Pular para o conteúdo principal

Ministério Público recorre à Justiça contra nomeação de missionário para a Funai

MP diz que Ricardo Lopes
 é ligado a grupo que se dedica
 a evangelizar índios

O Ministério Público Federal (MPF) ingressou com uma ação civil pública para suspender a nomeação do missionário Ricardo Lopes Dias para o cargo de Coordenador Geral de Índios Isolados e de Recente Contato da Fundação Nacional do Índio (Funai).

A Procuradoria da República no DF aponta uma série de problemas na indicação, entre eles, evidente conflito de interesses, incompatibilidade técnica e risco de retrocesso na política de não contato adotada pelo Brasil desde a década de 1980, apontando ameaça de genocídio e etnocídio contra os povos indígenas.


Segundo os procuradores, para viabilizar o nome de Dias, a presidência da Funai fez antes uma alteração no regimento interno do órgão, retirando a exigência de que o coordenador da área de isolados seja um servidor de carreira.

O MPF afirma que teve acesso a documentos assinados por movimentos missionários internacionais aos quais Ricardo Lopes Dias é ligado que comprovam o envolvimento da Missão Novas Tribos do Brasil, a que ele pertenceu por dez anos, em um movimento de fazer contatos forçados e evangelizar povos isolados.

Nos documentos, utiliza-se o termo “finalizar a missão” para designar o que os missionários dizem ser uma “comissão” dada por Jesus Cristo em trecho da Bíblia, e que “obriga evangélicos a promoverem a conversão de povos indígenas em todo o planeta”.

Com informação do Ministério Público Federal, O Antagonista e de outras fontes.



Igrejas evangélicas aumentam presença entre os índios

Evangelizadores de Silas Malafaia causam tensão em comunidade indígena

Igreja mandou padre pedófilo cuidar de filhos de índios brasileiros

Intolerância religiosa começou com a conversão dos índios




Comentários

Posts + acessados nos 30 dias mais recentes

Morre de Covid-19 pastor bolsonarista que defendia uso da cloroquina

Angolanos expulsam os pastores brasileiros de 30 templos da Universal

Edir Macedo amaldiçoa angolanos que expulsaram pastores brasileiros de templos