Pular para o conteúdo principal

Drauzio diz que quando viu João de Deus pela 1ª vez já soube que era bandido

O médico diz que o charlatão
 enganou pessoas simplórias e,
 pior, gente que teve o privilégio
 de frequentar boas escolas

O médico oncologista e divulgador científico Drauzio Varella (foto) escreveu um artigo dizendo que, quando viu o curandeiro João de Deus pela primeira vez, na TV, ele não hesitou em falar a sua mulher: “É bandido”.

“Se aprendi alguma coisa em 30 anos frequentando cadeias, foi a reconhecer marginais. Podem disfarçar os modos, o jeito de andar, o palavreado, os gestos, mas o olhar os trai”.

Varella, que tem abordado tema da medicina no programa Fantástico, escreveu que “a televisão tem o dom de entregar os olhos do personagem e, como diz o povo, eles espelham a alma. É por isso que, mesmo sem saber por quê, o espectador percebe quando o entrevistado mente, por mais razoáveis que pareçam os argumentos evocados por ele”.

“O tal João que apregoava incorporar o espírito de um médico do além-túmulo, que lhe trazia a capacidade de curar enfermos, tinha o olhar em desencontro com a expressão piedosa que a fisionomia se esforçava para transmitir, fugidio, arisco, incapaz de se fixar nos olhos da repórter que o entrevistava”.


Drauzio Varella revelou que alguns de seus pacientes chegaram a procurar João de Deus em Abadiânia, em Goiás, mas não sabe quantos foram.

“Dos que admitiam ter ido boa parte se dizia decepcionada pela evidência dos interesses comerciais envolvidos no atendimento, enquanto outros se consideravam beneficiados pela paz emanada nas bênçãos e pela névoa de espiritualidade que acreditavam envolver o ambiente.”

O médico escreveu que, com certeza, o curandeiro transmitiu por décadas os vírus das hepatites de infecções durante a “cirurgia” que fazia raspando córneas com o lado cego de bisturi, “sem que a Vigilância Sanitária se dignasse a molestá-lo”.

“Acreditaram que suas habilidades mediúnicas se estendiam aos vírus e às bactérias?”

Drauzio Varella disse ter acompanhado o surgimento de “curandeiros que apregoavam trazer a saúde de volta aos desenganados, graças à intervenção de entidades extraterrenas que reencarnavam em seus corpos bem aventurados”.

Mas João de Deus superou a todos, por enganar muita gente por um longo tempo, até que o jornalista Pedro Bial entrevistou mulheres que sofreram abuso sexual do curandeiro, inciando o processo de dezenas de denúncias.

Drauzio Varella disse não se chocar com a boa-fé de pessoas simplórias que foram ludibriadas pelo vigarista, mas ele fica abismado com “os crédulos que desfrutaram o privilégio de estudar em boas escolas” que procuraram João de Deus.

Trata-se de uma referência aos ricos e famosos que procuraram o charlatão em Abadiânia, incluindo ministros do Supremo Tribunal Federal.

“Depois de condenado a mais de 50 anos de cadeia por pequena parte de seus crimes, há devotas que teimam em visitar a hoje decadente Abadiânia, na esperança de captar eflúvios energéticos remanescentes nas instalações em que o vigarista as abençoava.”

“Em pleno século 21, como podem crer em milagres, em curas mirabolantes e em personagens tão bizarros quanto esse senhor?”

Com informação da Folha de S.Paulo.




Já existem 506 relatos de mulheres que acusam João de Deus de abuso

Guias turísticos diziam que ejaculações de João de Deus curavam mais que operação espiritual

Eu, Zahira Lieneke, 34, sofri abuso de João de Deus

Em vídeo, Drauzio Varella critica João de Deus e diz: 'Milagres não existem'




Comentários

Muito bom, gostei. Mas, sabendo que o sujeito, lá atrás, era "bandido", é de se perguntar por que ele, o Drauzio, não deu a cara à tapa? Ele poderia ter evitado MUITOS abusos, estupros, corrupção... Veja essa brevíssima resposta do Padre Quevedo (entre tantas), a respeito de João de Deus & Cia., exatamente no dia 25/08/2000 (aos 2:40), portanto, há 20 anos!

https://youtu.be/D7-ynoVhNyU
Eduardo Banks disse…
Amigo, a avaliação do Dráusio é SUBJETIVA; como ele poderia acusar alguém de ser "bandido", apenas com base no OLHAR do sujeito, e sem que tivesse qualquer indício ou sinal material de crime? O Dr. Dráusio Varella estaria na mesma situação de quem ouvisse a voz de um "espírito" que lhe falasse "o teu vizinho é assassino"; você, nunca situação dessas, chamaria a polícia, dizendo que "um espírito falou" ou que "tem uma percepção de que o olhar dele é o de um pessoa suspeita, que tem algo a esconder"? Lógico que não; esse tipo de "alerta" que podemos ter ao confrontar pessoas dissimuladas servem para que não confiemos, e fiquemos de prevenção contra elas, mas não é permitido comunicar a terceiros, ainda mais autoridades, sem nenhuma prova. Agora temos a prova, os testemunhos de dezenas de vítimas. Além do mais, o Dr. Dráusio sentiu que o João de Deus era "bandido", mas não tinha como saber que espécie de crime ele cometia, podendo ser apenas um aproveitador e estelionatário. Ser estuprador é algo horrendo demais, para que se pudesse prever!

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Capela em centro espacial é absurdo, afirma estudante

do leitor Sérgio "Este prédio da capela poderia abrigar um bom laboratório" Sou físico e aluno de doutorado do INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] em São José dos Campos (SP) e gostaria de fazer um breve comentário. Há 5 anos, quando ingressei no mestrado no instituto, fique fascinado com a estrutura física/financeira oferecida ao desenvolvimento da pesquisa. Sinceramente não tenho do que me queixar, mas uma coisa  chama muito atenção (não só a minha, claro). É que dentro do INPE (um centro de pesquisa principalmente física), acreditem, tem uma capela para oração. No local que é considerado o maior centro de pesquisa tecnológica da America Latina (a Nasa brasileira, como muitos dizem) existe tal absurdo. Esse prédio poderia, por exemplo, abrigar um bom laboratório ou coisa mais útil. O INPE (englobando todas as áreas – astrofísica, meteorologia, sensoriamento, engenharia de materiais, etc.) é formado por pesquisadores/cientistas de várias partes do mu

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Empresa avisou que as instituições preconceituosas não terão subsídios  Um grupo inglês de escoteiros rejeitou a filiação de George Pratt, 11, porque ele, ateu, disse que, no juramento de lealdade, não podia declarar obediência a Deus. Trata-se de um juramento padrão, seguido por escoteiros de todo o mundo. Nos Estados Unidos, a partir de agora, os grupos de escoteiros que discriminam ateus e gays deixarão de receber ajuda financeira do programa de voluntariado da Intel. A fabricante de chips informou aos grupos de escoteiros, entre outras entidades, que adotou uma nova política de não conceder ajuda a quem promove de discriminação. Chuck Mulloy, porta-voz da Intel, disse que as instituições, para receber subsídios, terão de assinar um documento declarando estar de acordo com as políticas de não discriminação da empresa. A decisão afeta principalmente os escoteiros de Oregon, onde a Intel tem uma fábrica. Somente em 2010, as doações foram de US$ 180.000 (R$ 360.000). Matt

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Família esperou por três dias, mas Neide não ressuscitou; corpo foi sepultado cheirando mal