Pular para o conteúdo principal

Morte de 10.000 brasileiros pela peste significa um triunfo da ignorância sobre o conhecimento

Paulo Lopes  Neste sábado, 9 de maio de 2020, o número oficial de mortos no Brasil chegou a 10.000. Mas os negocionistas da ciência, por convicção ou interesse, querem muito mais. 

O líder da horda desses oportonobscurantistas é o presidente Jair Bolsonaro, que anunciou para hoje um churrasco para 30 pessoas. Eles vão brindar os mortos e o sofrimento de suas famílias?

A loucura do presidente é tamanha que não há limite para sua insensatez.  
 

No transatlântico do delírio bolsonarista estão os empresários mais preocupados com a morte de CNPJs, pessoas jurídicas, que com a de CPFs, pessoas físicas. Os CNPJs dependem dos CPFs, e vice-versa, mas tudo em seu devido momento. Agora, a prioridade é preservar o máximo possível a vida de pessoa de carne e osso. 

Estão com o presidente gente abjeta do seu entorno político, como seus filhos, Abraham Weintraub, Ernesto Araújo, Damares Alves e Regina Duarte.

No mesmo transatlântico estão Edir Macedo, Silas Mafalaia, Valdemiro Santiago e muitos outros exploradores da fé dos pobres, que sofrem de carência extrema de atenção do Estado ao longo da história brasileira. 

Esses “homens de Deus” serão os primeiros a pularem do grande barco à deriva de Bolsonaro, se perceberem que haverá logo à frente um afundamento, a exemplo do que fizeram com a presidente Dilma.


Neste dia em que o coronavírus demonstra que é ele que está acima de todos e tudo, pelo menos enquanto os cientistas trabalham por uma vacina,  Bolsonaro se tornou um símbolo que transcende a ele, para representar a vitória da ignorância e de tudo que a tem alimentado.  

É a vitória da falta de investimento na educação, saúde e desenvolvimento científico, das crenças sobre o conhecimento. Da picaretagem de religiosos sobre o Estado laico. 

É a vitória do capitalismo selvagem e do sistema financeiro, que, aqui mais do que em qualquer outro lugar do mundo, obtém lucros exorbitantes, vergonhosos, desumanos.

É a vitória da ladroagem dos políticos e da corrupção dos administradores públicos, que desviam recursos assim como no mito dos vampiros, que sugam o sangue de suas vítimas, sem matá-las, mantendo-as enfraquecidas para não esgotar a fonte de seu alimento.

O transatlântico de Bolsonaro não vai chegar a porto algum, vai afundar, porque há um limite para tudo, o que inclui o escárnio de alguém que degusta um churrasco enquanto milhares de pessoas choram seus mortos e milhões têm pela frente a maior recessão econômica que o país já teve.

A dúvida é saber se, depois disso tudo, o Brasil conseguirá emergir preservando o seu regime democrático, para seguir um rumo condizente com a dignidade humana.





Benção de Edir Macedo confirma que Bolsonaro é um presidente 'terrivelmente evangélico'

Em oito meses de governo, Bolsonaro teve 38 encontros com evangélicos

Guedes convence Bolsonaro a desistir de subsidiar a conta de luz das igrejas

Brasil é refém da paralisia mental do dogmatismo evangélico, diz Delfim Netto




Comentários

Posts mais acessados na semana

Dona Religião é casada com sr. Atraso e têm vários filhos

Bolsonaro fica irritado com aprovação da CoronaVac que vai salvar vidas

Aprovação da CoronaVac significa duro golpe no bolsonarismo

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Bolsonaro compra a novela 'Os dez mandamentos' da Record para a TV Brasil