Pular para o conteúdo principal

Serviço Funerário de São Paulo afasta 177 sepultadores com 60 anos ou mais

A prefeitura de São Paulo adotou novas medidas para reduzir risco de contágio em velórios e enterros na capital.

Depois de limitar tempo e pessoas nos velórios, o município autorizou contratação de mão de obra temporária de novos sepultadores, locação de veículos, equipamentos de proteção e ampliou frota para atender somente a casos suspeitos e confirmados

CAIXÕES DAS VÍTIMAS DO
CORONAVÍRUS TÊM DE SER
LACRADOS E VELÓRIO NÃO
PODE TER MAIS DE 10 PESSOAS


“Embora o Serviço Funerário Municipal tenha 257 sepultadores em seus quadros, cerca de 60% foi afastado por pertencer ao grupo de risco — 60 anos ou mais.

Para garantir a prestação dos serviços, a prefeitura contratou uma empresa privada para fornecer 220 profissionais temporários, que começaram a trabalhar nesta segunda-feira”, disse a prefeitura em nota.


A empresa contratada é a Carrara Serviços Limitada e o valor do contrato é de R$ 8.960.903,40 pelo período de seis meses.

A partir de hoje também, as vítimas de Covid-19 ou suspeitas serão envolvidas em um saco plástico impermeável que será colocado ainda no hospital, com objetivo de dar maior segurança para sepultadores, motoristas e demais servidores que possam ter acesso aos corpos. A prefeitura adquiriu cinco mil unidades do produto.

O Serviço Funerário Municipal realiza, em média, 250 sepultamentos diariamente. No inverno, o número sobe para cerca de 340 ao dia devido ao crescimento nos casos de doenças e complicações respiratórias.




Nos EUA, pastor diz que Covid-19 é vingança de Deus contra casamento gay

Bolsonaro diz que brasileiro tem de se cuidar e não esperar ação governamental

Vídeo: guru de Bolsonaro, Olavo de Carvalho diz que ninguém morreu de coronavírus

Cidade de Nova York improvisa necrotério fora de hospital

Psicóloga diz como é possível manter o equilíbrio emocional em tempo de pandemia

13 teorias da conspiração sobre o coronavírus. Ou: a bolsa ou a vida?

Paciente curada do coronavírus afirma ter aprendido a falta que faz um abraço



Comentários