Pular para o conteúdo principal

Cientistas confirmam a segunda cura de pessoa contaminada por HIV

Deutsche Welle    Cientistas confirmaram nesta terça-feira (10/03) a cura de uma pessoa infectada com o vírus que causa a aids por meio do transplante de células-tronco de um doador com um gene resistente ao HIV. É o segundo caso do tipo no mundo.

O caso, relatado na revista médica The Lancet HIV, envolve um paciente de Londres, no Reino Unido, que foi submetido a um tratamento semelhante ao do chamado "paciente de Berlim", cuja recuperação foi anunciada em 2011, na Alemanha, como a primeira cura de um paciente infectado com HIV.

TRATAMENTO COM
CÉLULA-TRONCO NÃO
DISPENSA APLICAÇÃO
DE RADIOTERAPIA

"Os resultados mostram que o sucesso do transplante de células-tronco como cura para o HIV, relatado pela primeira vez há nove anos no paciente de Berlim', pode ser replicado", afirmou o coordenador do estudo experimental, Ravindra Kumar Gupta, da Universidade de Cambridge.

Segundo o estudo, o "paciente de Londres" deixou de ter infeção viral ativa ao fim de dois anos e meio sem medicamentos antirretrovirais.

O paciente decidiu revelar sua identidade nesta semana em uma entrevista ao jornal The New York Times.

"Quero ser um embaixador da esperança", disse Adam Castillejo, de 40 anos, que cresceu em Caracas, na Venezuela.

Em março de 2019, o professor Gupta já havia anunciado que o homem, diagnosticado soropositivo em 2003, estava em remissão sustentada (a fase da doença em que não há sinais de atividade dela), não mostrando sinais do vírus há 18 meses.

Os cientistas verificaram a "cura" coletando amostras de sangue, de líquido cefalorraquidiano, sêmen, tecido intestinal e linfoide.

Adicionalmente, partiram de um modelo probabilístico para calcular a porcentagem de cura, que seria de 99% se o doente tivesse 90% de células imunitárias derivadas das células que foram transplantadas.


No caso do "paciente de Londres", os cientistas concluíram que 99% das suas células imunitárias derivaram das células-tronco que recebeu do dador, o que significa que o transplante de células foi bem-sucedido. Apesar dos resultados, o homem continuará a ser monitorado, embora com menos frequência.

Os autores do estudo ressalvam que o tratamento com células-tronco — células que têm capacidade regenerativa — é de risco elevado e só pode ser usado como último recurso para doentes com o vírus da aids que têm câncer no sangue.

"Por isso, não é um tratamento que possa ser amplamente fornecido a infectados com o HIV que estão respondendo com sucesso a um tratamento antirretroviral", sublinhou Gupta.

O transplante de células-tronco de doadores com o gene resistente ao HIV (CCR5) faz com que o vírus não consiga multiplicar-se no organismo da pessoa infectada, ao substituir as suas células imunitárias pelas células imunitárias dos doadores. A radioterapia e a quimioterapia são utilizadas paralelamente para eliminar vestígios do vírus.

O fato de a cura do paciente de Berlim ter permanecido única por mais de dez anos sugeriu a alguns que era apenas um golpe de sorte. Os pesquisadores esperam agora obter outros casos de sucesso.

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

Cientistas injetam célula-tronco humano em macaco para criar órgãos

Japão aprova cultivo de célula tronco de humanos em animais

Tribunal de MT declara inconstitucional obrigatoriedade de Bíblia em Câmara

Banco de células-tronco atenderá necessidade de 90% dos brasileiros



Comentários

Posts + acessados hoje

Antes de dizer em live 'aceitem a paz do Senhor', pastor xinga sua mulher

Justiça de Angola determina o fechamento de todos os templos da Igreja Universal

Maitê recupera pensão de solteira apesar de união com empresário