Político holandês publica caricatura de Maomé vencedora de concurso


Conhecido por seu discurso anti-islã, o holandês Geert Wilders (foto abaixo) deu por encerrado um concurso de caricatura de Maomé, anunciando como vencedor um desenho escuro de um homem barbudo com sobrancelha franzida e lenço preto na cabeça.

O desenho foi publicado nas redes sociais, como o Twitter e o Facebook. Não foi divulgado o nome do autor da caricatura.

De extrema-direita e dirigente do maior partido de oposição, Wilders sofre constantemente ameaças de morte, como em 2018, quando tentou organizar um concurso sobre o profeta e desistiu.

Para muitos muçulmanos, a representação de Maomé é altamente ofensiva.

“A liberdade de expressão deve prevalecer sobre a violência e as fátuas islâmicas”, disse Wilders à agência pública alemã de jornalismo Deutsche Welle, que incorporou na entrevista um Twitter do político com a reprodução da caricatura.

Wilders sofre com frequência
 ameaças de morte

Com informação da Deutsche Welle e de outras fontes.





Caricatura mostra o profeta Maomé de Carmen Miranda

Entidade promove dia da blasfêmia em defesa da livre expressão

Edição de revista satírica alemã terá capa com caricatura de Maomé

Charge de jornal satírico francês mostra Maomé pelado de bunda para cima




Comentários

  1. Na visão muçulmana, o Islã surgiu desde a “criação do homem”, ou seja, desde Adão, Abrão, Noé, Moisés, Jesus, sendo este o primeiro profeta dentre inúmeros outros, para diversos povos, sendo o último Maomé que não se diz filho de Deus, mas eleito, escolhido por Alá, que enviou o anjo Gabriel. Não representam a fisionomia de Deus, nem mesmo a dos profetas. O Islã proíbe as imagens, porque o Criador não gerado não poderia ser representado. O Deus dos judeus nunca se mostrou, fez-se ouvir, o que é diferente. No Alcorão, a representação de Deus é estritamente proibida. Para os islâmicos também Deus está acima da humanidade. Mas se você lhe dá o rosto de Cristo, então ele se torna homem. É muito mais fácil se ver no olhar infeliz de Cristo! Se você achar que ele é o Filho de Deus feito homem, sim, mas se não admitir, é uma ofensa a Deus.

    O Islamismo não permite que se façam ídolos de Deus justamente por esse motivo: para que não seja identificado de modo algum com a matéria. Nenhum ídolo, nenhuma imagem pode ser feita de Deus, porque a imagem produz a ideia de sua substância, e ele não é substância. O islã wahabita , versão mais radical do Wahabismo que acreditam poder considerar infiéis outros muçulmanos, proíbe rezas para santos e pessoas que tenham morrido, peregrinações a tumbas e mesquitas especiais e festivais religiosos. Pior ainda, é o retorno à idade da ignorância, à adoração dos ídolos e das pedras sagradas. O Profeta se irritava tanto com a adoração do Sol, em prática entre os politeístas, e escolheu o Crescente pedaço de lua como símbolo do Islã. O crescente permite não confundir a Lua com o céu. Mohammed percebeu que as brigas entre as diversas tribos árabes, cada uma acreditando em um Deus diferente, só prejudicavam a vida e os interesses de todos. Melhor seria se todos acreditassem em um só Deus.

    ResponderExcluir

Postar um comentário


EDITOR DESTE SITE

Paulo Roberto Lopes é jornalista

profissional diplomado. Trabalhou

no jornal centenário abolicionista

Diario Popular, Folha de S.Paulo,

revistas da Editora Abril e

em outras publicações.

Contato