Pular para o conteúdo principal

Religião dificulta a discussão da eutanásia no Brasil, afirma estudiosa

A eutanásia e o suicídio assistido são práticas aceitas e regulamentadas em países como Suíça, Holanda, Canadá e Bélgica, aos quais foram acrescentados recentemente Portugal, Espanha e Alemanha, mas no Brasil sãos crimes e nem sequer constam em pautas de discussão de interesse da população.


VÁRIOS PAÍSES ADOTARAM
OS PROCEDIMENTOS PARA
ABREVIAR OS SOFRIMENTOS
DE PACIENTES TERMINAIS

A principal causa desse embargo é a forte religiosidade do Brasil, diz a professora Tânia Alves, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP (Faculdade de Medicina da USP).

“Nos países essencialmente católicos, existe uma crença onde se diz que Deus determina o nascimento, a vida e a morte, e que uma pessoa não teria o direito de interromper esse fluxo natural", diz ela.

"O que tem sido levantado é que o paciente pode escolher, sim."

Alves diz que outra barreira é o medo de que, se houvesse a regulamentação, poderia haver abusos ou mau uso dos procedimentos.


A médica informa que os pacientes que procuram colocar fim à própria vida geralmente são pessoas que estão em extremo sofrimento, psíquico ou físico, ou que estão diante de alguma doença terminal, na qual a morte já é prevista.

“O que o paciente decide, então, é a condição final de sua morte”, afirma.

“O ponto de partida é o respeito pelo sofrimento do outro. O médico avalia a irreversibilidade do quadro clínico e só responde se ele tem condições de atender ao pedido do paciente. Familiares e amigos também são consultados em alguns países, mas a decisão final é sempre de quem solicitou a eutanásia ou o suicídio assistido.”

Tânia Alves afirma que o paciente deve estar apto para fazer a escolha, havendo, para isso, instrumentos para analisar sua capacidade cognitiva.

Ela explica a diferença entre um procedimento e outro.

“Na eutanásia, um médico injeta no paciente uma substância de ação letal. No caso do suicídio assistido, o paciente toma a iniciativa, sob a orientação de um médico."

Com informação do Jornal da USP.




Holanda inocenta médico que submeteu mulher com demência à eutanásia

Padre recusa funeral a corpo de homem que morreu por eutanásia

Bélgica multa asilo católico por não atender pedido de eutanásia

Em decisão histórica, Alemanha legitima o suicídio assistido




Comentários

Psiquê disse…
Se a pessoa quiser se matar, então é melhor não procurar médico. Se Deus não existe, então não existe castigo eterno. Se Deus não existe, morrer é a melhor opção, pois morto não precisa de dinheiro.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão

Evangélicos quebram imagens de umbanda no Rio

por Denise Menchen , da Folha Quatro integrantes da igreja evangélica Nova Geração de Jesus Cristo foram presos, acusados de invadir ontem à noite um centro de umbanda no Catete, zona sul do Rio de Janeiro, e quebrar cerca de 30 imagens religiosas, prateleiras e um ventilador (foto). O caso foi registrado na 9ª DP (Catete). Segundo uma das dirigentes do Centro Espírita Cruz de Oxalá, a advogada Cristina Maria Costa Moreira, 45, cerca de 50 pessoas aguardavam em fila a abertura do atendimento ao público, às 19h, quando Alessandro Brás Cabral dos Santos, Afonso Henrique Alves Lobato, Raimundo Nonato e uma jovem identificada apenas como Dominique chegaram ao local. De acordo com Moreira, eles ofenderam os presentes e forçaram a entrada na casa. "Eles chegaram dizendo que queriam ver onde estava o demônio e foram direto para o terreiro", conta Celso Quadros, 52, outro dirigente do centro espírita. "Quebraram tudo, inclusive imagens que temos há 40 anos". A a

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Bento 16 associa união homossexual ao ateísmo

Papa passou a falar em "antropologia de fundo ateu" O papa Bento 16 (na caricatura) voltou, neste sábado (19), a criticar a união entre pessoas do mesmo sexo, e, desta vez, associou-a ao ateísmo. Ele disse que a teoria do gênero é “uma antropologia de fundo ateu”. Por essa teoria, a identidade sexual é uma construção da educação e meio ambiente, não sendo, portanto, determinada por diferenças genéticas. A referência do papa ao ateísmo soa forçada, porque muitos descrentes costumam afirmar que eles apenas não acreditam em divindades, não se podendo a priori se inferir nada mais deles além disso. Durante um encontro com católicos de diversos países, Bento 16 disse que os “cristãos devem dizer ‘não’ à teoria do gênero, e ‘sim’ à aliança entre homens e mulheres no casamento”. Afirmou que a Igreja defende a “dignidade e beleza do casamento” e não aceita “certas filosofias, como a do gênero, uma vez que a reciprocidade entre homens e mulheres é uma expressão da bel

Xuxa pede mobilização contra o 'monstro' Marco Feliciano

Pela primeira vez a apresentadora se envolve em uma polêmica A apresentadora da Rede Globo Xuxa (foto) afirmou em sua página no Facebook que o pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP), o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, não é “um religioso, é um monstro”. Sem citar o nome de Feliciano, ela ficou indignada ao ler que “esse deputado disse que negros, aidéticos e homossexuais não têm alma”. “Vamos fazer alguma coisa! Em nome de Deus, ele não pode ter poder.” É a primeira vez que Xuxa pede mobilização de seus fãs em uma questão polêmica. Amiga do padre Marcelo Rossi, ela é católica praticante. No Facebook, em seu desabafo, escreveu sete vezes a palavra "Deus" e argumentou que todos sabem que ela respeita todas as religiões. A apresentadora também se mostrou abalada ao saber que Feliciano, durante uma pregação, pediu a senha do cartão bancário de um fiel. “O que é isso, meu povo?” “Essa pessoa não pode ser presidente da C