Currículo inconsistente mostra que Teich é mais negociante da saúde que médico

Maria Fernanda Guimarães   O ministro da Saúde, Nelson Luiz Sperle Teich, tem um currículo acadêmico confuso, incompleto e sem conformidade de informação nos sites apontados. Pode ser que Teich venha se somar a quatro  ministros  do governo Bolsonaro e ao ex-aliado do bolsonarismo, o governador Wilson Witzel do Rio de Janeiro.

MÉDICO, NELSON TEICH ALEGA 
INDICADORES SOCIAIS PARA 
SUSPENDER A QUARENTENA 

Mestrados e doutorados fantasiosos, imprecisões, replicações da mesma tese (autoplágio),  ambiguidades e omissões utilitárias estão presentes nos currículos apresentados por esses políticos. 

Todos esses políticos, claro, sustentam frequentemente discursos agressivos "pela honestidade e contra a corrupção". Afinal, corruptos e comunistas são os petralhas, os cientistas, os jornalistas, a Rede Globo, a Veja e a Folha, Le Monde, El Pais, o Washington Post e todo mundo enfim que não concorda exatamente com o que as pessoas do atual governo afirmam.

DAMARES, SALLES, VELEZ,
WEINTRAUB E WITZEL TÊM
HÁBITO DE  'ADUBAR'
CURRÍCULOS. QUEM  
SERÁ O PRÓXIMO?  


Em seu curriculo Lattes,  Nelson Luiz Sperle Teich  fez a última atualização em 28/08/2014. Seu ID Lattes é  6028548417253582. Na plataforma Lattes, seu vida acadêmica e a profissional  não têm sequencia cronológica, o que é peculiar para um ministro obcecado por "juntar informações", "analisar dados precisos", e afirmar que é "fundamental hoje é que tenhamos mais informações ",   "ter clareza sobre a doença". Clareza que falta em seu currículo.

Um currículo, aliás, que não parece o de um médico, mas de um gerente financeiro de uma casa de saúde. Exemplos da temática acadêmica:  Economia da Saúde de Produtos Farmacêuticos, Considerações estatísticas em avaliações econômicas, Farmacoeconomia para tomadores de decisãoGestão de Negócios. Ou  talvez de um marqueteiro: Tendências em Cuidados de Saúde, Workshop na Avaliação Socioeconômica.

Os temas de Nelson Teich se aproximam mais a um negociante da saúde  e parecem estar longe de um médico preocupado com curas.

Verbos estrangeiros 


Não por acaso, ele fala da Covid-19, usando verbos estrangeiros financiais  e se refere à doença no país como quem categoriza uma ação na Bolsa:  “O Brasil hoje é um dos países que melhor performa em relação à Covid, tá?", disse em seu primeiro pronunciamento oficial. Performar é um anglicismo do mercado  financeiro, e significa ter bom desempenho. 

Informação que também é bastante embaçada. Para Teich, o Brasil "performa" 8,17 mortos por milhão. Mas dados do próprio Ministério da Saúde dão de conta que a mortalidade no Brasil pela Covid-19 é de 13,75 por milhão de habitantes. Ele ignora o que o técnicos da pasta defendem: a falta de testes não permite que o Brasil tenha dados precisos sobre a mortalidade real na pandemia, uma vez que há subnotificação.

Por falar em testes, assim que assumiu dia 17, Nelson Teich dobrou a meta do seu antecessor, Luiz Henrique Mandetta, e  garantiu  que ia entregar 46,2 milhões de testes na crise.

Passada uma semana da sua gestão, o Ministério entregou parcos 2,5 milhões de testes aos 27 Estados mais o DF. 

Tudo confuso


Sob o título, Nelson Teich toma posse como Ministro da Saúde, o site do  Ministério da Saúde, na posse, 17 de abril,  diz:   "Nelson Teich possui graduação em medicina pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e duas especializações: em Medicina Interna e em Oncologia Clínica [não informa por quais instituições, que só vão aparecer no Currículo Lattes: o INCA e o Hospital Ipanema].  Possui ainda pós-graduação em Economia da Saúde e mestrado em Avaliação Econômica de Tecnologia de Saúde pela Universidade de York, do Reino Unido.  Atuou como médico no Hospital de Praia Brava, em Angra dos Reis (RJ), e no Hospital Geral de Jacarepaguá (RJ). Também é um dos fundadores do Grupo COI (Clínicas Oncológicas Integradas), que presidiu até 2018, onde também criou o Instituto de Gestão, Educação e Pesquisa, destinado a realização de pesquisas clínicas sobre câncer.  

A mesma informação, ipsis literis, é publicada sob o título Nelson Teich assume Ministério da Saúde

Sorry, page not found 


O verbete Nelson   Teich na Wikipedia foi criado a 16 de março de 2020, dia da demissão de Luiz Mandetta. No subtítulo Formação Acadêmica da enciclopédia online consta (até hoje, 23 de abril de 2020, consultado às 9h15,   negritos  nossos)  a seguinte informação: 


Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Nelson_Teich

Ocorre que a referência 8, do tal verbete na Wikipedia, deveria conduzir  a um link para a Universidade de York, no Reino Unido.

Mas não! No nome Nelson Teich, o link conduz para um texto que diz que ele é estudante de doutorado. Contudo, esse  link não está no site no site da Universidade, e sim numa página de arquivamento. Conferir este link  http://archive.is/iJTwE   Ora, ".is" é um site na Islândia,  que  nada  tem a ver com University of York no Reino Unido.

No entanto, no "original", ou seja no link que deveria conduzir para a University of York,  aparece a mensagem  Sorry, page not found.   O link "original":   https://www.york.ac.uk/che/staff/students/nelson-teich/

Como se pode ver pela URL,  trata-se efetivamente da University of York e no Reino Unido (United King: ".uk"), Mas a página com o suposto link para o nome de de Teich não existe, ainda com que o nome Nelson Teich  esteja na URL.





Confrontemos essas informações, com outras anteriores  do  Currículo Lattes do ministro Teich. A íntegra está aqui

CADÊ OS REGISTROS? OS CURSOS 
ERAM OU NÃO 'PÓS-GRADUAÇÃO'?
E OS TÍTULOS VALEM OU NÃO?  

Lattes: vários exemplos  


Criada em 1999, a Plataforma Lattes é um site público  do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), com acesso em tempo real,  que integra bases de dados de currículos, de grupos de pesquisa e de instituições em um único Sistema de Informações. 

Publicam-se na plataforma os currículos vários, desde os de jovens estudantes em iniciação científica até os de cientistas de alta projeção, em todas as áreas do conhecimento.

O nome Lattes homenageia o curitibano César Mansueto Giulio Lattes (1924-2005), físico formado na USP e codescobridor do méson pi. 

É verdade que se você não trabalha com desenvolvimento tecnológico, não está fazendo pesquisa científica, nem mestrado ou doutorado, nem leciona em curso superior  não precisa ter seu currículo na Plataforma Lattes. Nem todo mundo tem.

Todos sabem que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi professor universitário, deu aulas inclusive fora do Brasil, até na mítica Sorbonne. Mas ele não tem seu currículo na Plataforma Lattes, aliás, criada em seu governo.

Mas muitos profissionais  da geração próxima à do "professor" FHC, porém bastante ativos, organizam lá seu currículo acadêmico. Para ficar na profissão médica, citemos  Angelita Habr Gama  e seu marido Joaquim José Gama Rodrigues.  Na área do Direito, Ronaldo Rebello de Britto Poletti e Dalmo de Abreu Dallari.

Mais novos e na ativa,  o médico infectologista David Uip,  o  médico oncologista (como o ministro Teich),  Paulo Hoff.

Também ativos,  com experiência de pesquisadores e  professores universitário o físico Paulo Artaxo    o cientista brasileiro  mais citado no mundo  — , a cientista da Informação Cícera Henrique da Silva o jurista Alexandre de Moraes, hoje juiz membro do STF,  a historiadora Mary Del Priore e até o controvertido Sérgio Moro.

Dentre os bem jovens o biólogo Átila Iamarino , a química Clarissa Piccinin Frizzo, o historiador Pedro Rennó Moreira... 

Todos esses brasileiros citados, dentre milhares de outros  professores e pesquisadores com formações, experiências, fé e não-fé  religiosas,  valores, ideologias, preferências políticas e partidárias tão diferentes entre si têm seus currículos acadêmicos, transparentes,  bem descritos, precisos e claros na Plataforma Lattes. Impecáveis. Tudo para valorizar a Ciência. Exatamente o oposto de Nelson Teich.  Como ministro, ele tem que explicar esse imbróglio. 





Saiba como identificar argumentações de divulgadores de pseudociência

Brasil não se pode dar ao luxo de contrapor a ciência com pseudociência

Adeptos de pseudociências danificam sua racionalidade

‘Medicina alternativa’ coloca o SUS contra a ciência, dizem estudiosas



Comentários

  1. Só pelo fato de ter feito campanha pro Bozo já dava pra saber que era tranqueira

    ResponderExcluir

Postar um comentário