destruindo famílias inteiras.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Carl Sagan escreve sobre um 'pálido ponto azul' nos cosmos, a Terra

Vicente e Soraya falam do peso que é ter o nome Abdelmassih

Gloria Perez diz não querer ampliar a voz de seus críticos