Pular para o conteúdo principal

Jornalista torce para que Bolsonaro morra para que vidas sejam salvas da Covid-19

Articulista da Folha de S.Paulo, Hélio Schwartsman escreveu hoje (7) o artigo "Por que torço para que Bolsonaro morra" porque, no entendimento dele, isso impediria que muitas pessoas morressem de Covid-19.

O jornalista afirmou que a morte do presidente, que contraiu o novo coronavírus, seria uma perda lamentável, como a de qualquer outra pessoa. Mas a sua morte seria benéfica pelas éticas consequencialistas, que são diferentes da ética religiosa e moral.


“Consequencialismo” é uma palavra criada pela controvertida filósofa inglesa Gertrude Anscombe (1919-2001), estudiosa da mente e da religião.

Para ela, como escreveu em “Modern Moral Philosophy”, o indivíduo é responsável pelas consequências de seus atos, mesmo estes não sendo intencionais. E essas consequências têm de ser levada em conta pela sociedade.

Extrapolando para o caso Bolsonaro, o seu desaparecimento atenuaria as consequências da Covid-19 nas estatísticas da mortandade.

“O sacrifício de um indivíduo pode ser válido, se dele advier um bem maior”, escreveu. 

Se uma vida tem o mesmo valor que outra, mil delas, por exemplo, vale mais do que uma única — essa é a lógica do consequencialismo. 

“A ausência de Bolsonaro significaria que já não teríamos um governante minimizando a epidemia nem sabotando medidas para mitigá-la.”

“A crer num estudo de pesquisadores da UFABC, da FGV e da USP, cada fala negacionista do presidente se faz seguir de quedas nas taxas de isolamento e de aumentos nos óbitos. Detalhe irônico: são justamente os eleitores do presidente a população mais afetada.”

“Bônus políticos não contabilizáveis em cadáveres incluem o fim (ou ao menos a redução) das tensões institucionais e de tentativas de esvaziamento de políticas ambientais, culturais, científicas, etc.”

“Ficaria muito mais difícil para outros governantes irresponsáveis imitarem seu discurso e atitudes, o que presumivelmente pouparia vidas em todo o planeta. Bolsonaro prestaria na morte o serviço que foi incapaz de ofertar em vida.”

Schwartsman coloca toda sua argumentação no plano filosófico, mas ainda assim o seu artigo tem tido forte repercussão na internet, com pessoas se posicionando contra e outra favor.

O ministro André Mendonça (Justiça) pediu à Polícia Federal para abrir um inquérito com o propósito de enquadrar Schwartsman na lista de crimes contra a segurança nacional e a ordem política e social.

O inquérito não deve prosperar porque, se o fosse o caso, o próprio Bolsonaro deveria responder pelos mesmos crimes por minimizar os efeitos da pandemia e não demonstrar empatia com as famílias das mortos pela Covid-19.

Com informação da Folha e de outras fontes.







Benção de Edir Macedo confirma que Bolsonaro é um presidente 'terrivelmente evangélico'

Em oito meses de governo, Bolsonaro teve 38 encontros com evangélicos

Guedes convence Bolsonaro a desistir de subsidiar a conta de luz das igrejas

Brasil é refém da paralisia mental do dogmatismo evangélico, diz Delfim Netto




Comentários

  1. Só não pode mandar Gilmar Mendes e sua trupe morrer .. que ai ele vai preso .... kkkkk .. país de malucos ...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Em encontro com Bolsonaro, padre canta que 'Deus pode realizar o impossível'

Vereador critica repasse de verba às igrejas. E é acusado pela bancada evangélica de 'intolerante'