Pular para o conteúdo principal

Deputados de Mato Grosso do Sul dão isenção de ICMS às igrejas

Projeto de lei é de autoria do
deputado estadual Antonio Vaz, que
 segue orientação da Igreja Universal

[texto opinativo] A Assembleia Legislativa do Estado do Mato Grosso do Sul aprovou um projeto de lei que isenta os templos religiosos de pagarem imposto sobre circulação de mercadorias e de sobre prestação de serviços de transportes.

Com dez votos favoráveis e um contra, o projeto de lei foi aprovado no dia 21 de novembro de 2019.

Se o projeto de lei for sancionado pelo governador Reinaldo Azambuja, e tudo indica que vai, as igrejas, na prática, deixarão de pagar o ICMS nas contas de água, luz, telefone e outros serviços públicos.

E isso em um momento em que o governo fala em reforma tributária, para cortar os excessos, e abuso, enquanto boa parte da população mal consegue pagar a conta mensal da luz.

A lei foi proposta pelo deputado Antonio Vaz, do Republicanos, antigo PRB, partido ligado à Igreja Universal.

Esse tipo de obtenção de vantagem ocorre a toda hora, nas esferas municipal, estadual e federal. É como se estivesse havendo um assalto coletivo de religiosos aos cofres públicos.

E nunca as autoridades divulgam quanto os cofres públicos deixaram de arrecadar com essa forma de malandragem.

Até quando?

Com informação do jornal "O Correio do Estado" e foto de divulgação.



Universal recorre à Justiça para comprar câmeras de TV com isenção fiscal

Mesmo endividado, Pará dá isenção de ICMS às igrejas

Isenção de IPTU às igrejas custa a São Paulo 22 creches por ano

União deixa de arrecadar R$ 1 bi com a renúncia fiscal de igrejas




Comentários

Posts mais acessados na semana

Igreja Católica da Alemanha admite que freiras forneciam crianças a padres pedófilos

Bolsonaro compra a novela 'Os dez mandamentos' da Record para a TV Brasil

Dona Religião é casada com sr. Atraso e têm vários filhos

Morre de Covid-19 apresentador bolsonarista de TV de Minas afiliada ao SBT

Transferência bilionária do Vaticano a pessoas físicas da Austrália intriga até bispos