Pular para o conteúdo principal

Religião dificulta a discussão da eutanásia no Brasil, afirma estudiosa

A eutanásia e o suicídio assistido são práticas aceitas e regulamentadas em países como Suíça, Holanda, Canadá e Bélgica, aos quais foram acrescentados recentemente Portugal, Espanha e Alemanha, mas no Brasil sãos crimes e nem sequer constam em pautas de discussão de interesse da população.


VÁRIOS PAÍSES ADOTARAM
OS PROCEDIMENTOS PARA
ABREVIAR OS SOFRIMENTOS
DE PACIENTES TERMINAIS

A principal causa desse embargo é a forte religiosidade do Brasil, diz a professora Tânia Alves, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP (Faculdade de Medicina da USP).

“Nos países essencialmente católicos, existe uma crença onde se diz que Deus determina o nascimento, a vida e a morte, e que uma pessoa não teria o direito de interromper esse fluxo natural", diz ela.

"O que tem sido levantado é que o paciente pode escolher, sim."

Alves diz que outra barreira é o medo de que, se houvesse a regulamentação, poderia haver abusos ou mau uso dos procedimentos.


A médica informa que os pacientes que procuram colocar fim à própria vida geralmente são pessoas que estão em extremo sofrimento, psíquico ou físico, ou que estão diante de alguma doença terminal, na qual a morte já é prevista.

“O que o paciente decide, então, é a condição final de sua morte”, afirma.

“O ponto de partida é o respeito pelo sofrimento do outro. O médico avalia a irreversibilidade do quadro clínico e só responde se ele tem condições de atender ao pedido do paciente. Familiares e amigos também são consultados em alguns países, mas a decisão final é sempre de quem solicitou a eutanásia ou o suicídio assistido.”

Tânia Alves afirma que o paciente deve estar apto para fazer a escolha, havendo, para isso, instrumentos para analisar sua capacidade cognitiva.

Ela explica a diferença entre um procedimento e outro.

“Na eutanásia, um médico injeta no paciente uma substância de ação letal. No caso do suicídio assistido, o paciente toma a iniciativa, sob a orientação de um médico."

Com informação do Jornal da USP.




Holanda inocenta médico que submeteu mulher com demência à eutanásia

Padre recusa funeral a corpo de homem que morreu por eutanásia

Bélgica multa asilo católico por não atender pedido de eutanásia

Em decisão histórica, Alemanha legitima o suicídio assistido




Comentários

  1. Se a pessoa quiser se matar, então é melhor não procurar médico. Se Deus não existe, então não existe castigo eterno. Se Deus não existe, morrer é a melhor opção, pois morto não precisa de dinheiro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Hospital de campanha de evangélicos em Nova York não aceita voluntários gays

Vídeo: R.R. Soares manda o Covid-19 para o inferno, mas não tira a máscara do rosto

Saiba por que a seita Testemunhas de Jeová é um paraíso para pedófilos