Pular para o conteúdo principal

Padre que foi conselheiro de Madre Teresa é acusado de estuprar mil vezes um garoto

Violentador de crianças,
 McGuire sempre contou com
 o apoio da missionária, que
virou santa da Igreja Católica

O americano Bobby Goldberg, 61, abriu um processo contra a Igreja Católica sob a acusação de ele ter sido vítima de um padre pedófilo, Donald McGuire (foto), que foi conselheiro espiritual de Madre Teresa (foto).

Goldberg afirma, na ação, que foi abusado mais de mil vezes, começando quando ele tinha 11 anos, com "toque sexual, cópula oral e penetração anal".

Ele disse à imprensa que só agora resolveu recorrer à Justiça porque antes não teve coragem de se expor publicamente.

O padre jesuíta McGuire morreu em 2016 aos 86 anos em um presídio, cumprindo pena de 25 anos por ter abusado de outros garotos.

As suspeitas e acusações em relação a McGuire já eram frequentes na época em que foi conselheiro espiritual de Madre Teresa, na década de 1970.



Mesmo assim, McGuire sempre contou com o apoio da missionária, que afirmava acreditar na inocência dele, e, depois, da instituição de caridade fundada por ela.

'Tenho confiança no padre McGuire e desejo que seu ministério vital seja retomado o mais breve possível', disse ela em 1994, quando o sacerdote passou um tempo em uma clínica psiquiátrica.

Essa manifestação da missionária ajudou McGuire a retomar seu ministério e os abusos de garotos.

Em 2003, McGuire tem de enfrentar um tribunal. Freiras de Madre Teresa lotaram a audiência com o boton "Apoio o padre McGuire", o que não impediu a condenação.

Para Bobby Goldberg, madre Teresa sabia que seu conselheiro espiritual abusava de garotos, mas, acredita, ela defendeu o sacerdote para preservar a imagem de sua instituição e da Igreja Católica.

Na ação judicial, Goldberg faz um relato minucioso de sua convivência com o padre McGuire.

Ele conheceu o sacerdote em 1970 em Chicago. McGuire ofereceu um emprego para a irmã doente e mãe solteira de Goldberg, mas em troca o padre pediu sexo ao então garoto.

De acordo com o relato, McGuire "adotou" Goldberg, e ambos viajaram por vários países em missões espirituais.

Enquanto o garoto sofria abusos quase diários do amigo de Madre Teresa de Calcutá, ela se tornou pop. Em 1997, ganhou o Prêmio Nobel da Paz.

A missionária morreu em 1997 e em 2016 o papa Francisco a consagrou santa.

McGuire diz que se tornou
 uma presa do padre pedófilo

Com informação e fotos dos sites Infobae, Metro e outras fontes.






Vaticano mantém intervenção na seita de fanáticos Arautos do Evangelho

Em cerimônia de crisma, Arautos do Evangelho dão tapa no rosto de jovens

OAB-SP vai acompanhar denúncias contra os Arautos do Evangelho

Polícia da Índia prende freira da ong Madre Teresa sob suspeita de venda de bebê




Comentários

Anônimo disse…
Essa Madre Teresa de Calcutá ainda virou santa, só em uma instituição pedófila para uma desgraçada dessas ser santa.
Bruno Miranda disse…
Desgraçada? Então faça melhor que ela (o que eu duvido).
Unknown disse…
Que coisa mais poética ... a sociopata assassina miserável .. acobertando o pedófilo miserável ...
Unknown disse…
Só sei de uma coisa que meu Redentor vive.e não passará impune nada que existe oculto.e ninguém pode se intitular SANTO.porque só ele foi e será para sempre

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa