Pular para o conteúdo principal

Religião dificulta a discussão da eutanásia no Brasil, afirma estudiosa

A eutanásia e o suicídio assistido são práticas aceitas e regulamentadas em países como Suíça, Holanda, Canadá e Bélgica, aos quais foram acrescentados recentemente Portugal, Espanha e Alemanha, mas no Brasil sãos crimes e nem sequer constam em pautas de discussão de interesse da população.


VÁRIOS PAÍSES ADOTARAM
OS PROCEDIMENTOS PARA
ABREVIAR OS SOFRIMENTOS
DE PACIENTES TERMINAIS

A principal causa desse embargo é a forte religiosidade do Brasil, diz a professora Tânia Alves, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP (Faculdade de Medicina da USP).

“Nos países essencialmente católicos, existe uma crença onde se diz que Deus determina o nascimento, a vida e a morte, e que uma pessoa não teria o direito de interromper esse fluxo natural", diz ela.

"O que tem sido levantado é que o paciente pode escolher, sim."

Alves diz que outra barreira é o medo de que, se houvesse a regulamentação, poderia haver abusos ou mau uso dos procedimentos.


A médica informa que os pacientes que procuram colocar fim à própria vida geralmente são pessoas que estão em extremo sofrimento, psíquico ou físico, ou que estão diante de alguma doença terminal, na qual a morte já é prevista.

“O que o paciente decide, então, é a condição final de sua morte”, afirma.

“O ponto de partida é o respeito pelo sofrimento do outro. O médico avalia a irreversibilidade do quadro clínico e só responde se ele tem condições de atender ao pedido do paciente. Familiares e amigos também são consultados em alguns países, mas a decisão final é sempre de quem solicitou a eutanásia ou o suicídio assistido.”

Tânia Alves afirma que o paciente deve estar apto para fazer a escolha, havendo, para isso, instrumentos para analisar sua capacidade cognitiva.

Ela explica a diferença entre um procedimento e outro.

“Na eutanásia, um médico injeta no paciente uma substância de ação letal. No caso do suicídio assistido, o paciente toma a iniciativa, sob a orientação de um médico."

Com informação do Jornal da USP.




Holanda inocenta médico que submeteu mulher com demência à eutanásia

Padre recusa funeral a corpo de homem que morreu por eutanásia

Bélgica multa asilo católico por não atender pedido de eutanásia

Em decisão histórica, Alemanha legitima o suicídio assistido




Comentários

Psiquê disse…
Se a pessoa quiser se matar, então é melhor não procurar médico. Se Deus não existe, então não existe castigo eterno. Se Deus não existe, morrer é a melhor opção, pois morto não precisa de dinheiro.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m