Juristas evangélicos se mantêm leais a Moro e criticam Bolsonaro

Com a demissão de Sérgio Moro do Ministério da Justiça, Bolsonaro deixou de ter apoio da Associação Nacional de Juristas Evangélicos, que passou a defender a apuração de crimes de responsabilidade que o presidente pode ter cometido.

A associação tem cerca de 700 associados, entre desembargadores, promotores, procuradores, juízes e advogados ligados às igrejas Presbiteriana, Batista e Metodista.


Até a demissão de Moro, ela mantinha estreito relacionamento com o Bolsonaro, a ponto de conseguir influenciar o presidente a escolher Augusto Aras para a Procuradoria-Geral da República.

Uziel Santana, presidente da associação, já tinha dito que o apoio a Bolsonaro estava condicionado à pauta de combate à corrupção, o que, em outras palavras, significava a permanência de Moro no governo.

A perda de parte do apoio de evangélicos significa que Bolsonaro não terá como se aguentar até o fim de seu mandato. 


BOLSONARO ESTÁ PERDENDO
APOIO ATÉ DE EVANGÉLICOS
POR CAUSA DA DEMISSÃO DE MORO

Com informação do Estado de S.Paulo e de outras fontes.



Em país sério, Malafaia já estaria na cadeia, diz pastor Caio Fábio

Malafaia atribui união gay ao modelo ateísta de sociedade

Malafaia diz que desenho da Disney com beijo gay é safadeza

Mesmo vendendo Bíblia a evangélicos empresa de Malafaia tem prejuízo




Comentários

  1. Anônimo4/26/2020

    Bolsonaro sempre usou a religião de forma política, nunca demonstrou o cristianismo em seus atos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nobel 2019 de Física afirma que 'não há lugar para Deus no universo'

Com fechamento de 400 templos em uma década, Igreja da Inglaterra ruma para o fim

Robinho: de jogador promissor a evangélico fanático e a estuprador

Igreja de 221 anos fecha nos EUA por falta de fiéis; avanço da secularização