Pular para o conteúdo principal

Mesa de Bolsonaro mostra remédio vetado por falta de comprovação científica

Palácio do Planalto não
 se manifestou sobre o frasco
 do suposto remédio

O presidente Jair Bolsonaro (foto) ou uma das pessoas que tiveram com ele uma reunião está usando um suposto medicamento que foi proibido pela Anvisa por não ter comprovação científica.

Trata-se do complemento alimentar produzido com farinha da planta Moringa oleifera, conhecida “acácia-branca”.

Proibido, falso remédio
pode ser comprado
na internet

Popularmente, a folha da planta teria principio ativo para tratar doenças respiratórias e cardiovasculares, reduzir ansiedade e depressão, perder peso, controlar concentração de glicose de pessoas diabéticas e curar câncer.

Em junho de 2019, a Anvisa proibiu a produção e a venda do suposto remédio por não haver nenhuma comprovação científica de sua utilidade medicinal, mas ele se encontra disponível na internet.

O site Tua Saúde publica as supostas características medicinais da Moringa oleifera, mas não recomenda o seu consumo porque pode causar náuseas, vômitos, diarreia, aborto, paralisia e óbito. 

Fotografia foi feita em uma reunião na
 quinta-feira de Bolsonaro com Regina Duarte
e outros integrantes do governo.

Com informação do Correio Braziliense e de outras fontes, com fotos de divulgação.




Saiba como identificar argumentações de divulgadores de pseudociência

Brasil não se pode dar ao luxo de contrapor a ciência com pseudociência

Adeptos de pseudociências danificam sua racionalidade

‘Medicina alternativa’ coloca o SUS contra a ciência, dizem estudiosas




Comentários

Anônimo disse…
Legal, mas qual o problema?
Anônimo disse…
De tanto tomar essas merdas que a esposa do Eduardo Bostanaro abortou, kkkkkkkkk
Unknown disse…
Nem é a mesma embalagem

Posts + acessados nos 30 dias mais recentes

Morre de Covid-19 pastor bolsonarista que defendia uso da cloroquina

Angolanos expulsam os pastores brasileiros de 30 templos da Universal

Edir Macedo amaldiçoa angolanos que expulsaram pastores brasileiros de templos