Pular para o conteúdo principal

Terceira sentença condena o curandeiro João de Deus a 40 anos de prisão por estupro

Charlatão poderá cumprir
 penas em sua casa por causa
 da fragilidade  de sua saúde

A juíza Rosângela Rodrigues, da Comarca de Abadiânia (GO), condenou hoje (20 de janeiro de 2020) o curandeiro João de Deus (foto) a 20 anos de prisão por ter ele estuprado cinco mulheres entre 2011 e 2017.

É a terceira sentença condenatória ao curandeiro.

Pela primeira, anunciada em novembro de 2019, ele pegou quatro anos de prisão por posse ilegal de armas.

Na segunda vez, em dezembro de 2019, a pena foi de 19 anos de prisão por fraude e estupro de dois menores de idade.


A juíza Rosângela disse que as vítimas relatam modus operandi do líder religiosos estuprados.

“Todas narram que a violação sexual teria ocorrido durante um atendimento individual numa sala privativa.”

A juíza ainda terá de emitir dez sentenças de outras 41 vítimas.

Haverá outras condenações, mas a juíza admite que João de Deus poderá cumprir as penas em regime domiciliar, por causa de problemas de saúde.

Com informação da Agência Brasil e de outras fontes.


Já existem 506 relatos de mulheres que acusam João de Deus de abuso

Guias turísticos diziam que ejaculações de João de Deus curavam mais que operação espiritual

Eu, Zahira Lieneke, 34, sofri abuso de João de Deus

Em vídeo, Drauzio Varella critica João de Deus e diz: 'Milagres não existem'




Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m