Pular para o conteúdo principal

Não há como negar que astrologia e racismo usam o mesmo padrão de crenças

Astrologia e racismo julgam as
pessoas com base em fatores
fora do controle delas

por Benjamin Radford
para Center For Inquiry

Existem muitas objeções científicas e céticas à astrologia, incluindo o fato de que as constelações mudaram desde que a astrologia foi criada.

Muitos testes do mundo real falharam em encontrar padrões estatisticamente significativos na vida de pessoas nascidas sob certos signos do zodíaco.

Há ainda muitas versões da astrologia e cada uma delas tem adeptos fervorosos, apesar de existirem contradições entre elas.

Mas o que pode ser ainda mais perturbador é a grande semelhança entre astrologia e racismo.

A premissa básica da astrologia é que as pessoas que nasceram em determinados momentos e lugares compartilham características de personalidade específicas e distintas.

Dizem que librianos como eu, por exemplo, são diplomáticos, refinados, idealistas e sociáveis; câncer é emocional, sensível e doméstico; os nascidos sob o signo de Touro são teimosos, analíticos e metódicos, e assim por diante.

Centenas de milhões de pessoas leem seus horóscopos diários, ou pelo menos sabem alguma coisa sobre seus signos solares.

Astrologia e racismo compartilham muitas das mesmas ideias.

Por um lado, nos dois casos, uma pessoa está sendo julgada por fatores fora de seu controle.

Assim como uma pessoa não tem controle sobre sua raça ou cor da pele, também não tem controle sobre quando e onde nasceu.


Tanto a astrologia quanto os estereótipos raciais são baseados em uma estrutura de crença que basicamente diz: “Mesmo sem conhecê-lo, acredito em algo a seu respeito: posso esperar esse tipo de comportamento ou característica (teimosia, preguiça, arrogância, etc.) dos membros desse grupo específico de pessoas (judeus, negros, aries, peixes, etc.) "

Quando um astrólogo descobre o signo de alguém, ele traz para essa experiência uma lista pré-existente de suposições (preconceitos) sobre o comportamento, a personalidade e o caráter dessa pessoa.

Nos dois casos, os preconceitos farão com que as pessoas procurem e confirmem suas expectativas.

Os racistas procurarão exemplos de características e comportamentos nos grupos de que não gostam, e os astrólogos buscarão os traços de personalidade que acreditam que a pessoa exibirá.

Como as pessoas têm personalidades complexas (todos somos preguiçosas algumas vezes, teimosos em outras, etc.), racistas e astrólogos encontrarão evidências que confirmam suas crenças.

Como Carl Sagan escreveu: “É como racismo ou sexismo: você tem doze conjuntos de características e, quando alguém se torna membro desse grupo, ele é encaixado em um deles, e isso poupa o esforça de conhecê-lo individualmente”.

A astrologia tem sido usada há muito tempo para discriminar as pessoas.

De acordo com uma lista de empregos em Wuhan, na China, uma empresa de treinamento de idiomas procurou candidatos qualificados — desde que não fossem de escorpiões ou virgens.

Xia, Um porta-voz da empresa, afirmou que, em sua experiência, escorpião e virgem são frequentemente "mal-humorados e críticos".

Xia disse: "Contratei pessoas com esses dois signos antes, e eles gostavam de brigar com colegas e não eram produtivos por muito tempo".

A empresa preferia candidatos que fossem dos signos de capricórnio, libras e peixes. Para alguns, pode parecer uma piada de mau gosto, mas não é engraçado para candidatos qualificados, desesperados por um emprego que se afastam por causa da credibilidade da empresa em astrologia.

Em 2009, uma companhia de seguros austríaca anunciou: "Estamos procurando pessoas com mais de 20 anos para empregos de meio período em vendas e administração com os seguintes signos: capricórnio, touro, aquário, aries e leão".

É claro que os astrólogos não são necessariamente racistas. Mas os sistemas de crenças subjacentes a ambos os pontos de vista são idênticos: prejudicar os indivíduos com base em crenças gerais sobre um grupo.

Se não assumimos que os afro-americanos são preguiçosos, os árabes são terroristas ou os asiáticos são gênios escolásticos, por que assumiríamos que os cânceres são emocionais, os aries nascem líderes ou os geminianos são otimistas não conformistas?

As pessoas devem ser julgadas como únicas, não com base em que grupo arbitrário a que pertencem.

Parafraseando Martin Luther King Jr., uma pessoa deve ser julgada não pela cor de sua pele — nem pela data e hora de seu nascimento — mas pelo conteúdo de seu caráter.

Escrevi sobre isso Discovery News em 2011 e causou alvoroço.  Grou um novo recorde para o número de comentários.

Os astrólogos, como é possível imaginar, também não ficaram felizes comigo, porque atingi direto o nervo exposto.

De qualquer forma, não importa o que se diga, porque o fato inegável é que há paralelos entre o racismo e a astrologia.



Ex-astróloga adverte que a astrologia pode causar danos

Astrologia persiste porque se tornou em superstição tolerada

Com 3.500 anos, astrologia é a mais antiga pseudociência

Adeptos de pseudociências danificam sua racionalidade




Comentários

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato