João de Deus é condenado a 19 anos de prisão na primeira sentença por abuso

Curandeiro é acusado
 de molestar de centenas
 de mulheres

A Justiça de Goiás condenou, hoje (19 de dezembro de 2019), o curandeiro João de Deus (foto) a 19 anos e quatro meses de prisão por abuso sexual contra mulheres que o procuravam em busca de tratamento espiritual, em Abadiânia, interior do estado de Goiás.

A sentença é a primeira proferida nos processos envolvendo o médium, que está preso desde dezembro de 2018, quando surgiram as primeiras denúncias.

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) apresentou mais de dez denúncias contra João de Deus, por crimes como estupro de vulnerável e violação sexual. 

Segundo o MP, os crimes ocorreram ao menos desde 1990, sendo interrompidos em 2018, quando as primeiras denúncias foram divulgadas pela imprensa.

A defesa do curandeiro informou que ainda não teve acesso à sentença.

Com informação da Agência Brasil.


Já existem 506 relatos de mulheres que acusam João de Deus de abuso

Número de vítimas de João de Deus deve superar o de Roger Abdelmassih

Eu, Zahira Lieneke, 34, sofri abuso de João de Deus

Em vídeo, Drauzio Varella critica João de Deus e diz: 'Milagres não existem'




Comentários

  1. Muito pouco pela quantidade e gravidade dos crimes que cometeu.

    ResponderExcluir
  2. E olha que ele só ta preso porque mexeu com mulher de cara rico e artistas ... se tivesse só ficado com as pobrezinhas ... tava solto e feliz ... O Gilmar soltava na hora.

    ResponderExcluir

Postar um comentário


EDITOR DESTE SITE

Paulo Roberto Lopes é jornalista

profissional diplomado. Trabalhou

no jornal centenário abolicionista

Diario Popular, Folha de S.Paulo,

revistas da Editora Abril e

em outras publicações.

Contato