Pular para o conteúdo principal

Serpente Naja de Brasília é batizada com o nome de Damares

A Naja Kaouthia que picou um estudante de Brasília, deixando-o em coma por alguns dias, foi batizada como o nome de "Damares", a pastora e a ministra. 

Para a escolha, o jornalista brasiliense Chico Sant’Anna fez uma enquete no Twitter, sugerindo três nomes que no momento se destacam no noticiário. 

Damares ficou com 41% dos votos, vindo logo em seguida Kicis (38%) e Sarah (21%).


O veneno da Naja kaouthia é poderoso. O estudante Pedro Henrique Lehmkul poderia ter morrido, porque, como a serpente é nativa do sul e sudeste da Ásia, o Brasil não produz soro antiofídico contra essa espécie.

Damares, a ministra, entrou no jogo da brincadeira. Afirmou que se sente honrada com a associação de seu nome a uma cobra rara.

Ela desafiou o jornalista a colocar na cobra uma plaquinha com o nome de batismo.

O veneno de Damares, a serpente, ataca o sistema nervoso, causa inchaço e necrose e tem efeito anticoagulante. Pode matar uma pessoa em 60 minutos.

Com informação do Twitter, Metrópole e outras fontes.




Damares Alves mente ao dizer que tem cursos de mestrado

Damares Alves afirma que mulher deve ser submissa ao marido

Damares Alves diz querer ficar mais 'uns cem anos' no governo

Damares Alves diz querer ficar mais 'uns cem anos' no governo




Comentários

Emerson Santos disse…
Eu não me incomodaria também de ter meu nome associado a uma serpente ... pior seria se fosse a uma Anta ou a uma Lula ou a uma Cenoura ou a uma Zebra ....
Anônimo disse…
Não gostei, vai ofender a cobra.